Istarplas 200/0,5 Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Para que serve

Este medicamento é destinado ao tratamento e profilaxia de deficiência de volume (hipovolemia) e choque, e em situações nas quais a expansão do volume do plasma é desejada, como: ferimentos; intervenções cirúrgicas ou traumatológicas (choque hemorrágico e choque traumático); infecções (choque séptico); queimaduras (choque de queimados); hemodiluição normovolêmica aguda (autotransfusão) em intervenções cirúrgicas; diluição terapêutica do sangue (hemodiluição), como na terapia de distúrbios circulatórios ontogênicos e placentários (hemodiluição isovolêmica e hipervolêmica).

Istarplas 6% e 10%, em solução de cloreto de sódio 0,9% é indicado em planos terapêuticos que exigem uma reposição do volume plasmático. Assim, são soluções para infusão intravenosa propostas para atuar como repositores e expansores plasmáticos.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Istarplas 6% e 10% contém o hidroxietilamido, um coloide sintético derivado de amido ceroso quase inteiramente composto de amilopectina, o principal componente do amido da batata. O hidroxietilamido é caracterizado por sua substituição molar e também por seu peso molecular, e são justamente essas características que determinam o volume de expansão, a hemodiluição e o tempo de ação do produto.

Istarplas é utilizado para a reposição do volume de plasma perdido, para melhorar as propriedades do fluxo do sangue e para a profilaxia da trombose. A pressão oncótica sanguínea é estabelecida primordialmente pela albumina plasmática. Uma vez que se perdeu certo volume de sangue, é necessário restabelecer a pressão oncótica natural através de substitutos funcionais da albumina, o hidroxietilamido representa um substituto muito eficiente a esta função coloidosmótica da albumina.

Istarplas possui tempo de permanência intravascular de 100% de 3 a 4 horas e meia vida de eliminação renal de aproximadamente 24 horas.

Istarplas 6% e 10% apresentam respectivamente, um aumento do volume plasmático efetivo de aproximadamente 100 % e 145% e uma meia vida plasmática de 6 horas, ou seja, após 6 horas a sua concentração se reduz à metade. Istarplas 6% e Istarplas 10% são indicados em planos terapêuticos de média duração envolvendo hipovolemia (baixo volume sanguíneo) e choque (efeito platô = 4 horas). Em ambas concentrações, quantidades residuais mínimas são encontradas no SER (Sistema Retículo Endotelial) do fígado, rins, pulmões e baço, sendo metabolizados continuamente. O hidroxietilamido infundido no organismo exerce a sua função de forma quase imediata e segue até a excreção sem atuar farmacologicamente, isto é, não tem uma ação medicamentosa convencional e atuação em receptores específicos.

Farmacocinética

Depois de inúmeras investigações sistemáticas, está absolutamente certo que a duração da ação e o comportamento da eliminação do HES são determinados extensamente pelas características da molécula. Depois da infusão intravenosa, as moléculas de peso menor são prontamente excretadas inalteradas pelo rim; as moléculas maiores são metabolizadas e eliminadas mais lentamente. A taxa do metabolismo depende, sobretudo, do tamanho da molécula, dentre outros fatores, o que conduz a uma taxa de metabolismo mais lenta e consequentemente a uma duração de ação maior.

Aproximadamente 33% de uma dose de HES (alto peso) e aproximadamente 70% de uma dose de HES de peso molecular médio (baixo peso) é excretada na urina em 24 horas.

As moléculas menores de HES são rapidamente excretadas e eliminadas pelos rins, e por isso, permanecem no sangue por um período de tempo demasiadamente curto, não sendo consideradas, portanto, para a ação terapêutica coloidal de HES. Metade das moléculas maiores, que permanecem por muito mais tempo no sangue, são quebradas em moléculas menores, (possivelmente ainda na via intravascular) sendo excretadas via renal. Basicamente, somente uma parte do HES administrado intravenosamente, poderá ser encontrada na urina, porque se deve supor que haverá ao menos um armazenamento provisório de HES e também uma metabolização parcial.

Segue abaixo, algumas informações adicionais, referentes à ação e farmacocinética das soluções:

Istarplas 6%: Depois da infusão de Istarplas 6% (500mL/15 minutos) para o tratamento de hipovolemia, há um aumento no volume do plasma equivalente a aproximadamente 100% do volume infundido em aproximadamente 4 a 8 horas. Assim, Istarplas 6% traz uma melhoria na circulação e microcirculação durante um período de mais ou menos 4 a 6 horas. Istarplas 6% é degradado continuamente pela amilase plasmática e eliminado predominantemente através dos rins. Aproximadamente 47% aparece na urina dentro de 24 horas, e 10% pode ainda ser detectado no plasma.

