Genfibrozila - Legrand Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Para que serve

Genfibrozila comprimidos revestidos é um agente regulador de lípides (gorduras no sangue) que é indicado para os seguintes casos

  • Prevenção primária (antes de instalada a doença) da doença arterial coronária (doença que cursa com a obstrução dos vasos sanguíneos que irrigam o músculo cardíaco) e infarto do miocárdio (morte de células musculares do coração) em pacientes com hipercolesterolemia, dislipidemia mista (aumento das taxas sanguíneas de colesterol e triglicérides) e hipertrigliceridemia (aumento dos triglicérides), classificação de Fredrickson (classificação de doenças geneticamente determinadas que levam ao aumento das lipoproteínas plasmáticas – gorduras no sangue) tipos IIa, IIb e IV;
  • Tratamento de outras dislipidemias, tais como Fredrickson tipos III e V; dislipidemia associada a diabetes e dislipidemia associada à xantoma (acúmulo de material amarelado rico em colesterol nos tendões, na pele e em outras partes do corpo);
  • Tratamento de pacientes adultos com níveis séricos elevados de triglicérides (hiperlipidemia tipos IV e V) que apresentem risco de pancreatite (inflamação do pâncreas) e não respondam adequadamente a um determinado esforço dietético para controlá-los.

Como Genfibrozila Legrand funciona?

Genfibrozila é um agente regulador de lípides (gorduras no sangue) que age reduzindo o nível de colesterol total, de LDL-colesterol (colesterol “ruim”), VLDL-colesterol (colesterol “ruim”) e de triglicérides, aumentando o nível de HDL-colesterol (colesterol “bom”).

Atinge concentração máxima no sangue entre 1 e 2 h após tomar o medicamento, estudos mostraram redução dos níveis de colesterol a partir da 8ª semana de uso.

Não use Genfibrozila se você apresenta hipersensibilidade (alergia) a qualquer componente da fórmula ou se você tem algum problema grave no fígado, no rim ou na vesícula biliar (órgão que armazena a bile).

O uso concomitante de Genfibrozila também é contraindicado com qualquer um dos medicamentos a seguir

  • Sinvastatina;
  • Lovastatina, atorvastatina e rosuvastatina;
  • Repaglinida;
  • Dasabuvir.

Genfibrozila deve ser ingerido com quantidade de líquido suficiente para deglutição, meia hora antes da refeição.

Os níveis lipídicos (das gorduras no sangue) devem ser determinados mais que uma vez, a fim de verificar se estão realmente anormais. Antes de começar o tratamento com Genfibrozila, devem ser feitas todas as tentativas para controlar os lípides séricos com dieta apropriada, diminuição do consumo de álcool, exercício físico e perda de peso em pacientes obesos, bem como controlar outros problemas médicos, tais como diabetes ou hipotireoidismo (diminuição da função da tireoide).

O paciente deve continuar com uma dieta baixa em colesterol durante o tratamento com Genfibrozila.

Durante o tratamento, devem ser realizadas determinações periódicas dos lípides plasmáticos. Se a resposta lipídica do paciente mostrar-se inadequada após 3 meses, o tratamento deve ser interrompido ou deve se instituir um tratamento coadjuvante.

Posologia

A dose diária recomendada é de 900 mg à 1.200 mg,(1 comprimido de Genfibrozila 900mg ou 2 comprimidos de Genfibrozila 600mg) não devendo ultrapassar a dose máxima de 1.500 mg (1 comprimido de Genfibrozila 600mg mais 1 comprimido de 900mg).

A dose de 900 mg deve ser administrada como dose única, meia hora antes do jantar. A dose de 1.200 mg deve ser dividida em duas tomadas diárias, meia hora antes do desjejum e do jantar.

Se você tiver problemas no fígado ou se você tiver problemas nos rins

Seguir as instruções dos itens "Contraindicação" e "Precauções".

Uso em crianças

A segurança e a eficácia não foram estabelecidas.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar Genfibrozila Legrand?

