Gelatina + Trombina Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Para que serve

Indicado em procedimentos cirúrgicos (exceto oftálmicos) como auxílio à hemostasia quando o controle da hemorragia por ligadura ou procedimentos convencionais é ineficaz ou impraticável.

Este medicamento é contraindicado para o uso por pacientes com alergias conhecidas a materiais de origem bovina.

O produto não deve ser usado no fechamento de incisões da pele porque pode interferir com a cicatrização das bordas da pele devido à interposição mecânica de gelatina.

O produto não deve ser injetado ou comprimido no interior de vasos sanguíneos. O produto não deve ser aplicado na ausência de fluxo sangüíneo ativo, por exemplo, em vasos com clamp ou em ponte (“bypass”). Caso contrário, pode ocorrer extensa coagulação intravascular e até morte.

Para se evitar um risco de reação alérgica anafilactóide e/ou eventos tromboembólicos, que podem representar risco à vida, o produto não deve ser injetado no interior de um vaso ou tecido.

Branca 2 Vias (Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)

A trombina deve ser adicionada à matriz de gelatina antes do uso.

Preparação do Gelatina + Trombina (substância ativa)

Inspecione a integridade do conteúdo do kit de Gelatina + Trombina (substância ativa). Se a embalagem ou os frascos estiverem danificados ou abertos, não devem ser utilizados.

Abertura do kit

  1. Abrir a embalagem do componente de trombina e frasco de diluente fora do campo estéril. Os itens nesta embalagem serão usados para reconstituir a trombina antes de transferi-la para o campo estéril.
  2. Abrir a embalagem externa contendo o componente de matriz de gelatina e colocar a embalagem interna estéril no campo estéril. Uma vez colocada no campo cirúrgico, a embalagem interna pode ser aberta em qualquer momento.

Preparação da solução de trombina

  1. Remover a tampa de plástico do frasco de solução de cloreto de cálcio. Remover a tampa de plástico do frasco de trombina. Desinfetar as tampas de borracha de ambos os frascos com uma solução germicida e espere secar. Não utilizar preparações que contêm iodo como o betadine (iodopovidona) para a desinfecção.
  2. Usando a seringa de 5mL com agulha acoplada fornecida na embalagem do componente de trombina, transferir os 5mL de solução de cloreto de cálcio para o frasco que contém a trombina liofilizada. Manter a agulha da seringa de 5mL dentro do frasco de trombina. Descartar o frasco vazio de solução de cloreto de cálcio apropriadamente.
  3. Girar suavemente o frasco de trombina até que a trombina esteja completamente dissolvida. Uma vez reconstituída, a solução de trombina deve ser usada o mais rápido possível. Entretanto, a solução pode ser usada em até 4 horas depois da reconstituição.
  4. Aspirar a solução de trombina na seringa. Transferir a solução de trombina para o campo estéril ao dispensá-la na pequena tigela fornecida na embalagem do componente de matriz de gelatina. Descartar o frasco vazio de trombina e a seringa de 5mL com agulha acoplada apropriadamente.

Mistura da solução de trombina na matriz de gelatina

A Matriz gelatina está contida em uma seringa com a marca Gelatina + Trombina (substância ativa) Matriz. Colocar esta seringa de lado e pegar a seringa vazia e juntar o conector Luer. Extrair a solução de trombina do pequeno frasco para esta seringa até a marca indicada.

Remover a tampa Luer da seringa da matriz de gelatina cuidadosamente para evitar derramar os grânulos da matriz de gelatina. Conectar esta seringa à seringa que contém a solução de trombina. Empurrar o êmbolo da seringa com a solução de trombina para passar toda a solução para dentro da seringa que contém a matriz de gelatina. Isto constitui "uma passagem". Transferir a solução da mistura de matriz de gelatina e trombina de uma seringa para a outra por um total de pelo menos vinte passagens. Ao começar a misturar, não tentar forçar a passagem de grandes massas secas de matriz de gelatina pelo conector Luer, já que pode entupir. Depois das primeiras passagens, a maior parte da matriz de gelatina deve estar hidratada, sendo que o conteúdo deve então ser rapidamente passado entre as seringas para promover a mistura completa. Ao ser concluída a mistura, o produto deve estar na seringa com a indicação Gelatina + Trombina (substância ativa) Matriz.