Istarplas 10%: Depois da infusão de Istarplas 10% (500mL/15 minutos) para o tratamento de hipovolemia, há um aumento no volume do plasma equivalente a aproximadamente 145% do volume infundido em aproximadamente 1 hora e um aumento adicional de aproximadamente 100%, em aproximadamente 2 horas. Istarplas 10% traz uma melhoria na circulação e microcirculação durante um período de 4 a 8 horas. Istarplas 10% é degradado continuamente pela amilase plasmática e eliminado predominantemente através dos rins. Aproximadamente 54% aparece na urina dentro de 24 horas, e 10% pode ainda ser detectado no plasma.

Eficácia na microcirculação:

A terapia de infusão com a solução de Istarplas, leva ao efeito de hemodiluição (diluição do sangue), melhor microcirculação e melhor hemodinâmica nos grandes vasos sanguíneos.

Além disso, o hematócrito será aumentado e a agregação dos eritrócitos será reduzida. Com isso o transporte de oxigênio e a nutrição serão influenciados positivamente.

Eficácia na coagulação sanguínea:

Hidroxietilamido influência nos parâmetros de coagulação por causa do efeito da diluição. Boa tolerância:

Novos estudos estão mostrando a boa tolerância de hidroxietilamido 200/0,5. Estes mostraram que o hidroxietilamido 200/0,5 quando usado como expansor plasmático e substituto do plasma, tem a mais baixa taxa de efeitos colaterais. O fato de o hidroxietilamido ser formado por moléculas de glicose similares à estrutura do glicogênio, explica seus baixos índices de reações anafiláticas/anafilactóides.

Este medicamento é contraindicado nos casos de hiperidratação, hipervolemia e notadamente na falha ou deficiência cardíaca severa (insuficiência cardíaca descompensada).

A falência renal, especialmente com oligúria (diminuição da urina) ou anúria (ausência de urina) terminal ou pré-terminal, deve ser considerada como uma contraindicação adicional, porque o rim é a principal via de eliminação do HES. Hipernatremia (elevado teor de sódio no sangue), hipercloremia (elevado teor de cloro no sangue) e reações de hipersensibilidade ao amido são contraindicações existentes, devido à composição das soluções. A desidratação, a hipocalemia (elevado teor de potássio no sangue), estados de hiperidratação, incluindo o edema pulmonar, a hemorragia intracranial e os distúrbios severos de coagulação sanguínea também são fatores considerados como contraindicações. Estas soluções não devem ser usadas nos pacientes com infarto cerebral agudo onde o edema cerebral é um problema potencial. Soluções de hidroxietilamido não devem ser usadas durante o primeiro trimestre da gravidez. Administrar no final da gravidez, somente se a indicação for vital. Nos casos de deficiência de fibrinogênio, usar apenas em emergências com risco de vida.

Gravidez: Categoria de risco C. Não foram realizados estudos que avaliassem a segurança do uso do medicamento por mulheres grávidas.

Via de administração: Intravenosa e individualizada.

Uso adulto.

As soluções de Istarplas 6% e 10% devem ser administradas somente por infusão intravenosa. A dose e a taxa total de infusão dependem da quantidade de plasma e de sangue perdido e da hemoconcentração resultante.

Adultos: Istarplas 6%: a quantidade administrada geralmente é de 500 a 1.000mL por dia. Doses de mais de 2.000mL por dia, para um paciente típico de 70 quilogramas (aproximadamente 28mL por quilograma de peso corporal) não são requeridos geralmente. Nos pacientes com choque hemorrágico agudo, a solução de hidroxietilamido pode ser administrada em uma taxa que aproxima 1,2 g/kg por hora (20mL/kg por hora). O volume diário máximo administrado é 33mL/Kg de peso corporal, o que equivale a aproximadamente 2 g de hidroxietilamido/Kg de peso corporal. O uso de soluções por períodos superiores a 72 horas não foi estudado.

Istarplas 10%: A dose máxima diária recomendada é de até 20mL/Kg de peso corporal/dia, o que equivale a 2,0 g de hidroxietilamido/Kg de peso corporal/dia ou a 1.500mL/75 Kg de peso corporal/dia.

