Etoricoxibe Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Etoricoxibe (princípio ativo) faz parte de um grupo de medicamentos denominados coxibes, usados para diminuir a dor e a inflamação.

Este medicamento é um inibidor seletivo da COX-2. Este medicamento não é um narcótico.

Nosso organismo produz dois tipos de enzimas semelhantes, denominadas COX-1 e COX-2. Uma das funções da COX-1 está relacionada com a proteção do estômago, enquanto a COX-2 participa nos processos inflamatórios e dolorosos de tecidos e das articulações.

  • Etoricoxibe (princípio ativo) bloqueia a COX-2 e, desse modo, reduz a dor e a inflamação;
  • Etoricoxibe (princípio ativo) não bloqueia a COX-1, substância envolvida na proteção contra úlceras no estômago;
  • Outros anti-inflamatórios (anti-inflamatórios não esteróides – AINEs) bloqueiam tanto a COX-1 como a COX-2;
  • Etoricoxibe (princípio ativo) alivia a dor e a inflamação com menos risco de úlceras no estômago em comparação com os AINEs.

Para que serve

Etoricoxibe (princípio ativo) é indicado para:

  • Tratamento agudo e crônico dos sinais e sintomas da osteoartrite (OA) e da artrite reumatoide (AR);
  • Tratamento da espondilite anquilosante;
  • Alívio da dor crônica e aguda;
  • Tratamento da dor aguda pós-operatória moderada a grave associada à cirurgia odontológica;
  • Tratamento da dor aguda pós-operatória moderada a grave associada à cirurgia ginecológica abdominal.

A decisão de prescrever um inibidor seletivo da COX-2 deve ser baseada em uma avaliação global dos riscos individuais do paciente.

Etoricoxibe (substância ativa) é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer um de seus componentes, em casos de insuficiência cardíaca congestiva (NYHA II-IV), doença cardíaca isquêmica, doença arterial periférica e/ou doença vascular cerebral estabelecida (incluindo pacientes que tenham sido submetidos recentemente à cirurgia de revascularização do miocárdio ou angioplastia).

C1 Branca 2 vias (Venda Sob Prescrição Médica - Este medicamento pode causar Dependência Física ou Psíquica)

Etoricoxibe (princípio ativo) deve ser tomado uma vez ao dia, com ou sem alimentos.

Seu médico decidirá a dose e por quanto tempo você deverá tomar este medicamento, de acordo com os critérios abaixo.

Para o tratamento da osteoartrite:

A dose recomendada é de 60 mg uma vez ao dia.

Para o tratamento da artrite reumatoide:

A dose recomendada é de 90 mg uma vez ao dia.

Para o tratamento da espondilite anquilosante:

A dose recomendada é de 90 mg uma vez ao dia.

Para alívio da dor crônica:

A dose recomendada é de 60 mg uma vez ao dia.

Condições de dor aguda:

A dose recomendada é de 90 mg uma vez ao dia. Etoricoxibe (princípio ativo) deve ser utilizado apenas durante o período agudo, limitado a 8 dias no máximo.

Para alívio da dor após cirurgia dentária:

A dose recomendada é de 90 mg uma vez ao dia, limitada ao máximo de 3 dias de tratamento.

Para alívio de dor após cirurgia ginecológica abdominal:

A dose recomendada é de 90 mg uma vez ao dia, limitada ao máximo de 5 dias de tratamento. A primeira dose deve ser tomada logo antes da cirurgia.

Doses maiores que as recomendadas para cada situação citada acima não devem ser utilizadas, portanto:

  • A dose para osteoartrite não deve exceder 60 mg ao dia;
  • A dose para artrite reumatoide não deve exceder 90 mg ao dia;
  • A dose para espondilite anquilosante não deve exceder 90 mg ao dia;
  • A dose para dor crônica não deve exceder 60 mg ao dia;
  • A dose para dor aguda não deve exceder 90 mg ao dia;
  • A dose para dor aguda pós-cirurgia odontológica não deve exceder 90 mg ao dia, limitada ao máximo de 3 dias;
  • A dose para dor aguda pós-cirurgia ginecológica não deve exceder 90 mg ao dia, limitada ao máximo de 5 dias.

Como os riscos cardiovasculares dos inibidores seletivos da COX-2 podem aumentar com a dose e a duração da exposição, deve-se utilizar a dose diária mais baixa possível pelo período de tempo mais curto possível. A necessidade do paciente de alívio sintomático e a resposta ao tratamento devem ser reavaliadas periodicamente.

Idade, Sexo e Raça:

Não são necessários ajustes posológicos para idosos ou com base no sexo ou raça.

Insuficiência Hepática:

Em pacientes com insuficiência hepática leve (escore de Child-Pugh de 5-6), a dose de 60 mg uma vez ao dia não deve ser excedida. Em pacientes com insuficiência hepática moderada (escore de Child-Pugh de 7-9), a dose deve ser reduzida; a dose de 60 mg em dias alternados não deve ser excedida. Não há dados clínicos ou farmacocinéticos em pacientes com insuficiência hepática grave (escore de Child-Pugh >9).

Insuficiência Renal:

O tratamento com Etoricoxibe (substância ativa) não é recomendado para pacientes com doença renal avançada (clearance de creatinina <30 mL/min). Não são necessários ajustes posológicos para pacientes com insuficiência renal leve/moderada (clearance de creatinina ≥30 mL/min).

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Nos estudos clínicos, o perfil de segurança do Etoricoxibe (substância ativa) foi avaliado em 7.152 indivíduos, incluindo 4.488 pacientes com osteoartrite, artrite reumatoide, lombalgia crônica ou espondilite anquilosante (aproximadamente 600 pacientes com osteoartrite ou artrite reumatoide foram tratados por um ano ou mais).

Nos estudos clínicos, o perfil de efeitos indesejáveis foi semelhante em pacientes com osteoartrite ou artrite reumatoide tratados com Etoricoxibe (substância ativa) durante um ano ou mais.

Em um estudo clínico sobre espondilite anquilosante, os pacientes receberam 90 mg de Etoricoxibe (substância ativa) uma vez ao dia durante até um ano (N= 126). O perfil de eventos adversos nesse estudo foi geralmente semelhante ao relatado nos estudos crônicos de osteoartrite, artrite reumatoide e lombalgia crônica.

Nos estudos clínicos sobre dor aguda pós-operatória associada a cirurgias odontológicas e ginecológicas abdominais que incluíram 1.222 pacientes tratados com Etoricoxibe (substância ativa), o perfil de eventos adversos foi geralmente semelhante ao relatado nos estudos combinados em osteoartrite, artrite reumatoide e lombalgia crônica.

Nos estudos combinados sobre dor aguda pós-cirurgia odontológica, a incidência de alveolite pós-extração dentária relatada em pacientes tratados com Etoricoxibe (substância ativa) foi semelhante à de pacientes tratados com agentes comparadores ativos.

Em um programa para avaliar resultados de segurança cardiovascular por meio dos dados obtidos a partir de três estudos controlados com comparador ativo, 17.412 pacientes com osteoartrite ou artrite reumatoide foram tratados com Etoricoxibe (substância ativa) (60 mg ou 90 mg) durante um período médio de aproximadamente 18 meses. Os detalhes e dados sobre segurança deste programa são apresentados em Resultados da eficácia.