Certificar-se de que a seringa com a indicação Gelatina + Trombina (substância ativa) Matriz contém o Gelatina + Trombina (substância ativa).

Caso desejar, conectar uma ponta aplicadora à seringa que contém Gelatina + Trombina (substância ativa). O produto pode também ser extruído diretamente da seringa.

A consistência do produto pode não ser o ideal caso seja usado antes do decorrer de 30 segundos depois de sua preparação.

Gelatina + Trombina (substância ativa) pode ser utilizado em até duas (2) horas depois da mistura com a solução de trombina.

Caso queira, transferir o Gelatina + Trombina (substância ativa) para uma seringa menor (de 3mL, por exemplo) para extrusão através de pontas aplicadoras mais compridas.

Colocação/Aplicação do Gelatina + Trombina (substância ativa)

Gelatina + Trombina (substância ativa) não deve ser injetado no interior de vasos sanguíneos.

Para obter melhores resultados, o produto deve entrar em contato absoluto com a superfície do tecido que está sangrando ativamente.

As partículas do produto edemaciam em aproximadamente 20% ao entrar em contato com sangue ou outros líquidos. O volume máximo do edemaciamento é obtido dentro de aproximadamente 10 minutos.

Técnica de aplicação
  1. Aplicar Gelatina + Trombina (substância ativa) diretamente na fonte de sangramento.
  2. Manter Gelatina + Trombina (substância ativa) no local (fonte de sangramento) por 2 minutos com aproximação gentil.
  3. Usar quantidades adequadas de Gelatina + Trombina (substância ativa) para cobrir completamente a falha no tecido.
  4. Trabalhar rapidamente.
  5. Irrigar afastado excesso de Gelatina + Trombina (substância ativa), de modo a não perturbar o novo coágulo.

Identificar a fonte da hemorragia na superfície do tecido. Este é o sítio alvo para a aplicação do produto.

Aproximar manualmente uma gaze umedecida com solução fisiológica (não heparinizada) estéril contra a superfície hemorrágica e usar a ponta aplicadora (ou a ponta da seringa) para aplicar o produto entre a esponja e a superfície hemorrágica. A gaze irá manter o produto no lugar contra a superfície hemorrágica na presença de hemorragia ativa. Aplicar uma quantidade suficiente do produto para criar um pequeno "montículo" de material na fonte da hemorragia.

Para defeitos em tecidos ("lacerados" ou "crateras"), começar a aplicação do produto na porção mais profunda da lesão, e continuar aplicando o material à medida que a seringa (ou ponta aplicadora, se usada) é retirada da lesão. Esta ação de "retro-enchimento" irá assegurar que o produto entre em contato com toda a superfície hemorrágica no defeito do tecido.

Aplicar uma gaze para aproximar o produto contra a superfície hemorrágica, ajustando-a a lesão.

Depois de aproximadamente dois minutos, levante a gaze e inspecione o sítio da ferida. Se a hemorragia parou, o excesso do produto (não incorporado no coágulo hemostático) deve ser removido por meio de suave irrigação.

Para minimizar o rompimento do coágulo, remover a gaze depois de obtida a hemostasia. Se a gaze se aderir ao coágulo recém formado, irrigar a esponja com solução fisiológica não heparinizada e remover cuidadosamente do sítio tratado.

Para minimizar o rompimento do coágulo, remover a gaze depois de obtida a hemostasia. Se a gaze se aderir ao coágulo recém formado, irrigar a esponja com solução fisiológica não heparinizada e remover cuidadosamente do sítio tratado.

Uma vez que a hemorragia parar, o excesso do produto, material não incorporado no coágulo hemostático, deve ser removido por meio de suave irrigação.

O complexo coágulo – Gelatina + Trombina (substância ativa) não deve ser manipulado fisicamente. O produto incorporado no coágulo hemostático deve ser deixado no local.

Para aplicações nasais/sinusais

Para cirurgia endoscópica sinusal e epistaxe

Aplicar o produto à fonte da hemorragia usando um aplicador não traumático de comprimento apropriado conectado na seringa do Gelatina + Trombina (substância ativa).