Caso você esqueça de tomar Genfibrozila no horário estabelecido pelo seu médico, tome-o assim que lembrar.

Entretanto, se já estiver perto do horário de tomar a próxima dose, pule a dose esquecida e tome a próxima, continuando normalmente o esquema de doses recomendado pelo seu médico. Neste caso, não tome o medicamento em dobro para compensar doses esquecidas. O esquecimento de dose pode comprometer a eficácia do tratamento.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Formação de cálculo biliar

Genfibrozila pode propiciar a formação de cálculo biliar (“pedra” na vesícula biliar). O tratamento com Genfibrozila deve ser interrompido se forem encontrados cálculos biliares.

Uso de Reguladores de Lípides como os Inibidores da HMG-CoA redutase (um tipo de enzima que atua na produção do colesterol pelo fígado)

Não faça uso concomitante de Genfibrozila com outros reguladores de lípides como os inibidores da HMG-CoA redutase (como sinvastatina, lovastatina, atorvastatina e rosuvastatina).

Nesse caso existem riscos de miopatia grave (doença muscular), rabdomiólise (destruição das células musculares) e insuficiência renal aguda (diminuição aguda da função dos rins).

Anticoagulantes

Use Genfibrozila com cautela junto com varfarina (medicamento que diminue a coagulação do sangue). A dose de varfarina deve ser reduzida para manter os níveis desejados do tempo de protrombina (um fator de coagulação do sangue).

É recomendado que você faça exames regulares para determinação do tempo de protrombina, até que o nível esteja estabilizado.

Substratos da CYP2C8

Genfibrozila, uma inibidora da CYP2C8, pode aumentar a exposição dos substratos da CYP2C8 quando administrado concomitantemente. Portanto, pode ser necessária a redução da dose dos fármacos que são principalmente metabolizados pela enzima CYP2C8 quando a Genfibrozila é usada concomitantemente.

Exames Laboratoriais

Podem ocorrer alterações nos exames laboratoriais da função hepática (do fígado).

Estes aumentos são geralmente reversíveis. Recomenda-se que você faça exames periódicos da função hepática.

Se as anormalidades persistirem, o tratamento com Genfibrozila deve ser descontinuado.

Alterações Sanguíneas

Ocasionalmente podem ser observadas, no início do tratamento, ligeiras diminuições em certos componentes do sangue (como nos níveis de hemoglobina, uma proteína presente nos glóbulos vermelhos ou uma diminuição do número de leucócitos, os glóbulos brancos), alterações em exames sanguíneos (como o hematócrito, exame que fornece uma estimativa do número de glóbulos vermelhos no sangue).

Entretanto, estes níveis se estabilizam durante o uso de Genfibrozila por um período prolongado. Recomenda-se que você faça exames de sangue periódicos durante os primeiros 12 meses de tratamento com Genfibrozila.

Resinas associadas ao Ácido da Bile

Não use Genfibrozila junto com medicamentos sob a forma de grânulos de resina (como colestipol). Recomenda-se que os dois medicamentos sejam administrados com um intervalo de 2 horas ou mais.

Colchicina

O risco de toxicidade neuromuscular (dano ao tecido nervoso e músculos) e rabdomiólise (destruição das células musculares) pode ser aumentado com a administração concomitante de colchicina e Genfibrozila.

O risco pode ser aumentado em idosos e pacientes com disfunção renal ou hepática (diminuição da função dos rins ou fígado).

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

As reações adversas mais comuns (ocorrem em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) que podem ocorrer com o uso de Genfibrozila são

  • Reações gastrintestinais (do estômago e do intestino);
  • Dispepsia (má digestão);
  • Dor abdominal;
  • Apendicite aguda (inflamação aguda do apêndice);
  • Fibrilação atrial (tipo de alteração do ritmo cardíaco).

Outras reações adversas relatadas por mais de 1% dos pacientes (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

Sem diferença significativa entre o grupo que recebeu Genfibrozila e o grupo que recebeu placebo (substância administrada ao paciente, porém que não contém o princípio ativo responsável pela ação do medicamento).