Os seguintes efeitos indesejáveis foram relatados com incidência superior à do placebo em estudos clínicos que incluíram pacientes com osteoartrite, artrite reumatoide, lombalgia crônica ou espondilite anquilosante tratados com Etoricoxibe (substância ativa) 30 mg, 60 mg ou 90 mg por até 12 semanas, ou nos estudos do Programa MEDAL, ou na experiência pós-comercialização:

  • Muito comum (≥ 1/10); 
  • Comum (≥ 1/100 a <1/10); 
  • Incomum (≥ 1/1.000 a <1/100);
  • Raro (≥ 1/10.000 e <1/1.000);
  • Muito Raro (<1/10.000);
  • Desconhecido (não é possível estimar a partir dos dados disponíveis)

Infecções e infestações

Incomum: 

Gastroenterite, infecção do trato respiratório superior, infecção do trato urinário.

Distúrbios do sangue e sistema linfático

Incomum:

Anemia (principalmente associada com sangramento gastrintestinal), leucopenia, trombocitopenia.

Distúrbios do sistema imunológico

Muito raro:

Reações de hipersensibilidade, incluindo angioedema, reações anafiláticas/anafilactoides, incluindo choque.

Distúrbios do metabolismo e nutrição

Comum:

Edema/retenção de líquidos.

Incomum:

Aumento ou diminuição do apetite, ganho de peso.

Distúrbios psiquiátricos

Incomum:

Ansiedade, depressão, diminuição da acuidade mental.

Muito raro: 

Confusão, alucinações.

Desconhecido:

Inquietação.

Distúrbios do sistema nervoso

Comum:

Tonturas, dor de cabeça.

Incomum:

Disgeusia, insônia, parestesias/hipostesia, sonolência.

Distúrbios oculares

Incomum:

Visão turva, conjuntivite.

Distúrbios do ouvido e do labirinto

Incomum:

Zumbidos, vertigens.

Distúrbios cardíacos

Comum:

Palpitações.

Incomum:

Fibrilação atrial, insuficiência cardíaca congestiva, alterações inespecíficas do ECG, angina pectoris, infarto do miocárdio*.

Desconhecido:

Taquicardia, arritmia.

Distúrbios vasculares

Comum:

Hipertensão.

Incomum:

Rubor, acidente vascular cerebral*, ataque isquêmico transitório.

Muito raro:

Crise hipertensiva.

Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais

Incomum:

Tosse, dispneia, epistaxe.

Muito raro:

Broncoespasmo.

Distúrbios gastrintestinais

Comum:

Distúrbios gastrintestinais (ex. dor abdominal, flatulência, pirose), diarreia, dispepsia, desconforto epigástrico, náuseas.

Incomum:

Distensão abdominal, refluxo gastroesofágico, alteração do peristaltismo intestinal, constipação, boca seca, úlcera gastroduodenal, síndrome do intestino irritável, esofagite, úlcera oral, vômitos, gastrite.

Muito raro:

Úlceras pépticas, incluindo perfuração gastrintestinal e sangramento (principalmente em idosos).

Desconhecido:

Pancreatite.

Distúrbios hepatobiliares

Comum:

Aumento da ALT, aumento da AST.

Muito raro:

Hepatite.

Desconhecido:

Icterícia, insuficiência hepática.

Distúrbios da pele e tecido subcutâneo

Comum:

Equimose.

Incomum:

Edema facial, prurido, erupção cutânea.

Raro:

Eritema.

Muito raro:

Urticária, síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica.

Desconhecido:

Erupção cutânea induzida por fármaco.

Distúrbios do sistema musculoesquelético, do tecido conjuntivo e dos ossos

Incomum:

Cãimbras/espasmo muscular, dor/rigidez musculoesquelética.

Distúrbios renais e urinários

Incomum:

Proteinúria, aumento da creatinina sérica.

Muito raro:

Insuficiência renal, incluindo falência renal.

Distúrbios gerais e condições no local de administração

Comum:

Astenia/fadiga, doença semelhante à gripe.

Incomum:

Dor no peito.

Investigações

Incomum:

Aumento da ureia, aumento da creatina fosfoquinase, hipercalemia, aumento do ácido úrico.

Raro:

Diminuição de sódio no sangue.

Os seguintes efeitos indesejáveis graves foram relatados em associação com o uso de AINEs e não podem ser excluídos para o Etoricoxibe (substância ativa): nefrotoxicidade, incluindo nefrite intersticial e síndrome nefrótica; hepatotoxicidade, incluindo insuficiência hepática.

*Com base em análises a longo prazo em ensaios clínicos controlados com placebo e medicação ativa, inibidores seletivos de COX-2 têm sido associados a risco aumentado de eventos arteriais trombóticos graves, incluindo infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. É improvável que o aumento do risco absoluto de tais eventos exceda 1% ao ano, com base em dados existentes (Incomum).

No MEDAL, estudo que incluiu 23.504 pacientes e e teve como desfecho a incidência de eventos cardiovasculares, a segurança de Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg ou 90 mg por dia foi comparada com diclofenaco 150 mg por dia em pacientes com osteoartrite ou artrite reumatóide (a média de duração do tratamento foi de 20 meses). Nesse amplo estudo, foram registrados apenas os eventos adversos graves e as descontinuações causadas por qualquer tipo de evento adverso. A incidência de eventos cardiovasculares trombóticos graves confirmados foram semelhantes entre Etoricoxibe (substância ativa) e diclofenaco.

A incidência de descontinuações por eventos adversos relacionados à hipertensão foi inferior a 3% em cada grupo de tratamento; entretanto, foram demonstradas incidências de descontinuação por esses eventos significativamente maiores para Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg e 90 mg do que para o diclofenaco. A incidência de eventos adversos por insuficiência cardíaca congestiva (descontinuações e eventos graves) e a incidência de descontinuações em razão de edema tiveram incidências semelhantes para Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg e para o diclofenaco; no entanto, a incidência desses eventos foi mais alta para Etoricoxibe (substância ativa) 90 mg do que para o diclofenaco. A incidência de descontinuações por fibrilação atrial foi maior para Etoricoxibe (substância ativa) quando comparado com o diclofenaco.

Os estudos EDGE e EDGE II compararam a tolerabilidade gastrintestinal de Etoricoxibe (substância ativa) 90 mg por dia (1,5 vez a dose recomendada para osteoartrite) com a de diclofenaco 150 mg por dia em 7.111 pacientes com osteoartrite (estudo EDGE, média de duração do tratamento: 9 meses) e 4.086 pacientes com artrite reumatóide (EDGE II, média de duração do tratamento: 19 meses). Em cada um desses estudos, o perfil de reações adversas de Etoricoxibe (substância ativa) foi geralmente semelhante ao relatado nos estudos clínicos controlados com placebo, fases IIb/III; entretanto, reações adversas relacionadas a edema e hipertensão ocorreram a uma frequencia mais elevada com Etoricoxibe (substância ativa) 90 mg do que com diclofenaco 150 mg por dia. A incidência de eventos cardiovasculares trombóticos graves confirmados foi semelhante nos dois grupos de tratamento.

