Histamin Xarope Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Para que serve

Histamin é indicado para o tratamento de diversas manifestações alérgicas.

Histamin é indicado para o alívio sintomático das seguintes manifestações:

  • Dermatite atópica e de contato;
  • Eczemas alérgicos;
  • Urticário aguda crônica;
  • Angioedema;
  • Reações a drogas e soros;
  • Picadas de insetos;
  • Pruridos anais, vulvares e de origem inespecífica;
  • Rinites vasomotores;
  • Febre do feno.

Pode também ser empregado com eficácia em alguns casos de asma, tosse espasmódica, enxaqueca e na prevenção de reações alérgicas a injeções de substâncias alergênicas.

Como o Histamin Xarope funciona?


Histamin possui como princípio ativo o maleato de dexclorfeniramina, que é um isômero dextrógiro do maleato de clorfeniramina. Pertence ao grupo farmacológico dos antagonistas dos receptores H1 da histamina, atuando, assim, na prevenção e alívio da manifestações alérgica.

É absorvido pelo trato gastrintestinal e atinge o pico de concentração plasmática entre duas horas e meia a seis horas após adminsitração oral; cerca de 70% se liga às proteínas plasmáticas.

A duração da ação é de 4 a 6 horas. É extensamente metabolizado sendo excretado na urina sob a forma de metabólitos, com pequena porção na forma inalterada.

Durante o tratamento, os pacientes não devem ingerir bebidas alcoóicas.

Histamin é contraindicado para prematuros, recém-nascidos, durante a amamentação, portadores de hipersensibilidade a quaisquer dos componentes da fórmula e uso comcomitante com inibidores da monoaminoxidase (IMAO).

Atenção: O uso de Histamin é contraindicado para prematuros e recém-nascidos, mulheres em fase de lactação, pacientes portadores de hipersensibilidade a quaisquer dos componentes da fórmula e àqueles que estejam fazendo uso de inibidores da monoaminoxidase (IMAO).

A posologia adequada deve ser estabelecida pelo médico de acordo com a indicação e quadro clínico do paciente.

As doses devem ser tomadas em intervalos de 4 ou 6 horas.

Posologia do Histamin Xarope


Crianças de 2 a 6 anos

1,2mL, 3 vezes ao dia (máximo de 3mg diários).

Crianças de 6 a 12 anos

2,5mL, 3 vezes ao dia (máximo de 6mg diários).

Adultos e crianças maiores de 12 anos

5mL, 3 a 4 vezes ao dia (máximo de 12mg diários).

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Histamin deve ser administrado com cautela em pacientes portadores de glaucoma de ângulo fechado, retenção urinário, hipertrofia prostática, obstrução piloro-duodenal, desordens cardiovasculares severas, disfunções hepáticas e epilepsia.

Náuseas, vômitos, diarreia, dor epigástrico e sonolência discreta a moderada podem ocorrer com o uso de Histamin. Outras reações, que ocorrem com menor frequência, são comuns aos demais anti-histamínicos, tais como hipotensão, boca seca, anorexia, dor de cabeça, sedação ou agitação, fraqueza, nervosismo, diplopia, sudorese, poliúria e dermatites.

Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, tais como:

  • Visão turva;
  • Fraqueza;
  • Falta de apetite;
  • Nervosismo;
  • Boca seca.

Gravidez e amamentação

Como não existem experiências suficientes que assegurem o uso em mulheres grávidas, este medicamento só deve ser indicado em tais casos após rigorosa avaliação médica da relação risco/benefício.

Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vig}encia do tratamento ou após o seu término.

Informe seu médico se está amamentando.

Crianças

Histamin pode provocar, em crianças de baixa idade, excitação e hipotensão arterial.

Idosos

Histamin pode provocar maior sedação e hipotensão em pacientes idosos (acima de 60 anos). O uso nestes pacientes requer prescrição e acompnhamento médico.

Capacidade de dirigir e operar máquinas

Em algumas pessoas, o medicamento pode provocar sonolência e sedação, portanto, recomenda-se evitar dirigir veículos e operar máquinas.

Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

Apresentação

Xarope 2mg/5mL

Embalagens com 1 ou 50* frascos com 100mL cada, acompanhado com copo-medida.

*Embalagem hospitalar.

Uso adulto e pediátrico acima de 2 anos.

Uso oral.

Composição

Cada comprimido contém

Maleato de dexclorfeniramina2mg
Veículo*5mL

*Ciclamato de sódio, mentol, sacarina sódica, metilparabeno, propilparabeno, sorbitol, álcool etílico, corante vermelho ponceaux, essência de cereja e água.

Nestes casos, deve ser feita a indução do vômito com xarope de ipeca (caso ele não ocorra espontaneamente).

Histamin aumenta os efeitos sedativos dos depressores do Sistema Nervoso Central (SNC); portanto, devem ser evitadas as associações com álcool, barbitúricos, analgésicos opioides, sedativos, ansiolíticos, neurolépicos, inibidores da MAO e medicamentos ototóxicos.