Aplicar a quantidade suficiente do produto para cobrir generosamente toda a superfície hemorrágica.

Utilizando pinça ou outro instrumento apropriado, colocar cuidadosamente uma camada de um cotonóide umedecido sobre o produto por 1 a 2 minutos para assegurar que o material permaneça em contato com o tecido hemorrágico. Em casos de hemorragia persistente, indicada por saturação e hemorragia através dos grânulos, inserir a ponta aplicadora no centro da massa do produto previamente colocada para aplicar novo material o mais próximo possível da superfície do tecido. Depois da reaplicação do Gelatina + Trombina (substância ativa), usar um cotonóide umedecido para aproximar o material ao tecido por mais um minuto, e então inspecionar o sítio. Repetir a reaplicação se necessário.

Uma vez obtida a hemostasia, remover o cotonóide. O excesso de Gelatina + Trombina (substância ativa) deve ser removido com suave irrigação ou sucção cuidadosa. Evitar perturbar o complexo coágulo - produto.

O uso de tamponamento nasal não tem sido necessário quando é obtida uma hemostasia satisfatória com Gelatina + Trombina (substância ativa).

O uso do produto como suporte mecânico não foi estudado.

Posologia

A dose adequada de Gelatina + Trombina (substância ativa) depende da dimensão da superfície a ser vedada ou recoberta ou da dimensão da lesão.

Em um estudo clínico randomizado prospectivo, concomitantemente controlado usando uma formulação de Gelatina + Trombina (substância ativa) contendo trombina bovina, um total de 309 pacientes recebeu Gelatina + Trombina (substância ativa) ou o controle (esponja de gelatina + trombina).

Os eventos adversos mais comuns registrados durante e depois da aplicação dos agentes hemostáticos foram de anemia, fibrilação atrial, infecção e hemorragia. Nenhum dos eventos adversos ocorridos foi julgado pelo cirurgião como sendo “provavelmente relacionado” ao uso de Gelatina + Trombina (substância ativa).

Outros eventos adversos observados em 1% ou menos dos pacientes do estudo clínico de Gelatina + Trombina (substância ativa) foram de infarto do miocárdio, celulite, pneumotórax, dor, acidente vascular cerebral, alucinação, parestesia, bradicardia, abscesso, diarreia, retenção urinária, deiscência, úlcera cutânea, reação à transfusão, dispnéia, parada cardíaca, edema pulmonar, dor nas costas, taquicardia ventricular, neuropatia, insuficiência renal aguda, necrose tubular renal, gastrite, náuseas, náuseas e vômitos, erupção cutânea, hiperglicemia e úlcera do calcanhar.

Os eventos adversos a seguir, todos avaliados como “leves”, foram julgados pelo cirurgião como “possivelmente relacionados” ao uso de Gelatina + Trombina (substância ativa) foam de anemia (2 pacientes, 1%), leve hemorragia pós-operatória (1 paciente, <1%) e inflamação local (1 paciente, <1%). Nenhum outro evento adverso foi julgado pelo cirurgião como relacionado ao uso de Gelatina + Trombina (substância ativa).

Reações alérgicas podem surgir em pessoas com sensibilidade conhecida a materiais bovinos.

Agentes hemostáticos à base de gelatina: eventos adversos relatados

Os agentes hemostáticos à base de gelatina podem servir de nicho para a formação de infecção e abscesso, sendo que há relatos de que potenciam o crescimento bacteriano.

Granulomas de células gigantes têm sido observados em sítios de implante quando do uso no cérebro.

Foi observada compressão do cérebro e da medula vertebral, resultante do acúmulo de líquido estéril.

Múltiplos eventos neurológicos já foram relatados quando agentes hemostáticos absorvíveis à base de gelatina foram usados em operações de laminectomia, incluindo síndrome da cauda equina, estenose vertebral, meningite, aracnoidite, dores de cabeça, parestesias, dor,disfunção vesical e intestinal, e impotência.

O uso de agentes hemostáticos absorvíveis à base de gelatina durante a reparação de defeitos durais associada a operações de laminectomia e craniotomia foi associado à febre, infecção, parestesias de membros inferiores, dor de pescoço e costas, incontinência vesical e intestinal, síndrome da cauda eqüina, bexiga neurogênica, impotência e paresia.