Pacientes Pediátricos: Não foram conduzidos estudos clínicos controlados em pacientes pediátricos, para estabelecer a segurança e a eficácia de Istarplas.

Da mesma maneira, quando HES 200/0,5 é usado como um adjuvante no tratamento de hipovolemia e choque, a dose e a taxa de infusão dependem da perda de fluidos e da hemoconcentração resultante e devem ser determinadas de acordo com a necessidade do paciente. A dose usual no adulto da solução de Istarplas 6%, considerando as indicações acima expostas é 30- 60 g (500-1000mL). A dose diária do total da solução a 6% geralmente não deve exceder 1,2 g/kg (20mL/kg) ou 90 g (1500mL). Taxas mais lentas da administração são usadas geralmente nos pacientes com queimaduras ou choque séptico. Nos pacientes com insuficiência renal severa (clearance de creatinina menor que 10mL/minuto), a dosagem inicial usual de hidroxietilamido pode ser administrada, mas a dose subsequente deve ser reduzida a aproximadamente 25-50% da dose usual.

Recomendação de Dose para Doadores de Sangue - Hemodiluição Normovolêmica Aguda (ANH):

Substituição de sangue autólogo imediatamente antes da cirurgia com valores definidos de hematócrito. Os valores de

hematócrito não devem cair abaixo de 30% após a ANH. A proporção de substituição é de 1:1 (Istarplas 6% e sangue). - Sangue - retirado: 2 - 3 x 500mL (sangue autólogo)
- Dose diária: 2-3 x 500mL (Istarplas 6%)
- Velocidade de retirada de sangue: 1000mL/ 15-30 minutos

- Velocidade de infusão: 1000mL/15 - 30 minutos

Recomendação de Dose para Terapia de Hemodiluição:

Istarplas 6%: 500mL/dia dentro de 1 a 2 horas por um máximo de 10 dias.

Istarplas 10%: 500mL/dia dentro de 1 a 2 horas por um máximo de 5 dias ou 250mL/dia dentro de 30 a 60 minutos por um máximo de 10 dias.

A interrupção precoce do tratamento pode gerar instabilidade hemodinâmica no paciente.

Dose em Leucoferese: - 250 a 700mL da solução de hidroxietilamido 200/0,5 - 6%/10% juntamente com o anticoagulante citrato, são tipicamente administrados pela adição asséptica à linha de entrada do instrumento de centrifugação, em uma proporção de 1:8 ou 1:13 com o sangue venoso. A solução de hidroxietilamido e o citrato devem ser misturados completamente para assegurar uma anticoagulação eficaz do sangue, e para ter um ótimo fluxo na máquina de leucoferese. Quando armazenado em temperatura ambiente, a mistura de Istarplas de 500 - 560mL com concentração até 2.5% de citrato, são compatíveis por 24 horas.

Salvo prescrições médicas contrárias, as doses diárias máximas recomendadas são:

* hidroxietilamido

O tempo de tratamento depende da duração e da extensão da hipovolemia, da hemodinâmica e da hemodiluição. A dose diária e a taxa de infusão serão determinadas de acordo com a perda sanguínea e a hemoconcentração. O efeito da diluição limita a aplicação terapêutica.

A administração prolongada por vários dias é indicada apenas em casos excepcionais. Há que se considerar que o risco de efeitos indesejados aumenta com a dose total administrada.

No caso de uso repetido de soluções de hidroxietilamido os parâmetros de coagulação sanguínea deverão ser monitorados.

Recomendação de dosagem em caso de distúrbio de irrigação

A aplicação deverá ser hipervolêmica (sem sangramento) para se evitar queda da frequência cardíaca. Por isso, os riscos cardíacos presentes devem ser observados.

Dose diária e velocidade de infusão:

Dosagem baixa: 1 x 250mL/dia no período de 0,5-2 horas. Dosagem média: 1 x 500mL/dia no período de 4-6 horas. Dosagem alta: 2 x 500mL/dia no período de 8-24 horas.

Atenção: A literatura descreve uma relação entre dose e frequência no aparecimento de prurido em doença otoneurológica como, por exemplo, queda de audição. Para esta e outras doenças recomenda-se uma redução da dose no máximo de 250mL/dia (correspondente a 25 g HES/dia), para se diminuir a frequência de aparecimento de prurido.