  • Diarreia;
  • Fadiga (cansaço);
  • Náusea/vômitos;
  • Eczema (reação alérgica na pele);
  • Rash (erupção na pele);
  • Vertigem;
  • Constipação (prisão de ventre);
  • Cefaleia (dor de cabeça).

Foram relatadas reações adversas adicionais que provavelmente podem ser devidas ao tratamento com Genfibrozila

Reações Comuns (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Cefaleia;
  • Erupção cutânea (rash).

Reações Raras (ocorrem entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Icterícia colestática (cor amarelada da pele devido à deposição de pigmentos biliares);
  • Pancreatite (inflamação do pâncreas);
  • Tonturas;
  • Sonolência;
  • Parestesia (sensação anormal como ardor, formigamento e coceira, percebidos na pele e sem motivo aparente);
  • Neurite periférica (inflamação de um nervo);
  • Depressão;
  • Diminuição da libido;
  • Visão turva;
  • Impotência (dificuldade para manter a ereção do pênis);
  • Artralgia (dor na articulação);
  • Sinovite (inflamação das membranas das articulações);
  • Mialgia (dor muscular);
  • Miopatia (problema no sistema muscular);
  • Miastenia (fraqueza muscular);
  • Extremidades dolorosas;
  • Rabdomiólise (destruição das células musculares);
  • Dermatite esfoliativa (alteração da pele acompanhada de descamação);
  • Dermatite (inflamação da pele);
  • Prurido (coceira);
  • Angioedema (inchaço em região subcutânea ou em mucosas, geralmente de origem alérgica);
  • Urticária (erupções na pele que causam coceira);
  • Edema (inchaço) da laringe (região entre a garganta e os pulmões);
  • Anemia (diminuição da hemoglobina no sangue) grave;
  • Leucopenia (diminuição dos glóbulos brancos);
  • Trombocitopenia (diminuição do número de leucócitos e plaquetas);
  • Eosinofilia (aumento do número de um leucócito do sangue chamado eosinófilo);
  • Hipoplasia da medula óssea (diminuição da produção dos leucócitos do sangue).

Foram relatadas reações adversas adicionais, como

  • Fotossensibilidade (sensibilidade da pele à luz);
  • Alopecia (queda de cabelos);
  • Colecistite (inflamação da vesícula biliar);
  • Colelitíase (formação de cálculos biliares).

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

Fertilidade e uso durante a gravidez

Não há estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas.

A administração de Genfibrozila em mulheres grávidas deve ser reservada às pacientes nas quais os benefícios superam claramente os riscos para a paciente ou para o feto.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Avise ao seu médico ou cirurgião-dentista se você estiver grávida, amamentando ou com planos de engravidar.

Uso durante a lactação (amamentação)

Avise ao seu médico ou cirurgião-dentista se você estiver amamentando ou vai iniciar amamentação durante o uso deste medicamento, pois não se sabe se Genfibrozila é excretado no leite materno.

Não utilize Genfibrozila durante a amamentação sem orientação médica.

Efeitos na habilidade de dirigir ou operar máquinas

Não são conhecidos efeitos que afetem a habilidade de dirigir ou operar máquinas após a utilização deste medicamento.

Uso em idosos

As mesmas orientações dadas aos adultos devem ser seguidas para os pacientes idosos, observando as recomendações específicas para grupos de pacientes no item "Contraindicação" e "Precauções".

Apresentações

Comprimidos revestidos de 600 mg em embalagem contendo 24, 30*,60*,90*, 240, 450, 500 comprimidos revestidos.

Comprimidos revestidos de 900 mg em embalagem contendo 12, 30*,60*,90*, 200, 450, 500 comprimidos revestidos.

*Embalagem fracionável.

Via de administração: uso oral.

Uso adulto.

Composição

Cada comprimido revestido de 600 mg contém

Genfibrozila

600 mg

Excipientes*

1 com. rev.

Cada comprimido revestido de 900 mg contém

Genfibrozila

900 mg

Excipientes*

1 com. rev.