O uso de agentes hemostáticos absorvíveis à base de gelatina foi associado à paralisia, devido à migração do dispositivo no interior de forames no osso ao redor da medula vertebral, além de cegueira, devido à migração do dispositivo na órbita do olho, durante a lobectomia, laminectomia e redução de uma fratura de crânio frontal e lóbulo lacerado.

Reações a corpo estranho, “encapsulação” de líquido e hematoma têm sido observados em sítios de implante.

Fibrose excessiva e fixação prolongada de um tendão foram relatadas quando foram usadas esponjas absorvíveis à base de gelatina na reparação de tendão rompido.

Síndrome de choque tóxico foi relatada em associação com o uso de hemostáticos absorvíveis à base de gelatina em cirurgia nasal. • Febre, falha na absorção e perda de audição foram observados quando foram usados agentes hemostáticos absorvíveis durante a timpanoplastia.

Reações adversas à trombina humana

A exemplo de qualquer derivado plasmático, em casos raros, podem ocorrer reações anafilactóides ou anafiláticas. Nenhum evento adverso deste tipo foi relatado durante o curso de estudos clínicos usando um produto diferente que contém o mesmo componente de trombina humana. As reações leves podem ser controladas com anti-histamínicos; as reações graves de hipotensão exigem intervenção imediata com o uso dos princípios atuais da terapia de choque.

Equivalência da trombina bovina e humana

O desempenho do Gelatina + Trombina (substância ativa) que contém trombina humana foi comparado a este do Gelatina + Trombina (substância ativa) original (que contém trombina bovina) em um modelo de cubo de fígado hemorrágico em porcos.

As taxas de fluxo sanguíneo para as lesões criadas no modelo de fígado de porco foram registradas em timepoints específicos, e analisadas estatisticamente pelo método de Blackwelder e Chang modificado para variáveis contínuas. Esta análise demonstra que o desempenho do Gelatina + Trombina (substância ativa) - gelatina e trombina é equivalente ao desempenho do Gelatina + Trombina (substância ativa) original, com um valor p de < 0,001 em cada um dos intervalos de avaliação.

Além disso, cada lesão foi avaliada subjetivamente quanto à hemorragia, recebendo um escore em cada timepoint. Estes dados foram analisados usando o método de Blackwelder e Chang para as proporções. Os resultados para todas as lesões em todos os animais mostraram que Gelatina + Trombina (substância ativa) e o Gelatina + Trombina (substância ativa) original eram equivalentes para cada um dos intervalos de tempo, com um valor p de 0,015.

Uso de Gelatina + Trombina (substância ativa) como um agente hemostático para hemorragia nasal/sinusal

O Gelatina + Trombina (substância ativa) tem sido usado como um agente hemostático para o controle de hemorragia intra e pós-operatória (epistaxe) durante a cirurgia nasal/sinusal em 18 pacientes (30 sítios de aplicação).

Os pacientes foram acompanhados por 24 horas depois da cirurgia e todas as complicações e episódios de epistaxe foram registrados durante este período. A hemorragia intra-operatória cessou em 30 dos 30 (100%) sítios de aplicação. Nenhuma complicação intraoperatória foi relatada neste grupo. Um paciente apresentou epistaxe 6 horas depois da operação; este paciente foi tratado sem demais eventos e recebeu alta do hospital no primeiro dia pós-operatório.

Em caso de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm , ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Não são conhecidas interações do produto com outros medicamentos.

Gerais

Apenas para uma única utilização. Não reesterilizar.

Visto que a solução de trombina pode ser denaturada mediante o contato com soluções que contêm álcool, iodo ou íons de metais pesados, o produto não deve ser aplicado antes do sítio de aplicação ser limpo para a retirada de quaisquer antisépticos que possam conter tais substâncias.

Quando colocada no interior de cavidades ou espaços teciduais fechados, aconselha-se a aproximação suave. Quando aplicadas a um sítio hemorrágico, as partículas do produto se edemaciam em aproximadamente 20 % mediante o contato com sangue ou outros líquidos. O volume máximo do edemaciamento é obtido dentro de aproximadamente 10 minutos.