Recomendação de Dose para Doadores de Sangue - Hemodiluição Normovolêmica Aguda (ANH):

Substituição de sangue autólogo imediatamente antes da cirurgia com valores definidos de hematócrito. Os valores de hematócrito não devem cair abaixo de 30% após a ANH. A proporção de substituição é de 1:1 (Istarplas 6% e sangue). - Sangue - retirado: 2 - 3 x 500mL (sangue autólogo)

  • Dose diária: 2-3 x 500mL (Istarplas 6%)
  • Velocidade de retirada de sangue: 1000mL/ 15-30 minutos
  • Velocidade de infusão: 1000mL/15 - 30 minutos

Recomendação de Dose para Terapia de Hemodiluição:

Istarplas 6%: 500mL/dia dentro de 1 a 2 horas por um máximo de 10 dias.

Istarplas 10%: 500mL/dia dentro de 1 a 2 horas por um máximo de 5 dias ou 250mL/dia dentro de 30 a 60 minutos por um máximo de 10 dias.

A interrupção precoce do tratamento pode gerar instabilidade hemodinâmica no paciente.

Recomendações Gerais:

Não usar o recipiente plástico em série, na conexão. Se a administração for controlada por um dispositivo bombeador, cuidados devem ser tomados para interromper a ação bombeadora antes que o recipiente fique seco ou resulte em embolismo de ar. Recomenda-se que o instrumento intravenoso da administração seja substituído ao menos uma vez a cada 24 horas. Use somente se a solução estiver límpida e o recipiente e os selos estiverem intactos. O medicamento parenteral deve ser inspecionado visualmente para a verificação de partículas, antes da administração, sempre que a solução e o recipiente permitir. Na administração por pressão de infusão, todo o ar deve ser retirado ou expelido da bolsa através do ponto de infusão.

No início, infundir lentamente de 10 - 20mL da solução e manter o paciente sob observação intensa (devido à possibilidade de reações anafilactóides). Deve ser evitada a sobrecarga do sistema circulatório devido à infusão muito rápida e/ou altas dosagens. A dose diária e a velocidade de infusão visam controlar a perda de sangue e o índice de hematócritos. Para os pacientes isentos de riscos cardiovasculares ou pulmonares, visa-se um limite inferior de 30% de hematócrito para a entrada de substitutos coloidais.

Cuidados na administração

Istarplas é uma solução de uso intravenoso, a qual exige técnicas assépticas para administração.
Utilizar o produto imediatamente após a abertura da bolsa. Qualquer solução não utilizada deverá ser descartada.

A administração do produto somente deve ser feita com o acompanhamento médico. A dosagem recomendada deve ser obedecida, pois a hemodiluição exagerada pode acarretar em reações indesejáveis.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.


O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

No início do tratamento é necessário verificar o nível de creatinina do soro sanguíneo. Se o nível de creatinina for próximo ao limite estabelecido (1.2-2.0 mg/dL ou 106-177 μmol/L, limite este verificado nos pacientes com falha renal compensatória), é necessário um controle regular dos níveis séricos de eletrólitos e do balanço de fluídos, assim como das taxas da função renal. Nas terapias com duração de vários dias, mesmo naquelas com valores de creatinina sérica e resultados dos testes de urina normais, é essencial monitorar regularmente os valores de retenção renal. Se na ocorrência de tratamento de longo prazo for excedido o limite de 2 mg/dL para creatinina no plasma, a infusão deverá ser imediatamente descontinuada.

A possibilidade de sobrecarga circulatória deve ser considerada nos pacientes que recebem hidroxietilamido. A expansão excedente do volume do sangue pode melhor ser detectada monitorando a pressão venosa central. Hidroxietilamido deve ser usado com cuidado nos pacientes muito novos ou nos idosos, naqueles com edema pulmonar e/ou insuficiência cardíaca congestiva e também naqueles com função renal danificada, desde que estes pacientes sejam particularmente suscetíveis à sobrecarga circulatória. Naqueles pacientes para os quais a limitação do sódio é indicada, deve-se ressaltar que 500 mL do hidroxietilamido 6% em solução de cloreto de sódio 0,9% contem 77 mEq de sódio e cloreto. O volume urinário é um guia útil no tratamento do choque hipovolêmico; entretanto, a persistência de oligúria (pouca urina) depois que o paciente recuperou do choque indica possível insuficiência renal, e a terapia com hidroxietilamido deve ser interrompida nestes pacientes.