*Dióxido de silício, amido pré-gelatinizado, polissorbato 80, amidoglicolato de sódio, estearato de magnésio, hipromelose + macrogol, dióxido de titânio e etilcelulose.

Procure um médico imediatamente em caso de superdose com Genfibrozila, cujos sintomas podem ser

  • Cãibras abdominais;
  • Alterações de enzimas hepáticas;
  • Diarreia;
  • Aumento da creatinofosfoquinase (enzima que se encontra principalmente no tecido muscular);
  • Dor muscular e articular (das juntas);
  • Náusea e vômitos.

Caso ocorra superdose, torna-se necessária a instituição de tratamento sintomático e de suporte.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Anticoagulantes:

Deve-se ter cautela ao administrar varfarina juntamente com a genfibrozila (substância ativa). A dose de varfarina deve ser reduzida para manter o tempo de protrombina no nível desejado, a fim de prevenir complicações de sangramento. São aconselháveis determinações frequentes do tempo de protrombina, até ficar definitivamente determinado que os níveis estão estabilizados.

Inibidores da HMG-CoA redutase:

A administração concomitante de genfibrozila (substância ativa) e sinvastatina é contraindicada. Foram relatados casos de miosite grave e mioglobinúria (rabdomiólise) quando genfibrozila (substância ativa) e outros inibidores da HMG-CoA redutase, (como lovastatina, atorvastatina e rosuvastatina), foram empregados concomitantemente.

Substratos da CYP2C8:

A genfibrozila (substância ativa) é um inibidor da CYP2C8 e pode aumentar a exposição de fármacos metabolizados principalmente pela CYP2C8 (por ex.: dabrafenibe, loperamida, montelucaste, paclitaxel, pioglitazona, rosiglitazona). Portanto, pode ser necessária a redução da dose dos fármacos que são metabolizados principalmente pela enzima CYP2C8 quando a genfibrozila (substância ativa) é usada concomitantemente.

Em voluntários sadios, a coadmnistração com genfibrozila (substância ativa) aumentou a AUC e a Cmáx da repaglinida em 8,1 vezes e 2,4 vezes, respectivamente. No mesmo estudo, a coadministração com genfibroliza e itraconazol aumentou a AUC e a Cmáx da repaglinida em 19,4 vezes e 2,8 vezes, respectivamente. Além disso, a coadministração com genfibrozila (substância ativa) ou com genfibrozila (substância ativa) e itraconazol prolongou seus efeitos hipoglicêmicos. Portanto, a coadministração de genfibrozila (substância ativa) e repaglinida aumenta o risco de hipoglicemia grave e é contraindicada.

A coadministração de genfibrozila (substância ativa) com dasabuvir aumentou a AUC e a Cmaáx de dasabuvir (proporção: 11,3 e 2,01, respectivamente) devido a inibição da CYP2C8. A exposição elevada de dasabuvir pode aumentar o risco de prolongamento do intervalo QT, portanto, a coadministração de genfribozila com dasabuvir é contraindicada.

Em voluntários sadios que receberam uma dose única de 160 mg de enzalutamida após genfibrozila (substância ativa) 600 mg duas vezes por dia, a AUC da enzalutamida mais o metabólito ativo (enzalutamida N-desmetil) foi aumentada em 2,2 vezes e a Cmáx correspondente foi reduzida em 16%. A exposição aumentada da enzalutamida pode aumentar o risco de convulsões. Se coadministração for considerada necessária, a dose de enzalutamida deve ser reduzida.

Resinas associadas aos Ácidos Biliares:

Quando a genfibrozila (substância ativa) for administrado simultaneamente com fármacos sob a forma de grânulos de resina, tais como colestipol, pode haver redução da biodisponibilidade da genfibrozila (substância ativa). Recomenda-se que os dois fármacos sejam administrados com um intervalo de 2 horas ou mais.