No programa de desenvolvimento clínico inicial, aproximadamente 3.100 pacientes foram tratados com Etoricoxibe (substância ativa) ≥ 60 mg/dia por 12 semanas ou mais.

Não houve diferença perceptível na taxa de eventos cardiovasculares trombóticos graves entre os pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa) ≥60 mg ou AINEs com exceção de naproxeno. No entanto, a frequencia desses eventos foi mais alta em pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa) em comparação com aqueles que receberam naproxeno 500 mg duas vezes ao dia.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Varfarina:

Em indivíduos estabilizados sob tratamento crônico com a varfarina, a administração de Etoricoxibe (substância ativa) 120 mg uma vez ao dia foi associada a aproximadamente 13% de aumento no tempo de protrombina (International Normalized Ratio – INR). Em pacientes que estejam recebendo varfarina ou agentes semelhantes, deve-se proceder a monitorização-padrão dos valores de INR ao se iniciar ou alterar o tratamento com Etoricoxibe (substância ativa), principalmente nos primeiros dias de tratamento.

Rifampicina:

A coadministração de Etoricoxibe (substância ativa) e rifampicina, um potente indutor do metabolismo hepático, reduziu em 65% a área sob a curva da concentração plasmática (AUC) do Etoricoxibe (substância ativa). Essa interação deve ser considerada quando Etoricoxibe (substância ativa) for administrado com rifampicina.

Metotrexato:

Dois estudos pesquisaram os efeitos de Etoricoxibe (substância ativa) nas doses de 60 mg, 90 mg e 120 mg administradas uma vez ao dia durante sete dias em pacientes com artrite reumatoide que recebiam doses de 7,5 mg a 20 mg de metotrexato uma vez por semana. Em um estudo, as doses de Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg e 90 mg não exerceram efeito na concentração plasmática do metotrexato (conforme avaliado pela AUC) ou na depuração renal, o que também ocorreu com a dose de Etoricoxibe (substância ativa) 120 mg em um estudo. Em outro estudo, Etoricoxibe (substância ativa) na dose de 120 mg aumentou a concentração plasmática do metotrexato em 28% (conforme avaliado pela AUC) e reduziu a depuração renal do metotrexato em 13%. A monitorização da toxicidade relacionada ao metotrexato deve ser considerada quando este for administrado concomitantemente a doses maiores de 90 mg ao dia de Etoricoxibe (substância ativa).

Diuréticos, Inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina (ECA) e Bloqueadores do Receptor de Angiotensina II (BRAs):

Relatos sugerem que os AINEs, incluindo os inibidores seletivos da COX-2, podem diminuir o efeito anti-hipertensivo dos diuréticos, dos inibidores da ECA e dos BRAs. Essa interação deve ser considerada quando Etoricoxibe (substância ativa) for administrado concomitantemente com esses produtos.

Em alguns pacientes com função renal comprometida (por exemplo, pacientes idosos ou pacientes com hipovolemia, incluindo pacientes sob tratamento diurético) que estejam sendo tratados com AINEs, incluindo inibidores seletivos da COX-2, a administração concomitante de inibidores da ECA ou de BRAs pode resultar em deterioração adicional da função renal, inclusive possível insuficiência renal aguda. Esses efeitos são em geral reversíveis. Portanto a combinação deve ser administrada com cuidado, particularmente em idosos.

Lítio:

Relatos sugerem que os AINEs não seletivos e os inibidores seletivos da COX-2 podem aumentar os níveis plasmáticos de lítio. Essa interação deve ser considerada quando Etoricoxibe (substância ativa) for administrado concomitantemente com lítio.

Ácido Acetilsalicílico:

Etoricoxibe (substância ativa) pode ser administrado concomitantemente com ácido acetilsalicílico em baixas doses para profilaxia cardiovascular. Em estado de equilíbrio, a dose de 120 mg de Etoricoxibe (substância ativa) uma vez ao dia não exerceu efeito na atividade antiplaquetária do ácido acetilsalicílico em baixas doses (81 mg uma vez ao dia).

Entretanto, a administração concomitante de Etoricoxibe (substância ativa) com baixas doses de ácido acetilsalicílico aumenta a incidência de ulceras ou de outras complicações do trato gastrintestinal em comparação com o uso de Etoricoxibe (substância ativa) isoladamente.

Anticoncepcionais Orais:

A administração concomitante de Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg e de um anticoncepcional oral com 35 mcg de etinilestradiol e 0,5 a 1 mg de noretindrona durante 21 dias aumentou a AUC0-24h no estado de equilíbrio do etinilestradiol em 37%; a administração concomitante, ou com intervalo de 12 horas, de Etoricoxibe (substância ativa) 120 mg com o mesmo anticoncepcional oral aumentou a AUC0-24h no estado de equilíbrio do etinilestradiol em 50% a 60%.

Esse aumento da concentração do etinilestradiol deve ser considerado ao se escolher um anticoncepcional oral para ser utilizado com Etoricoxibe (substância ativa). Um aumento na exposição ao etinilestradiol pode aumentar a incidência de eventos adversos associados aos anticoncepcionais orais (por exemplo, eventos tromboembólicos venosos em mulheres com risco).

Terapia de Reposição Hormonal:

A administração de Etoricoxibe (substância ativa) 120 mg com estrogênios conjugados para terapia de reposição hormonal (0,625 mg de estrogênios conjugados), durante 28 dias, aumentou a média da AUC0-24h no estado de equilíbrio da estrona não conjugada (41%), da equilina (76%) e do 17-β-estradiol (22%). O efeito das doses de Etoricoxibe (substância ativa) recomendadas para uso crônico (60 mg e 90 mg) não foi estudado. Os efeitos da dose de Etoricoxibe (substância ativa) 120 mg na exposição (AUC0-24h) a esses componentes estrogênicos foram inferiores à metade daqueles observados quando o preparado de estrogênios conjugados foi administrado isoladamente e a dose foi aumentada de 0,625 mg para 1,25 mg. A importância clínica desse aumento é desconhecida e a administração de doses mais altas de estrogênios conjugados em combinação com Etoricoxibe (substância ativa) não foi estudada. Esse aumento na concentração estrogênica deve ser levado em consideração ao selecionar uma terapia de reposição hormonal para ser utilizada com Etoricoxibe (substância ativa).

Outros:

Em estudos de interação medicamentosa, Etoricoxibe (substância ativa) não exerceu efeitos clinicamente importantes na farmacocinética da prednisona/prednisolona ou da digoxina.

Antiácidos e Cetoconazol (um potente inibidor do CIP3A4):

Não exerceram efeitos clinicamente importantes na farmacocinética de Etoricoxibe (substância ativa).

Efeito cardiovascular

Estudos clínicos sugerem que a classe de inibidores seletivos da COX-2 pode estar associada a risco aumentado de eventos trombóticos (particularmente IM e AVC), em relação ao placebo e alguns AINEs (naproxeno). Como os riscos cardiovasculares dos inibidores seletivos da COX-2 podem aumentar com a dose e duração da exposição, deve-se utilizar a menor dose efetiva diária pelo período de tempo mais curto possível. A necessidade do paciente de alívio sintomático e sua resposta ao tratamento devem ser periodicamente reavaliadas.