A segurança do hidroxietilamido em situações que requerem o uso frequente da droga por períodos de tempo prolongados (à exceção da leucoferese) não foi avaliada inteiramente, embora determinadas circunstâncias pareçam estar associadas com o uso crônico de hidroxietilamido. Desta maneira, um sangramento clínico importante pode ocorrer nos pacientes com hemorragia subaracnóide, os quais receberam hidroxietilamido repetidamente durante vários dias para a prevenção de vasoespasmo. Coagulopatias cerebrais, sangramento local e sangramento intracranial foi relatado nos pacientes tratados com hidroxietilamido que se submeteram à cirurgia de aneurisma cerebral. Consequentemente, atualmente recomenda-se que o hidroxietilamido não seja usado para o tratamento do vasoespasmo cerebral e nos pacientes com hemorragia subaracnóide. Deve ser evitado também naquelas condições que exigem uso prolongado (à exceção da leucoferese) durante diversos dias. Além disso, alguns clínicos sugerem que o uso do hidroxietilamido seja evitado em todos os pacientes neurocirúrgicos, desde que seja necessária nestes pacientes a prevenção da hemorragia intracranial. Em casos de desidratação severa, primeiramente deverá ser oferecida uma solução cristaloide (preferencialmente soluções eletrolíticas). Devem ser dispensados cuidados particulares para pacientes com doenças hepáticas crônicas severas ou casos severos de doença de Von Willebrand. A redução da função renal pode incrementar uma insuficiência hepática existente (com alta pressão arterial) e levar ao impedimento mecânico do fluxo biliar. Níveis indiretos ligeiramente aumentados de bilirrubina podem ocorrer muito raramente. Consequentemente, as soluções de Istarplas 6% e 10%, devem ser usadas com cuidado nos pacientes com uma história de doença do fígado.

Tem sido descrita na literatura a correlação entre dose e frequência de prurido em pacientes com desordens otoneurológicas, como perda súbita de audição, zumbido ou trauma acústico. Para terapias com Istarplas 10% é aconselhável reduzir a dosagem para 250 mL/dia no máximo. Isto reduzirá o risco de prurido como efeito colateral. Se ocorrer prurido, o tratamento deverá ser descontinuado. Uma atenção maior deve ser oferecida para a infusão adequada e correta da solução, devendo-se assegurar o suprimento suficiente de fluidos (2 a 3 litros de fluidos por dia). Infusões de hidroxietilamido conduzem a uma redução dose-dependente no nível do hematócrito e da proteína do plasma devido ao efeito da diluição. É possível que ocorra um prolongamento do tempo de coagulação, e consequentemente do tempo de sangramento. A administração de células vermelhas, de plaquetas, e de plasma congelado fresco deve ser considerada se uma diluição excessiva ocorrer.

Durante as infusões das soluções de hidroxietilamido, reações de intolerância de todas as classes de severidade podem ocorrer, o que pode ser observado também com outros expansores coloidais de volume, ainda que não seja comum. Estas reações anafiláticas manifestam-se como sintomas da pele ou conduzem-se através de uma vermelhidão e ruborização repentina da face e da garganta, niveladas a uma queda na pressão sanguínea, choque e parada cardiorrespiratória. Se as reações de intolerância ocorrerem, a infusão deve ser interrompida e as medidas habituais aplicadas imediatamente; a administração de um agente anti-histamínico pode ser necessária. Níveis elevados de amilase plasmática podem ser observados temporariamente após a administração de Istarplas 6%, embora nenhuma associação com pancreatite tenha sido demonstrada.

- Uso em Leucoferese

Declínios ligeiros na contagem de plaquetas e nos níveis de hemoglobina, podem ocorrer nos doadores que se submetem a procedimentos repetidos de leucoferese usando solução de hidroxietilamido 200/0,5 - 6%/10%, devido aos efeitos de expansão do volume e à coleta de plaquetas e eritrócitos. Os níveis de hemoglobina retornam geralmente ao normal dentro de 24 horas. A hemodiluição ocasionada pelo uso de soluções de hidroxietilamido 200/0,5 - 6%/10%, pode também resultar, no período de

24 horas, em declínios nos valores da proteína total, da albumina, do cálcio e do fibrinogênio. Nenhumas destas diminuições ocorrem em um grau reconhecido, para serem riscos clinicamente significativos aos doadores saudáveis. A avaliação clínica regular e frequente e as contagens de sangue completas são necessárias para a monitoração apropriada do uso de Istarplas durante a leucoferese.