A exemplo de outros agentes hemostáticos, o produto não deve ser aspirado para dentro de circuitos de circulação cardiopulmonar extracorpórea ou circuitos de recuperação de sangue para transfusão autóloga. Foi demonstrado que fragmentos de agentes hemostáticos à base de colágeno podem passar por 40 filtros de transfusão de sistemas de filtração de sangue.

O produto não deve ser usado com metilmetacrilato ou outros adesivos acrílicos. O colágeno microfibrilar reduz a potência de adesivos de metilmetacrilato usados para ligar dispositivos protéticos a superfícies ósseas. Não usar Gelatina + Trombina (substância ativa) em superfícies ósseas, onde adesivos são requeridos para ligar dispositivos protéticos.

O produto não deve ser usado para o tratamento primário de distúrbios da coagulação.

A segurança e a eficácia do uso combinado do produto com soluções ou pós antibióticos não foram estabelecidas.

A segurança e a eficácia do uso em procedimentos neurocirúrgicos e urológicos não foram estabelecidas por meio de estudo clínico randomizado.

Em procedimentos urológicos, o produto não deve ser deixado na pelve renal ou nos ureteres para eliminar os potenciais focos de formação de cálculos.

Alguns vírus, como o parvovírus B19, são, por hora, particularmente difíceis de remover ou inativar. O parvovírus B19 afeta com maior gravidade as gestantes ou indivíduos imunocomprometidos. Os sintomas da infecção por parvovírus B19 incluem febre, sonolência, calafrios e rinorréia, que depois de aproximadamente duas semanas, são seguidos de uma erupção cutânea e dor articular. Os pacientes devem ser encorajados a consultar seu médico no aparecimento de tais sintomas.

Carcinogênese, mutagênese, distúrbio da fertilidade

Não foram conduzidos estudos prolongados em animais para avaliar o potencial carcinogênico do produto ou estudos para determinar o efeito do produto sobre a fertilidade.

Uso na gravidez

Não se sabe se o Gelatina + Trombina (substância ativa) pode causar dano ao feto quando administrado a uma gestante ou se pode afetar a capacidade reprodutora. O produto deve ser administrado a uma mulher gestante somente se realmente necessário.

Categoria “C” de risco na gravidez.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Advertências

Gelatina + Trombina (substância ativa) contém trombina feita a partir de plasma humano. Os produtos feitos a partir de plasma humano podem conter agentes infecciosos, como vírus, que podem causar doença. O risco de que tais produtos podem transmitir um agente infeccioso é reduzido pela triagem dos doadores de plasma quanto à exposição anterior a certos vírus, por provas quanto à presença de certas infecções virais atuais, e pela inativação e remoção de certos vírus. Apesar destas medidas, tais produtos podem ainda potencialmente transmitir doença. Como este produto é preparado a partir de sangue humano, pode representar um risco de transmissão de agentes infecciosos, por exemplo, vírus e, teoricamente, o agente da doença de Creutzfeldt-Jakob (CJD). Todas as infecções consideradas pelo médico como possivelmente transmitidas por este produto devem ser relatadas pelo médico ou outro profissional de saúde à Baxter. O médico deve discutir os riscos e os benefícios deste produto com o paciente.

Gelatina + Trombina (substância ativa) não se destina a servir como substituto de técnicas cirúrgicas meticulosas e da aplicação adequada de ligaduras ou outros procedimentos convencionais para a hemostasia. O produto é eficaz em hemorragias cirúrgicas, desde leves (gotejamento) a intensas (jatos), e não se destina ao uso como agente hemostático profilático.

O produto não deve ser usado na presença de infecção. O produto deve ser usado com precaução em áreas contaminadas do corpo. Caso se desenvolva sinais de infecção ou abscesso no local onde o produto foi aplicado, pode ser necessária uma nova operação a fim de se remover o material infectado e permitir a drenagem.

Independente do tipo de procedimento cirúrgico, os cirurgiões devem considerar o volume máximo do edemaciamento de aproximadamente 20% do produto depois da aplicação do produto, bem como seu potencial efeito sobre as áreas anatômicas adjacentes. O volume máximo do edemaciamento é obtido dentro de aproximadamente 10 minutos.