Colchicina:

O risco de toxicidade neuromuscular e rabdomiólise pode ser aumentado com a administração concomitante de colchicina e genfibrozila (substância ativa). Esse risco pode ser aumentado em idosos e pacientes com disfunção renal ou hepática. Os sintomas geralmente persistem por 1 semana a vários meses após o tratamento com colchicina ser interrompido. Recomenda-se monitoração clínica e biológica, especialmente no início do tratamento combinado.

Estudos in vitro das enzimas CYP, enzimas UGTA e transportador OATP1B:

Estudos in vitro tem mostrado que a genfibrozila (substância ativa) é um inibidor das CYP1A2, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, polipeptídeo transportador de ânion orgânico (OATP) 1B1 e UDP glicuronil transferase (UGT) 1A1 e 1A3.

Resultados de eficácia

No extenso estudo Helsinki Heart, de prevenção primária, controlado por placebo, randomizado e duplo-cego, envolvendo indivíduos com colesterol não-HDL acima de 200 mg/dL e sem histórico de doença cardíaca, a genfibrozila (substância ativa) reduziu significativamente os triglicérides plasmáticos totais, moderadamente o colesterol total e o LDL-colesterol e elevou o HDL- colesterol de modo significativo. Durante os 5 anos de estudo, o grupo de pacientes que recebeu a genfibrozila (substância ativa) apresentou 34% de redução na incidência global de DAC (no 4° e 5° anos de estudo, a redução da DAC foi superior a 50%). Houve redução de 37% no IM não-fatal e de 26% em mortes cardíacas. A diferença global na incidência da doença arterial coronária foi significativamente menor nos pacientes tratados com a genfibrozila (substância ativa) em relação aos que receberam placebo (p < 0,02; teste bicaudal). 

Características farmacológicas

A genfibrozila (substância ativa) é um ácido fenoxipentanóico não halogenado. O nome químico é 5 (2,5 dimetilfenoxi) 2,2 ácido dimetilpentanóico. A fórmula empírica é C15H22O3. A genfibrozila (substância ativa) é um composto branco com um ponto de fusão de 58 a 61°C. A sua solubilidade é 0,0019% em água e ácido e mais de 1% em base diluída. A genfibrozila (substância ativa) é estável em condições normais.

Propriedades Farmacodinâmicas

Mecanismo de Ação:

O mecanismo de ação da genfibrozila (substância ativa) ainda não está totalmente esclarecido. No ser humano, a genfibrozila (substância ativa) inibe a lipólise periférica e diminui a captação hepática de ácidos graxos livres. Também inibe a síntese e eleva o clearance da apolipoproteína B, que é um carregador de lipoproteínas de densidade muito baixa (VLDL), levando à redução da produção de VLDL. A genfibrozila (substância ativa) eleva o nível das subfrações de lipoproteínas de alta densidade (HDL), HDL2 e HDL3, bem como as apolipoproteínas A-I e A-II. Estudos em animais sugerem que a metabolização e a remoção do colesterol do fígado são aumentadas pela genfibrozila (substância ativa).

A genfibrozila (substância ativa) é um agente regulador de lípides que reduz o nível de colesterol total, de LDL-colesterol (lipoproteínas de baixa densidade), VLDL-colesterol e de triglicérides, e eleva o nível de HDL-colesterol.

Propriedades Farmacocinéticas

Absorção:

A genfibrozila (substância ativa) é bem absorvida pelo trato gastrintestinal após administração oral. O pico plasmático ocorre entre 1 e 2 horas, com meia-vida plasmática de 1,5 hora após doses múltiplas. Os níveis plasmáticos são proporcionais à dose, não demonstrando acúmulo após doses múltiplas com o decorrer do tempo de uso.

A farmacocinética da genfibrozila (substância ativa) é afetada pelo horário das refeições em relação ao horário da administração. Em um estudo, tanto a taxa como a extensão da absorção do fármaco foram significativamente aumentadas quando este foi administrado 0,5 hora antes das refeições. A AUC média foi reduzida em 14% a 44% quando a genfibrozila (substância ativa) foi administrada após as refeições, comparada com 0,5 hora antes das refeições. Em um estudo subsequente, obteve-se a taxa de absorção máxima da genfibrozila (substância ativa) quando administrada 0,5 hora antes das refeições, com a Cmáx 50% a 60% maior que quando administrada com as refeições ou no jejum. Neste estudo, não houve efeitos significantes na AUC do momento da administração em relação às refeições.