Uso excedente por períodos prolongados

A solução de Istarplas 6% e 10%, não foi avaliada adequadamente para estabelecer sua segurança em outras situações (à exceção da leucoferese) que requerem o uso frequente de soluções coloidais por extensos períodos.

Administrações prolongadas diárias, em médias e altas doses, podem causar prurido praticamente intratável. Isso também pode ocorrer semanas após o término da terapia, persistindo por meses e sendo desagradável para o paciente. O prurido também foi relatado em alguns pacientes com depósitos de hidroxietilamido nos nervos periféricos.

Foram reportados casos raros de dores transitórias na área renal. Em alguns casos a infusão deve ser interrompida imediatamente, deve então ser suprido fluído suficiente e os valores de creatinina monitorados.

Em altas dosagens, os efeitos de diluição podem resultar em correspondente diluição dos componentes sanguíneos, como fatores de coagulação e outras proteínas plasmáticas e diminuição do hematócrito. Com a administração de hidroxietilamido, podem ocorrer raros distúrbios da coagulação sanguínea, os quais são dependentes da dosagem. Istarplas aumenta a taxa de sedimentação dos eritrócitos. Istarplas pode interferir com a função das plaquetas e a administração da droga pode resultar na prolongação transitória da protrombina, da tromboplastina parcial e do tempo de coagulação. Em um estudo, a prolongação do tempo do sangramento ocorreu nos pacientes que receberam a solução de Istarplas 6% em uma dose de 1,2-1,8g/kg (20- 30mL/kg). Diminuições substanciais na contagem de plaquetas e nas concentrações de hemoglobina ocorreram nos doadores que se submeteram a procedimentos repetidos de leucoferese, em consequência da expansão do volume, decorrente da ação de Istarplas. A concentração da hemoglobina retorna geralmente ao normal dentro de 24 horas.

Os seguintes efeitos adversos também foram relatados: vômitos, febre, sensação de frio, depressão, desânimo, prurido, hipertrofia das glândulas submaxilares e parótidas, suaves sintomas de gripe, enxaquecas, dores musculares, edema periférico das extremidades mais baixas, reações anafiláticas (edema facial e periorbital, urticária), sangramento devido à hemodiluição, sobrecarga circulatória, edema pulmonar, insuficiência cardíaca congestiva, hipotensão severa, edema pulmonar não cardíaco, edema laringeal, broncoespasmo, angioedema, dificuldade e deficiência respiratórias, taquipneia, dor no peito, bradicardia, taquicardia, tosse, espirro, eritema multiforme e rash. Como consequência do uso de Istarplas, podem acontecer reações cujo quadro clínico pode se estender desde queixas subjetivas menores até distúrbios circulatórios, choque, broncoespasmo e parada cardíaca e respiratória.

Em casos de intolerância, a infusão deve ser interrompida imediatamente e as seguintes medidas de emergência devem ser tomadas:

  • Sintomas subjetivos (dores, náuseas, etc.): descontinuar a infusão.
  • Erupções cutâneas: administração de anti-histamínicos (antagonistas H1 e H2).
  • Aumento da frequência cardíaca e queda da pressão sistólica abaixo de 90 mmHg: administração de corticosteroides intravenosos (100 mg de prednisolona).
  • Sintomas respiratórios e choque: administração de altas doses de corticosteroides (1 g de prednisolona), oxigênio, adrenalina (gotas) e a substituição de volume, usando um expansor de volume diferente.
  • Parada cardíaca ou respiratória: ressuscitação. Há possibilidade de desenvolvimento de insuficiência renal aguda em pacientes idosos com retenção renal compensada (níveis limitados do valor de creatinina), sob terapia com Istarplas e administração insuficiente paralela de líquidos.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

Uso em idosos, durante a gravidez, nos recém-nascidos, crianças e outros grupos de risco:

Idosos:

Istarplas 6% e 10% não apresentam contraindicações ou efeitos colaterais quando usados por pacientes com mais de 65 anos de idade, desde que atendidas às indicações e posologia descritas na bula.

Gravidez e Lactação:

Existem dados disponíveis, porém insuficientes, sobre o uso de coloides nos estágios iniciais da gravidez (primeiro trimestre), desta forma, o uso de Istarplas 6% e 10% deve ser evitada neste estágio. Nos estágios mais tardios da gravidez a preparação deve somente ser usada para indicações cruciais.