Os pacientes com fatores de risco significativos para eventos cardiovasculares (por exemplo, hipertensão, hiperlipidemia, diabetes mellitus, tabagismo) devem ser tratados com Etoricoxibe (substância ativa) apenas após criteriosa consideração.

Os inibidores seletivos da COX-2 não são substitutos do ácido acetilsalicílico para a profilaxia cardiovascular, porque não exercem efeito nas plaquetas. Como o Etoricoxibe (substância ativa), membro dessa classe de inibidores seletivos, não inibe a agregação plaquetária, o tratamento antiplaquetário não deve ser descontinuado.

Efeito gastrintestinal

Há aumento adicional do risco de efeitos adversos gastrintestinais (ulceração gastrintestinal ou outras complicações gastrintestinais) com o uso de Etoricoxibe (substância ativa), outros inibidores seletivos da COX-2 e AINEs, quando administrados concomitantemente ao ácido acetilsalicílico (mesmo em doses baixas).

A diferença relativa de segurança gastrintestinal entre os inibidores seletivos da COX-2 associado ao ácido acetilsalicílico versus AINEs associado ao ácido acetilsalicílico ainda não foi adequadamente avaliada em estudos clínicos de longa duração.

Os médicos devem estar cientes de que determinados pacientes podem desenvolver úlcera(s) e complicações relacionadas a úlceras no trato gastrintestinal superior, independentemente do tratamento. Embora o risco de toxicidade gastrintestinal não seja eliminado com Etoricoxibe (substância ativa), os resultados do programa MEDAL demonstram que o risco de toxicidade GI nos pacientes tratados com Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg ou 90 mg por dia é significativamente menor que com 150 mg de diclofenaco por dia.

Em estudos clínicos com ibuprofeno e naproxeno, o risco de úlceras detectadas por endoscopia foi mais baixo em pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa) 120 mg uma vez ao dia do que em pacientes que receberam os AINEs não seletivos. Embora o risco de úlceras detectadas por endoscopia tenha sido baixo em pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa) 120 mg, foi mais alto do que o observado em pacientes que receberam placebo. Ocorreram úlceras e complicações relacionadas a úlceras no trato gastrintestinal superior em pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa). Esses eventos podem ocorrer a qualquer momento durante o uso e sem sintomas ou sinais de alerta. Independentemente do tratamento, sabe-se que pacientes com histórico de perfurações, úlceras e sangramentos gastrointestinais e pacientes com mais de 65 anos de idade apresentam risco mais alto de ocorrência de sangramentos gastrointestinais.

Efeito renal

O tratamento com Etoricoxibe (substância ativa) não é recomendado para pacientes com doença renal avançada. Considerando-se a experiência clínica muito limitada em pacientes com clearance de creatinina <30 mL/min, recomenda-se monitorização rigorosa da função renal desses pacientes caso seja necessário instituir tratamento com Etoricoxibe (substância ativa).

A administração de AINEs em longo prazo resultou em necrose papilar renal e outros danos renais. As prostaglandinas renais podem desempenhar um papel compensatório na manutenção da perfusão renal, portanto, quando há comprometimento da perfusão renal, a administração de Etoricoxibe (substância ativa) pode reduzir a formação de prostaglandinas e, secundariamente, o fluxo sanguíneo renal, comprometendo, dessa forma, a função renal. O risco de tal resposta é maior nos pacientes com comprometimento significativo preexistente da função renal, insuficiência cardíaca não compensada ou cirrose. Deve-se considerar a monitorização da função renal nesses pacientes.

Retenção de fluido, edema e hipertensão

Deve-se ter cautela ao iniciar o tratamento com Etoricoxibe (substância ativa) em pacientes com desidratação considerável. É recomendável proceder à reidratação de tais pacientes antes de iniciar o tratamento com Etoricoxibe (substância ativa).

Como outras medicações conhecidas por inibir a síntese das prostaglandinas, foram observados retenção hídrica, edema e hipertensão em alguns pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa). Deve-se considerar a possibilidade de retenção hídrica, edema (acompanhado de aumento no peso corporal) ou hipertensão quando Etoricoxibe (substância ativa) for utilizado em pacientes com edema, hipertensão ou insuficiência cardíaca preexistentes. Todos os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), incluindo o Etoricoxibe (substância ativa), podem ser associados ao aparecimento ou recorrência da insuficiência cardíaca congestiva.

O Etoricoxibe (substância ativa) pode estar associado a casos mais frequentes e graves de hipertensão do que outros AINEs e outros inibidores seletivos da COX-2, particularmente em altas doses, portanto se deve dispensar atenção especial ao monitoramento clínico de retenção hídrica, edema, aumento de peso e pressão arterial durante o tratamento com Etoricoxibe (substância ativa). Se a pressão arterial se elevar significativamente, deve ser considerada a implementação de um tratamento alternativo.

Efeito hepático

Em estudos clínicos, foram relatados aumentos de alanina-aminotransferase (ALT) e/ou de aspartato-aminotransferase (AST) (aproximadamente três ou mais vezes o limite superior da normalidade) em cerca de 1% dos pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg ou 90 mg diariamente, durante até um ano.

A incidência de aumento da ALT e/ou AST em pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa) 60 mg e 90 mg diariamente foi semelhante à observada em pacientes que receberam naproxeno 1.000 mg ao dia, porém notadamente inferior à observada no grupo que recebeu diclofenaco 150 mg ao dia. Essas elevações desapareceram nos pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa) e, em cerca de metade dos casos, sem necessidade de interromper o tratamento. Um paciente com sintomas e/ou sinais sugestivos de disfunção hepática ou que tenha apresentado alterações em exame das provas funcionais hepáticas deve ser avaliado; se as anormalidades funcionais persistirem (resultados três vezes acima do limite superior da normalidade), Etoricoxibe (substância ativa) deve ser descontinuado.

Geral

Etoricoxibe (substância ativa) deve ser utilizado com cautela por pacientes que já tenham apresentado crises agudas de asma, urticária ou rinite desencadeadas pelo uso de salicilatos ou inibidores não específicos da cicloxigenase. Uma vez que a fisiopatologia dessas reações é desconhecida, os médicos devem pesar os benefícios potenciais da prescrição de Etoricoxibe (substância ativa) contra os possíveis riscos.

Ao utilizar Etoricoxibe (substância ativa) em idosos e em pacientes com disfunção renal, hepática ou cardíaca, deve ser mantida supervisão médica apropriada. Se esses pacientes piorarem durante o tratamento, devem ser adotadas medidas adequadas, inclusive a descontinuação do tratamento. Reações cutâneas graves, algumas delas fatais, incluindo dermatite esfoliativa, síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica, foram relatadas muito raramente em associação com o uso de AINEs e de alguns inibidores seletivos da COX-2 durante a vigilância pós-comercialização.