Durante o tratamente, os pacientes devem abster-se de bebidas alcoólicas, pois intensificam o efeito depressor.

Não tome medicamento sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para sua saúde.

Resultados de eficácia

Vinte e três pacientes com urticária crônica foram tratados com cinarizina, dexclorfeniramina e placebo em um estudo duplo-cego, cruzado. Em comparação ao tratamento com placebo tanto a cinarizina como a dexclorofeniramina causaram uma melhora estatisticamente significativa dos sintomas clínicos (p < 0,01). Não ocorreram diferenças significativas entre cinarizina e dexclorfeniramina, que foram igualmente eficazes no tratamento de urticária crônica.

Um estudo duplo-cego foi realizado em 65 pacientes com rinite sazonal para comparar a eficácia e tolerância de terfenadina e dexclorfeniramina. Os pacientes foram distribuídos aleatoriamente para receber tratamento durante 1 semana com 60mg de terfenadina 2 vezes ao dia, ou 2mg de maleato de dexclorfeniramina 3 vezes ao dia. Antes e após o tratamento, os pacientes foram submetidos a testes cutâneos para reatividade ao pólen e aqueles que foram positivos também tiveram medidas rinomanométricas realizadas para resistência nasal. Diários foram usados pelos pacientes para registrar a gravidade da obstrução nasal, rinorreia, espirros, olhos lacrimejantes, irritados e vermelhos, irritação do nariz, garganta, olhos e tosse. Foram avaliadas a frequência e a gravidade dos efeitos colaterais.

Contagem de pólen foram tomadas diariamente durante o período de tratamento. Os resultados mostraram que tanto a terfenadina como a dexclorofeniramina produziram bom ou excelente alívio dos principais sintomas em 78% e 73 % dos pacientes, respectivamente. Não houve correlação significativa entre a contagem de pólen e a redução da gravidade dos sintomas. Ambas as drogas produziram uma redução da resistência nasal total, mas isso não foi significativamente diferente do valor inicial, nem houve uma diferença significativa entre os tratamentos.

Maleato de dexclorfeniramina 6mg foi comparado com Terfenadina 60mg para a eficácia no controle dos sintomas da febre do feno Ragweed, bem como a tolerância e a ocorrência de reações adversas. O estudo foi realizado com grupos paralelos multicêntricos randomizados, duplo-cego, que envolveu 174 pacientes divididos igualmente, 87 recebendo dexclorfeniramina e 87 terfenadina, por um período de duas semanas durante a última quinzena de agosto e a primeira quinzena de setembro 1983. O estudo indicou que dexclorofeniramina nas doses testadas, foi significativamente mais eficaz no controle dos sintomas da febre do feno do que a terfenadina.

Características farmacológicas

O maleato de dexclorfeniramina é um composto sintético que antagoniza eficazmente os efeitos característicos da histamina, sendo, assim, de valor clínico na prevenção e no alívio das manifestações alérgicas.

Sua ação parece depender da competição com a histamina pelos receptores celulares.

Experimentos in vitro e in vivo da potência anti-histamínica dos isômeros opticamente ativos da clorfeniramina demonstraram que a atividade predominante deve-se ao isômero dextrógero da dexclorfeniramina.

Após administração oral de 4mg de maleato de clorfeniramina, em voluntários sadios em jejum, houve rápida detecção nos níveis sanguíneos. O pico de concentração sanguínea foi de aproximadamente 7mg/mL, alcançado após 3 horas da administração. A meia-vida do maleato de clorfeniramina variou de 20 a 24 horas. Após a administração de dose única de maleato de clorfeniramina marcado com trítio, a droga foi extensivamente metabolizada tanto quando administrada por via oral ou como por via intravenosa. A droga e seus metabólitos foram primariamente excretados pela urina, com 19% da dose aparecendo em 24 horas e um total de 34% em 48 horas.

Em um estudo em voluntários sadios, a alta velocidade do fluxo de urina ácida resultou em uma alta velocidade de excreção do maleato de clorfeniramina. Durante uma faixa de concentração plasmática de 0,28 a 1,24mcg/mL, a clorfeniramina encontrava-se 72% a 69% ligada às proteínas plasmáticas, respectivamente.

Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30oC). Porteger da luz e umidade.

Prazo de validade: vide cartucho.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

No do lote, data de fabricação e prazo de validade: vide cartucho.

Registro M.S. no 1.5584.0373

Farm. Responsável:
Dr. Marco Aurélio Limirio G. Filho
CRF-GO no 3.524

Brainfarma Ind. Quím. e Farm. S.A.
VPR 1 - Quadra 2-A - Módulo 4 - DAIA
Anápolis - GO
CEP: 75132-020
CNPJ: 05.161.069/0001-10
Indústria Brasileira

SAC
0800 97 99 900
www.neoquimica.com.br

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.