Gravidez: Categoria de risco C. Não foram realizados estudos que avaliassem a segurança do uso do medicamento por mulheres grávidas.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Crianças:

Embora não tenham sido conduzidos estudos clínicos suficientes em crianças, resultados de uma avaliação retrospectiva do uso de Istarplas neste tipo de paciente (perioperatoriamente e UTI) permitem concluir uma relação custo- benefício do uso de Istarplas em casos de aplicações apropriadas onde foram consideradas as mesmas precauções utilizadas em adultos.

Uma solução de Istarplas 6% (peso molecular médio 200.000) foi considerada eficaz e segura quando comparada com a albumina humana na conduta da reposição do volume nas crianças com menos de 3 anos de idade que se submeteram a cirurgias cardíacas. Para estudar os efeitos renais em recém-nascidos (medidos pela creatininemia), ocasionados pelo uso de hidroxietilamido de médio peso molecular, foi realizado um estudo com neonatos. O estudo concluiu que as soluções de hidroxietilamido 200/0,5-6%, em condições normais de uso e posologia, não afeta significativamente a função renal, já que em 50% dos pacientes pediátricos saudáveis, a expansão do volume do plasma com hidroxietilamido 200/0.5 - 6% não aumentou a creatininemia.

Efeito na habilidade de dirigir ou operar máquinas:

Soluções contendo hidroxietilamido não afetam a habilidade de dirigir ou operar máquinas.

- Carcinogenicidade e Mutagenicidade

Quando se discute o potencial mutagênico e carcinogênico de HES tem-se que ter em mente que o mesmo é uma medicação coloidal de reposição do volume. O local da ação destas soluções é o espaço intravenoso. Todas as preparações de HES que estão em uso são (massa molar de 70.000 a 450.000 Dalton) moléculas derivadas do amido, de peso molecular relativamente elevado, com um caráter notadamente hidrofílico. Assim, a permeabilidade destas moléculas através da membrana da célula é impedida. HES é muito similar ao próprio glicogênio do corpo. Portanto, considerando as características químicas e físicas do HES, conclui-se que nenhum efeito mutagênico ou cardiogênico poderá ser detectado.

- Teratogenicidade

A administração diária de HES, nos ratos e camundongos, durante todo o período de gestação, não ocasionou malformações e nenhum efeito embriotóxico ou teratogênico. Atualmente, não existe nenhum estudo que relata as consequências da administração de HES nas mulheres, durante a gravidez. Desta maneira, as soluções de HES devem ser usadas somente após a avaliação mais cuidadosa da relação benefício/risco.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES:

Solução injetável - Cartucho com 01 bolsa plástica de 500 mL

VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA E INDIVIDUALIZADA SISTEMA FECHADO – SOLUFLEX (PP)

USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Istarplas - HES 200/0,5 - 6% em cloreto de sódio 0,9%

Cada mL da solução contém:

  • hidroxietilamido (D-C-B-: 06930) - 60 mg
  • cloreto de sódio (D-C-B-: 02421) - 9 mg
  • ácido clorídrico (D-C-B-: 00150) - q-s- pH- 5,0 a 7,0 mg
  • hidróxido de sódio (D-C-B-: 004699) q-s- pH - 5,0 a 7,0 mg
  • água para injeção (D-C-B-: 09320) q-s- pH -1 mL

Istarplas - HES 200/0,5 - 10% em cloreto de sódio 0,9%

Cada mL da solução contém:

  • hidroxietilamido (D-C-B-: 06930) - 100 mg
  • cloreto de sódio (D-C-B-: 02421) - 9 mg
  • ácido clorídrico (D-C-B-: 00150) - q-s- pH- 5,0 a 7,0 mg
  • hidróxido de sódio (D-C-B-: 004699) q-s- pH - 5,0 a 7,0 mg
  • água para injeção (D-C-B-: 09320) q-s- pH -1 mL

Conteúdo eletrolítico:

  • Sódio (Na+) - 154mEq/L
  • Cloro (Cl+) - 154mEq/L pH: 5,0 a 7,0
  • Osmolaridade: 308 mOsmol/L

Como todo repositor de volume, a superdosagem pode levar a uma sobrecarga aguda do sistema circulatório (ex. edema pulmonar). Em relação aos sinais e sintomas relacionados a uma superdosagem tem-se: hipervolemia e aumento da pressão venosa central e pulmonar, distúrbio de coagulação, hipernatremia e hipercloremia. Os valores acima dos limites normais: dispneia indicando sobrecarga pulmonar; mudança na frequência e débito cardíaco, indicando sobrecarga cardíaca; edemas periféricos; possibilidade de edema pulmonar e ganho geral de peso. A terapia nestes casos envolve as seguintes medidas:

Descontinuar a infusão, restrição de sódio, administração de saluréticos, forçar a diurese e hemo-filtração.