Qualquer excesso do produto (material não incorporado no coágulo hemostático) deve ser removido por meio de suave irrigação do sítio de aplicação, particularmente quando usada dentro, ao redor ou nas proximidades de forames em ossos, áreas de limites ósseos, na medula vertebral e/ou no nervo e quiasma ópticos.

A segurança e a eficácia do Gelatina + Trombina (substância ativa) para uso em procedimentos oftálmicos não foram estabelecidas.

O produto não deve ser usada no controle de hemorragia ou menorragia pós-parto.

A segurança e a eficácia do produto não foram estabelecidas em gestantes e estudos de grande porte com criança.

Resultados de Eficácia

Estudos observacionais de longa duração demonstraram que o controle efetivo de tumores localizados e progressivas taxas, a longo prazo livres de tumor, podem ser atingidos através de cirurgia de “poupadora de néfrons” – a nefrectomia parcial aberta ou laparoscópica. Contudo, se tais métodos já estão bem estabelecidos, a maior preocupação é da hemostasia pós-operatória que não é atingida tão facilmente, podendo limitar a utilização da intervenção laparoscópica. Entre janeiro de 2001 e abril de 2002, 25 pacientes com carcinoma renal foram submetidos à nefrectomia parcial (15 por cirurgia retroperitoneal aberta e 10 laparoscópicas). Este medicamento foi usado nestes casos e aplicado após a ressecção do tumor com a obtenção imediata de hemostasia após a aplicação. Não ocorreu necessidade de transfusão sanguínea em nenhum paciente e também não ocorreram sangramentos pós-operatórios. O estudo concluiu que este medicamento forneceu hemostasia imediata e durável em nefroctomias parciais abertas ou nefroctomias parciais laparoscópicas.

Em um estudo clínico prospectivo, randomizado, controlado deste medicamento comparado à tradicional hemostasia com eletrocautério em crianças submetidas à adenoidectomia. Setenta pacientes (idade média: 7 anos, 45,7% masculino) com apneia obstrutiva do sono, submetidas à tradicional adenoidectomia com cureta de adenoide foram randomizados para receber o selante hemostático (este medicamento) ou eletrocautério para obter hemostasia. Dados objetivos coletados incluíam tempo para hemostasia e perda sanguínea. Comparado ao grupo cauterizado, o grupo do este medicamento teve tempos significativamente mais curtos para hemostasia, menos perda sanguínea e operações subjetivamente mais fáceis. Este medicamento tornou a técnica segura, eficaz, fácil e custo efetivo para obter hemostasia em crianças sob adenoidectomia.

Outro estudo clínico prospectivo, randomizado, controlado comparou este medicamento com tamponamento nasal em pacientes com epistaxe anterior aguda. Setenta pacientes com epistaxe anterior aguda foram randomizados para receber este medicamento ou controle para tamponamento nasal. Este medicamento foi considerado pelos médicos ser mais eficaz do que tamponamento no controle inicial e posteriormente estavam mais satisfeitos. Este medicamento é uma alternativa melhor tolerada, mais eficaz, segura e fácil do que tamponamento nasal em pacientes com epistaxe anterior aguda.

Características Farmacológicas

Este medicamento é um agente hemostático indicado em procedimentos cirúrgicos (exceto os oftálmicos) como adjuvante da hemostasia quando o controle do sangramento por ligadura ou procedimentos convencionais são ineficazes ou impraticáveis. É um agente hemostático eficaz, em diferentes tipos de sangramentos (viscoso, fluido ou jato), especialmente quando o sangramento é ativo ou quando os anticoagulantes ou procedimentos cirúrgicos, como “bypass” cardiopulmonar , alteram o sistema de coagulação do paciente. O kit deste medicamento consiste em gelatina obtida de couro bovino e trombina fabricada a partir de plasma humano.

Este medicamento é a combinação do componente de gelatina e o componente de trombina (humana) reconstituída. A trombina deve ser adicionada ao componente de gelatina antes do uso. É biocompatível e reabsorvida dentro de 6 a 8 semanas, consistente com a cicatrização normal de feridas.

Floseal

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.