Distribuição:

A genfibrozila (substância ativa) está altamente ligada às proteínas plasmáticas e existe potencial para interações de deslocamento com outros fármacos.

Metabolismo:

A genfibrozila (substância ativa) sofre oxidação de um grupo metila ligado ao anel, formando sucessivamente os metabólitos hidroximetila e carboxila.

Excreção:

Cerca de 70% da dose administrada em humanos é excretada na urina, principalmente na forma de glucuronídeos conjugados, menos de 2% da dose é excretada na forma de genfibrozila (substância ativa) inalterada e 6% da dose é eliminada nas fezes. 

Dados de Segurança Pré-Clínicos

Carcinogênese, Mutagênese e Diminuição da Fertilidade:

Não há estudos adequados e bem controlados em humanos. Estudos prolongados foram conduzidos em ratos com doses de genfibrozila (substância ativa) equivalentes a 0,2 e 1,3 vezes a exposição humana (baseados na AUC). A incidência de nódulos hepáticos benignos e carcinomas hepáticos foi significativamente maior em ratos machos recebendo doses elevadas. Em ratas recebendo doses elevadas de genfibrozila (substância ativa), houve um aumento significativo na incidência combinada de neoplasias hepáticas benignas e malignas.

Um estudo comparativo de carcinogenicidade também foi realizado em ratos comparando três fármacos nesta classe: fenofibrato (10 mg/kg e 60 mg/kg; 0,3 e 1,6 vezes a dose recomendada para humanos), clofibrato (400 mg/kg; 1,6 vezes a dose recomendada para humanos) e genfibrozila (substância ativa) (250 mg/kg; 1,7 vezes a dose recomendadapara humanos). Os adenomas pancreáticos acinosos foram aumentados em machos e fêmeas tratados com fenofibrato. Observou-se um aumento no carcinoma hepatocelular e adenomas pancreáticos acinosos em machos e nos nódulos neoplásicos hepáticos em fêmeas tratadas com clofibrato. Observou-se também um aumento nos nódulos neoplásicos hepáticos em machos e fêmeas tratados com genfibrozila (substância ativa), enquanto que um aumento nos tumores de células intersticiais testiculares foram observados em machos, com os três fármacos.

Foram conduzidos estudos prolongados em camundongos com doses equivalentes a 0,1 e 0,7 vezes a exposição humana (baseados na AUC). Não houve diferenças estatisticamente significativas na incidência de tumores hepáticos em relação aos controles, mas as doses testadas foram mais baixas que as identificadas como sendo carcinogênicas com outros fibratos. A administração de aproximadamente duas vezes a dose recomendada para humanos (baseada na área da superfície corpórea) em ratos machos, por 10 semanas, resultou em diminuição da fertilidade relacionada à dose. Estudos subsequentes demonstraram que esse efeito foi revertido após um período de aproximadamente 8 semanas sem o fármaco e não foi transmitido aos descendentes. Fetotoxicidade reduzida se manifestou pela redução do peso de nascimento observada com doses altas.

Genfibrozila deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC), protegido da luz e umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas

600 mg

Comprimido revestido na cor branca, oblongo e monossectado.

900 mg

Comprimido revestido na cor branca, oblongo, biconvexo e bissectado.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Reg. MS – 1.6773.0538.

Farm. Resp.:
Dra. Maria Betânia Pereira
CRF-SP 37.788

Registrado por:
Legrand Pharma Indústria Farmacêutica LTDA
Rod. Jornalista Francisco Aguirre Proença, km 08
Bairro Chácara Assay
CEP 13186-901 - Hortolândia/SP
CNPJ: 05.044.984/0001-26
Indústria brasileira

Fabricado e embalado por:
EMS S/A
Hortolândia –SP

Venda sob prescrição médica.

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.