Esses eventos graves podem ocorrer de forma inesperada. Aparentemente, o risco de tais reações é mais alto no início do tratamento: na maioria dos casos, a manifestação da reação ocorreu no primeiro mês de tratamento. Reações graves de hipersensibilidade (do tipo anafilaxia e angioedema) foram relatadas em pacientes que receberam Etoricoxibe (substância ativa).

Alguns inibidores seletivos da COX-2 têm sido associados a risco aumentado de reações cutâneas em pacientes com histórico de qualquer alergia a medicamentos. O Etoricoxibe (substância ativa) deve ser descontinuado ao primeiro sinal de erupção cutânea, lesões na mucosa ou qualquer outro sinal de hipersensibilidade.

Etoricoxibe (substância ativa) pode mascarar a febre, que é um sinal de infecção. O médico deve estar ciente dessa possibilidade ao utilizar Etoricoxibe (substância ativa) em pacientes sob tratamento para infecção.

Gravidez e Lactação

Categoria de risco C.

A exemplo de outros medicamentos que sabidamente inibem a síntese das prostaglandinas, o uso de Etoricoxibe (substância ativa) deve ser evitado no fim da gravidez, porque pode causar fechamento prematuro do ducto arterioso.

Estudos de reprodução conduzidos em ratos, nos quais foram administradas doses de até 15 mg/kg/dia (aproximadamente 1,5 vez a dose para seres humanos [90 mg] com base na exposição sistêmica), não evidenciaram anormalidades no desenvolvimento. Com doses de aproximadamente 2 vezes a indicada para adultos (90 mg), com base na exposição sistêmica, foi observada baixa incidência de malformações cardiovasculares e aumento na perda pós-implantação em coelhos aos quais foi administrado Etoricoxibe (substância ativa).

Com exposições sistêmicas aproximadamente iguais ou menores que a dose diária para humanos (90 mg), não foi observado nenhum efeito no desenvolvimento, entretanto estudos de reprodução em animais nem sempre predizem a resposta em seres humanos. Não há estudos adequados e bem controlados com mulheres grávidas. Etoricoxibe (substância ativa) só deve ser usado durante os dois primeiros trimestres da gravidez se o benefício potencial justificar o possível risco para o feto.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

O Etoricoxibe (substância ativa) é excretado no leite de ratas, porém não se sabe se ele é excretado no leite humano. Uma vez que muitos fármacos são excretados no leite humano e tendo em vista as reações adversas que podem ser causadas pelos medicamentos que inibem a síntese das prostaglandinas em lactentes, deve-se decidir entre descontinuar a amamentação ou o medicamento, levando-se em consideração a importância do medicamento para a mãe.

Crianças

A segurança e a eficácia do Etoricoxibe (substância ativa) em pacientes pediátricos não foram estabelecidas.

Idosos

A farmacocinética em pacientes idosos (65 anos de idade ou mais) e pacientes jovens é semelhante. Em estudos clínicos, foi observada maior incidência de reações adversas nos pacientes mais idosos em comparação com os mais jovens; as diferenças relativas entre os grupos do Etoricoxibe (substância ativa) e controle foram semelhantes nos idosos e jovens. A maior sensibilidade em alguns indivíduos mais idosos não pode ser descartada.

Dirigir ou Operar Máquinas

Não existem informações sugestivas de que o uso de Etoricoxibe (substância ativa) possa afetar a capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas.

Resultados da eficácia 

Resultados dos estudos Artrite

Osteoartrite (OA)

Os pacientes com osteoartrite que receberam este medicamento apresentaram melhora significativa nas avaliações de dor, inflamação e mobilidade. Foram realizados dois estudos clínicos duplo-cegos, randômicos e com duração de até 52 semanas que envolveram aproximadamente 1.000 pacientes com agudização da OA no joelho ou no quadril; também foi avaliada OA da mão em 21% dos pacientes.

Nos dois estudos, a eficácia deste medicamento com 60 mg uma vez ao dia foi superior à do placebo durante um período de 12 semanas e comparável à de naproxeno 500 mg duas vezes ao dia durante todo o período de tratamento de 52 semanas. Os pacientes apresentaram redução significativa da dor e da rigidez articular, redução da sensibilidade articular causada pela dor e melhora significativa da mobilidade. A eficácia clínica foi demonstrada já no segundo dia de tratamento e manteve-se até o final dos estudos.

Nos pacientes com OA da mão, a redução da dor e da rigidez e a melhora da função física foram superiores às observadas com o placebo e semelhantes às observadas nos pacientes que receberam naproxeno.

Em um terceiro estudo, que envolveu aproximadamente 600 pacientes, a dose deste medicamento com 60 mg uma vez ao dia foi superior ao placebo durante um período de tratamento de seis semanas (no qual foram utilizadas avaliações semelhantes às dos dois primeiros estudos) e semelhante à de diclofenaco 50 mg três vezes ao dia na avaliação pelo paciente da resposta ao medicamento em estudo e na avaliação pelo pesquisador do status da doença durante um período de tratamento de até 92 semanas.

Artrite Reumatoide (AR)

Os pacientes com artrite reumatoide que receberam este medicamento apresentaram melhoras significativas nas múltiplas avaliações de dor, inflamação e mobilidade. Aproximadamente 1.700 pacientes com AR foram estudados em dois estudos clínicos duplo-cegos com 12 semanas de duração.

A dose deste medicamento 90 mg uma vez ao dia demonstrou eficácia superior à do placebo nos dois estudos. Em um estudo, este medicamento demonstrou eficácia semelhante à de naproxeno 500 mg duas vezes ao dia e, no outro estudo, eficácia superior à do naproxeno. Nesses dois estudos, os pacientes que receberam este medicamento apresentaram reduções clinicamente significativas no número de articulações dolorosas e de articulações edemaciadas e melhora nas avaliações da atividade da doença realizadas. A melhora com este medicamento também foi demonstrada pelo American College of Rheumatology 20% (ACR20) Responder Index, um composto de medidas clínicas, laboratoriais e funcionais de AR. Os efeitos benéficos deste medicamento foram observados logo após duas semanas (quando foi feita a primeira avaliação) e mantiveram-se até o final dos estudos.

Em um terceiro estudo que envolveu aproximadamente 600 pacientes e no qual foram utilizadas avaliações semelhantes às dos dois primeiros estudos, este medicamento com 90 mg uma vez ao dia demonstrou eficácia semelhante à do diclofenaco 50 mg três vezes ao dia durante um período de tratamento de 44 semanas.

Espondilite Anquilosante

Etoriceste medicamento xibe demonstrou melhorar de modo significativo a dor, a inflamação, a rigidez, a função e a mobilidade da coluna. este medicamento  foi avaliado para o tratamento de espondilite anquilosante em um estudo clínico composto de duas partes, duplo-cego, de grupos paralelos, com duração de 52 semanas, que envolveu aproximadamente 400 pacientes. Na parte controlada com placebo, com duração de seis semanas, este medicamento na dose de 90 mg uma vez ao dia foi superior ao placebo em todos os desfechos primários (avaliação da dor na coluna pelo paciente, avaliação da atividade da doença pelo paciente e avaliação do índice funcional de espondilite anquilosante de Bath).