Nestes casos a infusão deve ser interrompida imediatamente e se necessário, administrar diurético.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

O uso em conjunto com heparina pode prolongar o tempo de sangramento.

Sabe-se que o hidroxietilamido é incompatível com diversos medicamentos, entre estes, os antibacterianos injetáveis.

Deve ser evitada a mistura com outras medicações.

Resultados de Eficácia


Estudo clínico prospectivo, randomizado e controlado foi realizado em trinta e cinco pacientes com choque hemorrágico utilizando Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa) para investigar a sua viabilidade e eficácia hemodinâmica na ressuscitação com pequeno volume (SVR) durante a reanimação e transporte pré-hospitalar.

Foi realizada infusão de 250 mL de Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa) ou 250 ml de HES 200/0,5 convencional, durante o período pré-hospitalar e de transporte, seguido de terapia convencional de reposição volêmica com colóides e / ou cristalóides.

Dezenove pacientes receberam Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa) e dezesseis, solução HES 200/0,5. Houve aumento significativo da pressão sanguínea sistólica em ambos os grupos com aumento inicial pronunciado no grupo que recebeu Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa) (melhor resposta durante o transporte ao hospital). Leve aumento dos níveis de cloreto de sódio plasmáticos foi observado no grupo que recebeu Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa) comparado com o grupo controle.

Foi observada necessidade significativamente maior de suplementação com colóides e cristalóides no grupo controle do que no grupo de estudo (Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa)).

Características Farmacológicas


Propriedades farmacodinâmicas e farmacocinéticas Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa) é uma solução isoncótica hipertônica de cloreto de sódio a 7,2% e hidroxietilamido a 6%.

Devido à alta osmolaridade de Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa) (2464 mOsm/L) o líquido, principalmente do compartimento intersticial, é rapidamente desviado para o compartimento vascular. Os parâmetros hemodinâmicos, como pressão arterial e débito cardíaco, são rapidamente aumentados, dependendo da posologia e da velocidade de infusão. Valores hemodinâmicos baixos voltam ao normal.

O aumento do volume intravascular dura apenas um pequeno período de tempo e deve ser estabilizado pela administração imediata de uma terapia convencional de volume adequada (ex. eletrólitos e colóides) após infusão de Hidroxietilamido + Cloreto de Sódio (substância ativa).

O hidroxietilamido sofre decomposição enzimática pelas alfa-amilases que levam à formação de oligossacarídeos e polissacarídeos de pesos moleculares variados.

O hidroxietilamido apresenta uma meia-vida plasmática de aproximadamente 4 horas.

O hidroxietilamido é eliminado principalmente através dos rins; 50% da dose administrada são encontradas na urina em menos de 24 horas. Pequenas quantidades são temporariamente armazenadas nos tecidos. O hidroxietilamido pode ser eliminado por diafiltração, mas não por diálise. A meia-vida intravascular e o tempo de retenção, respectivamente, estão correlacionados à gravidade da insuficiência renal.

Após 30 minutos, o cloreto de sódio é distribuído por todo o espaço extracelular. O cloreto de sódio é eliminado principalmente por via renal, pequenas quantidades são excretadas por via transcutânea.

Istarplas deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15oC e 30oC) protegido da luz e umidade. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Após aberto, usar imediatamente, pois este medicamento é de caráter estéril, não podendo em hipótese alguma a guarda ou conservar as soluções utilizadas, as mesmas devem ser descartadas. Antes de serem administradas as soluções parenterais devem ser inspecionadas visualmente para se observar a presença de partículas, turvação na solução, fissuras e quaisquer violações na embalagem primária. Não utilizar se detectadas partículas ou algum tipo de precipitado. Este medicamento é um líquido, límpido, incolor e inodoro. Isento de partículas estranhas.

A solução remanescente não utilizada deve ser rejeitada. Não congelar.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Reg. MS no: 1.0311.0130
Resp. Técnico: Viviane Desideri - CRF-GO no 2362.

USO RESTRITO A HOSPITAIS

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.