Além disso, na dose com 90 mg demonstrou efeitos estatisticamente superiores aos do naproxeno 500 mg duas vezes ao dia nas avaliações feitas pelos pacientes em relação à dor na coluna e à atividade da doença no período de seis semanas em que o estudo foi controlado com placebo. Os efeitos benéficos deste medicamento com 90 mg mantiveram-se durante o período de tratamento de 52 semanas, duplo-cego, com agente de comparação ativo. Os efeitos do tratamento com este medicamento 90 mg foram estatisticamente superiores em relação ao naproxeno nas avaliações de dor, inflamação, rigidez e função da coluna durante 1 ano. O benefício clínico deste medicamento foi observado logo após 4 horas do início do tratamento. Também foi estudada a dose de 120 mg deste medicamento uma vez ao dia, entretanto não foi observada eficácia adicional em comparação com a dose de 90 mg.

Dor Aguda, incluindo Dor Pós-Cirúrgica

Em um estudo de doses múltiplas pós-cirurgia odontológica, este medicamento com 90 mg administrado uma vez ao dia por até três dias proporcionou efeito analgésico significativamente maior em comparação com o placebo. Este medicamento 90 mg proporcionou tempo mais curto para início da ação e duração mais longa de alívio da dor, maior pico de alívio da dor, além de menor uso de analgésico de resgate após a dose inicial no primeiro dia em comparação com placebo. Este medicamento com 90 mg foi não inferior ao ibuprofeno 600 mg a cada 6 horas e foi superior ao paracetamol/codeína 600 mg/60 mg a cada 6 horas no alívio total da dor.

No estudo de histerectomia abdominal total, este medicamento com 90 mg foi administrado antes da cirurgia e por mais 4 dias9. As pacientes apresentaram intensidade de dor significativamente menor em repouso (média durante os 3 primeiros dias) em comparação com placebo.

Observou-se efeito benéfico nas primeiras 24 horas após a cirurgia, que se manteve durante o período de tratamento de 5 dias. As pacientes tratadas com este medicamento de 90 mg necessitaram de 30% menos morfina em média durante os 3 primeiros dias em comparação às pacientes do grupo placebo, resultando em recuperação mais rápida da motilidade intestinal.

Dor Crônica

Este medicamento aliviou a dor nos estudos de lombalgia crônica (aproximadamente 650 pacientes). O efeito analgésico deste medicamento foi demonstrado pela avaliação das respostas relacionadas à dor (por exemplo, sintomas, mobilidade e avaliações do tratamento pelos pacientes e pesquisadores). Este medicamento com 60 mg uma vez ao dia demonstrou eficácia significativa em uma semana de tratamento (quando foi feita a primeira avaliação) e a melhora da lombalgia crônica foi mantida nos pacientes que receberam este medicamento durante o período de 12 semanas de tratamento controlado com placebo.

Estudos Especiais

Programa de Estudo Multinacional deste medicamento (substância ativa deste medicamento) e Diclofenaco a Longo Prazo na Artrite (MEDAL)

O Programa MEDAL foi desenhado de forma prospectiva para avaliar resultados de segurança cardiovascular por meio dos dados combinados de três estudos individuais, randômicos, duplo-cegos e controlados com comparador ativo (diclofenaco) (estudo MEDAL, EDGE II e EDGE).

O programa MEDAL também avaliou a segurança no trato gastrintestinal superior e inferior. Esse programa incluiu 34.701 pacientes com osteoartrite e artrite reumatoide que receberam este medicamento 60 mg por dia (OA) ou este medicamento 90 mg por dia (OA e AR, 1,5 vez a dose recomendada para osteoartrite) versus diclofenaco 150 mg por dia por período médio de cerca de 18 meses; aproximadamente 12.800 pacientes tiveram mais que 24 meses de exposição ao tratamento e alguns, até 42 meses.

Os pacientes incluídos no programa apresentavam ampla gama de fatores de risco cardiovascular e gastrintestinal no período basal. Cerca de 47% dos pacientes tinham histórico de hipertensão, aproximadamente 12% dos pacientes tinham histórico de doença cardiovascular aterosclerótica (DCA) sintomática e cerca de 38% dos pacientes tinham, no período basal, risco cardiovascular elevado (definido como histórico anterior de doença cardiovascular aterosclerótica sintomática ou ≥ 2 fatores de risco cardiovascular dos 5 seguintes: tabagismo ou histórico de hipertensão, de diabetes mellitus, de dislipidemia ou de doença cardiovascular. Foram excluídos os pacientes com histórico recente de infarto do miocárdio, cirurgia de revascularização do miocárdio ou intervenção coronariana percutânea nos 6 meses anteriores à alocação no estudo. O uso de agentes gastroprotetores e de ácido acetilsalicílico em baixas doses foi permitido nos estudos; aproximadamente 50% dos pacientes utilizaram gastroprotetores e cerca de 35%, ácido acetilsalicílico em baixa dose. Nos estudos, a eficácia deste medicamento 60 mg e 90 mg demonstrou ser comparável à do diclofenaco.

Os dados de segurança cardiovascular e gastrintestinal estão resumidos abaixo.

Dados cardiovasculares:

O programa MEDAL demonstrou que a incidência de eventos adversos cardiovasculares trombóticos graves confirmados (que consistiram de eventos cardíacos, vasculares cerebrais e vasculares periféricos) foram comparáveis entre este medicamento e diclofenaco (veja tabela 1). Para o desfecho primário de eventos CV trombóticos confirmados, o risco relativo entre este medicamento e diclofenaco foi 0,95 (intervalo de confiança de 95%: 0,81; 1,11) na análise primária pré-especificada. A incidência para os tipos específicos de eventos trombóticos (por exemplo, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral) também foram semelhantes entre este medicamento e diclofenaco. A incidência foi semelhante entre este medicamento e diclofenaco ao longo de toda a duração do estudo, inclusive no subgrupo de pacientes que recebeu medicamento por mais de 24 meses. Não houve diferença significativa na incidência de eventos trombóticos entre este medicamento e diclofenaco em todos os subgrupos analisados, independente da categoria de risco cardiovascular dos pacientes no período basal. A mortalidade cardiovascular, assim como a mortalidade total, foram semelhantes entre os grupos deste medicamento e diclofenaco.

Tabela 1. Incidência de Eventos CV Trombóticos Confirmados (Dados Combinados do Programa MEDAL)

*Eventos por 100 pacientes-anos.
N= número total de pacientes; IC = intervalo de confiança.

Dados gastrintestinais:

A frequencia por 100 pacientes-anos de eventos clínicos confirmados do trato gastrintestinal superior (perfurações, úlceras e sangramentos - PUSs) foram 0,67 (IC 95%, 0,57; 0,77) com este medicamento e 0,97 (IC 95%, 0,85; 1,10) com diclofenaco, indicando risco relativo de 0,69 (IC 95%, 0,57; 0,83). A frequencia por 100 pacientes-anos de eventos clínicos complicados do trato GI superior foram semelhantes entre este medicamento e diclofenaco (0,30 vs. 0,32). Como o risco de eventos do trato GI superior aumenta com a idade, avaliou-se a frequencia desses eventos em pacientes idosos. A maior redução de risco foi observada em pacientes com idade ≥ 75 anos; a frequencia por 100 pacientes-anos para um evento confirmado no trato GI superior foi mais baixa para este medicamento do que para o diclofenaco (1,35 [IC 95%, 0,94; 1,87] vs. 2,78 [IC 95%, 2,14; 3,56]). Também foram avaliadas as taxas de eventos confirmados no trato GI superior para pacientes que receberam concomitantemente ácido acetilsalicílico em baixas doses e/ou agentes gastroprotetores; os dados estão na tabela 2.

A freqüência de eventos clínicos confirmados no trato GI inferior foram 0,32 (IC 95%, 0,25; 0,39) vs. 0,38 (IC 95%, 0,31; 0,46) por 100 pacientes-anos para este medicamento vs. diclofenaco, indicando risco relativo de 0,84 (IC 95%, 0,63; 1,13).

Tabela 2. Eventos Confirmados no Trato GI Superior (Dados Combinados do Programa MEDAL)

 Etoricoxibe (substância ativa)Diclofenaco
Frequencia* (IC 95%)Frequencia* (IC 95%)
Frequencia total
(Risco relativo 0,69 [0,57, 0,83])
0,67 (0,57; 0,77)0,97 (0,85; 1,10)
Uso concomitante de ácido acetilsalicílico em baixas doses
Não0,38 (0,29; 0,48)0,73 (0,60; 0,87)
Sim1,14 (0,94; 1,37)1,37 (1,15; 1,63)
Uso concomitante de agentes gastroprotetores**
Não0,63 (0,49; 0,79)0,83 (0,67; 1,02)
Sim0,70 (0,57; 0,84)1,07 (0,91; 1,25)

*Frequencia = eventos por 100 pacientes-anos (PA) = (n/PA) x 100. IC = intervalo de confiança.
**Cerca de 96% dos agentes gastroprotetores utilizados corresponderam a inibidores.

Em cada estudo do programa MEDAL, também se avaliou a tolerabilidade gastrintestinal, definida como a ocorrência de descontinuações de pacientes do estudo por qualquer experiência adversa GI, seja clínica (por exemplo, dispepsia, dor abdominal e úlcera) ou laboratorial (por exemplo, aumento da ALT ou da AST), incluindo eventos hepáticos. O desfecho primário dos estudos EDGE e EDGE II foi a tolerabilidade gastrintestinal. Eles compararam este medicamento 90 mg por dia e diclofenaco 150 mg por dia em pacientes com osteoartrite (EDGE) e artrite reumatoide (EDGE II). Um dos objetivos secundários do estudo MEDAL foi comparar a tolerabilidade gastrintestinal entre este medicamento 60 mg (OA) ou 90 mg (OA e AR) e diclofenaco 150 mg por dia. Nos três estudos, este medicamento demonstrou tolerabilidade GI superior comparado ao diclofenaco (valores de p <0,001; veja figura 1). O benefício da tolerabilidade GI deste medicamento foi significativo para os componentes tanto clínicos quanto laboratoriais que compuseram esse desfecho.

Figura 1. Tolerabilidade Gastrintestinal

As reações adversas de origem hepática que levaram à descontinuação também foram avaliadas em cada estudo individual do programa MEDAL.

Nos três estudos, a incidência de descontinuação foi significativamente mais baixa nos grupos de tratamento com este medicamento 60 mg e 90 mg, em relação aos grupos com diclofenaco 150 mg, para pacientes com osteoartrite e artrite reumatoide.

Dados Adicionais de Segurança Cardiovascular Trombótica

Em uma análise combinada dos estudos clínicos de fase IIb a V com 4 semanas de duração ou mais (excluindo-se os estudos do Programa MEDAL), não houve diferença perceptível na taxa de eventos cardiovasculares trombóticos graves confirmados entre os pacientes que receberam este medicamento em doses ≥30 mg (n= 2.147 pacientes; média de duração de exposição de aproximadamente 309 dias) ou AINEs, com exceção do naproxeno (ibuprofeno 2400 mg por dia ou diclofenaco 150 mg por dia, n= 1.470 pacientes; média de duração de exposição de aproximadamente 161 dias). A frequencia desses eventos foi mais alta em pacientes que receberam este medicamento (n= 1.960 pacientes; média de duração de exposição de aproximadamente 462 dias) em comparação com os que receberam naproxeno 500 mg duas vezes ao dia (n= 1.497 pacientes; média de duração de exposição de aproximadamente 421 dias). A diferença de atividade antiplaquetária entre alguns AINEs inibidores da COX-1 e inibidores seletivos da COX-2 pode ser de significância clínica em pacientes com risco de eventos tromboembólicos. Os inibidores seletivos da COX-2 reduzem a formação de prostaciclina sistêmica (e, portanto, possivelmente endotelial) sem afetar o tromboxano plaquetário.

Dados Adicionais de Segurança Gastrintestinal

Os estudos especiais a seguir foram conduzidos para avaliar se este medicamento, um inibidor seletivo da COX–2, está associado a menos toxicidade GI do que os AINEs não seletivos.

Endoscopia Digestiva Alta em Pacientes com Artrite Reumatoide ou Osteoartrite

A incidência cumulativa de úlceras gastroduodenais foi significativamente mais baixa em pacientes que receberam este medicamento  120 mg uma vez ao dia em comparação com os pacientes que receberam um de dois AINES não seletivos (naproxeno 500 mg duas vezes ao dia ou ibuprofeno 800 mg três vezes ao dia) em dois estudos endoscópicos, duplo-cegos, com duração de 12 semanas. No 1° estudo, foram envolvidos 700 pacientes com OA ou AR e no 2° estudo, 655 pacientes com OA. A incidência cumulativa de úlceras entre os pacientes que receberam este medicamento foi mais alta do que entre os que receberam placebo (ver os resultados desses estudos na figura 2).

Figura 2: Incidência Cumulativa de Úlcera Gastroduodenal ≥3 mm* por Anos de Sobrevida após 12 Semanas para os Dois Estudos Endoscópicos (Intenção de Tratar)

* Os resultados das análises cujo desfecho foi úlcera gastroduodenal ≥5 mm foram compatíveis.
** p< 0,001 versus naproxeno 500 mg 2x/dia.
*** p= 0,007 versus ibuprofeno 800 mg 3x/dia.

Os dois estudos endoscópicos incluíram pacientes cujo risco de úlceras gastrintestinais (GI) era mais alto; isto é, pacientes com infecção ativa por Helicobacter pylori, com erosões gastroduodenais no período basal, histórico de perfuração, úlcera ou sangramento (PUSs) e/ou pacientes que faziam uso concomitante de corticosteroides. Dos pacientes incluídos, 400 (28%) tinham idade igual ou superior a 65 anos. A vantagem deste medicamento  sobre o naproxeno ou o ibuprofeno foi mantida nesses subgrupos de risco mais alto.

Análise Combinada de Segurança Gastrintestinal

Em uma análise combinada de todos os estudos clínicos de fase IIb a V com 4 semanas de duração ou mais (excluindo-se os estudos do Programa MEDAL), a frequencia de eventos do tipo PUS (perfurações gastroduodenais, úlceras gastrintestinais sintomáticas ou sangramentos do trato GI superior) para doses combinadas deste medicamento variando entre 30 mg e 120 mg por dia (N= 4.107 pacientes; média de duração do tratamento de aproximadamente 220 dias) foi comparada à dos AINEs não seletivos (naproxeno 1.000 mg por dia, diclofenaco 150 mg por dia e ibuprofeno 2400 mg por dia; N total = 2.967 pacientes; média de duração do tratamento de aproximadamente 182 dias). A frequencia de eventos confirmados do tipo perfuração, úlcera ou sangramento no grupo deste medicamento foram cerca da metade das do grupo dos AINEs não seletivos, durante o primeiro ano de tratamento (1,13 eventos por 100 pacientes-anos para este medicamento e 2,64 eventos por 100 pacientes-anos para os AINEs; risco relativo 0,47 [IC 95%: 0,28, 0,76]). Os resultados foram consistentes ao longo de todo o período de acompanhamento.

Análise Combinada da Tolerabilidade Clínica Gastrintestinal

Uma análise combinada pré-especificada de oito estudos clínicos que envolveram aproximadamente 4.000 pacientes com OA, AR ou lombalgia crônica avaliou a incidência quanto aos seguintes desfechos: 1) descontinuação por sintomas no trato GI superior; 2) descontinuação por qualquer experiência adversa no trato GI; 3) pacientes que passaram a utilizar medicamentos gastroprotetores (incluindo antagonistas dos receptores H2, misoprostol e inibidores da bomba de prótons) e 4) pacientes que passaram a utilizar quaisquer medicamentos para o trato GI.

Houve redução de risco aproximada de 50% para esses desfechos entre os pacientes que receberam este medicamento (60 mg, 90 mg ou 120 mg uma vez ao dia) em comparação com os pacientes que receberam AINEs não seletivos (naproxeno 500 mg duas vezes ao dia ou diclofenaco 50 mg três vezes ao dia). Não houve diferenças estatisticamente significativas entre este medicamento e placebo.

Avaliação de Perda de Sangue Oculto nas Fezes em Indivíduos Sadios

Para avaliar a integridade da mucosa de todo o trato gastrintestinal, foram comparadas as perdas de sangue pelas fezes com a administração deste medicamento 120 mg uma vez ao dia, ibuprofeno 2.400 mg uma vez ao dia e placebo em um estudo que utilizou hemácias radiomarcadas com 51Cr e envolveu 62 homens sadios. Após quatro semanas de administração deste medicamento 120 mg, não houve aumento significativo na quantidade de perda de sangue nas fezes comparativamente ao placebo. Em contrapartida, a administração de ibuprofeno 2.400 mg/dia causou aumento significativo da perda de sangue fecal em comparação com os indivíduos que receberam placebo e os que receberam este medicamento.

Estudo da Função Renal em Pacientes Idosos

Um estudo com distribuição randômica, duplo-cego, controlado por placebo e de grupos paralelos avaliou os efeitos de 15 dias de tratamento deste medicamento (90 mg), celecoxibe (200 mg 2x/dia), naproxeno (500 mg 2x/dia) e placebo sobre excreção urinária de sódio, pressão arterial e outros parâmetros da função renal em pacientes com 60 a 85 anos de idade que recebiam uma dieta de 200 mEq/dia de sódio. Este medicamento, o celecoxibe e o naproxeno apresentaram efeitos similares sobre a excreção urinária de sódio durante as 2 semanas de tratamento. Todos os comparadores ativos apresentaram aumento na pressão arterial sistólica em relação ao placebo, no entanto este medicamento foi associado a aumento estatisticamente significativo no 14o dia em comparação com o celecoxibe e com o naproxeno (alteração média em relação ao período basal para pressão arterial sistólica: este medicamento 7,7 mmHg, celecoxibe 2,4 mmHg, naproxeno 3,6 mmHg).


Características farmacológicas

Mecanismo de Ação

Este medicamento é um anti-inflamatório não esteroide (AINE) que apresenta atividade anti-inflamatória, analgésica e antipirética em modelos animais.

Este medicamento é um potente inibidor da cicloxigenase-2 (COX-2), ativo por via oral, altamente seletivo, dentro e acima da faixa posológica clínica. Foram identificadas duas isoformas da cicloxigenase: a cicloxigenase-1 (COX-1) e a cicloxigenase-2 (COX-2). A COX-1 é responsável pelas funções fisiológicas normais mediadas pelas prostaglandinas, tais como a citoproteção gástrica e a agregação plaquetária. A inibição da COX-1 por anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) não seletivos foi associada a lesões gástricas e redução da agregação plaquetária. A COX-2 demonstrou ser responsável principalmente pela síntese de mediadores prostanoides da dor, da inflamação e da febre. A inibição seletiva da COX-2 peleste medicamento diminui esses sinais e sintomas clínicos com menos toxicidade gastrintestinal e sem exercer efeito na função plaquetária.

Em estudos de farmacologia clínica, este medicamento produziu inibição de COX-2 dose-dependente sem inibição da COX-1, em doses de até 150 mg/dia.

A influência sobre a atividade gastroprotetora da COX-1 também foi avaliada em um estudo clínico no qual a síntese de prostaglandinas foi medida em amostras de biópsias gástricas de indivíduos que receberam 120 mg deste medicamento diariamente, 500 mg de naproxeno duas vezes ao dia ou placebo. Este medicamento não inibiu a síntese gástrica de prostaglandina comparativamente ao placebo; em contrapartida, o naproxeno inibiu a síntese gástrica de prostaglandina em aproximadamente 80% quando comparado ao placebo. Esses dados reforçam a seletividade deste medicamento para a COX-2.

Função Plaquetária

Múltiplas doses deste medicamento de até 150 mg/dia administradas por até nove dias não exerceram efeito no tempo de sangramento em relação ao placebo. De forma similar, o tempo de sangramento não foi alterado em um estudo com administração de dose única de 250 mg ou 500 mg deste medicamento. Não houve inibição, no estado de equilíbrio, da agregação plaquetária ex vivo induzida pelo ácido araquidônico ou por colágeno com doses de até 150 mg de etorioxibe. Esses achados são compatíveis com a seletividade deste medicamento para a COX-2.

Absorção

Este medicamento é bem absorvido por via oral. A biodisponibilidade oral média é de aproximadamente 100%. Em adultos, em jejum, o pico de concentração plasmática (média geométrica da Cmáx= 3,6 μg/mL) foi observado aproximadamente 1 hora (Tmáx) após a administração de 120 mg uma vez ao dia até o estado de equilíbrio. A média geométrica da área sob a curva (AUC0-24h) foi de 37,8 μg•h/mL. A farmacocinética deste medicamento é linear na faixa posológica clínica.

Uma refeição-padrão não exerceu efeito clinicamente significativo na magnitude ou velocidade de absorção de uma dose de 120 mg deste medicamento; em estudos clínicos, este medicamento foi administrado independentemente da alimentação. A farmacocinética deste medicamento foi semelhante (AUC comparável, Cmáx em aproximadamente 20%) quando administrado isoladamente ou com antiácidos contendo hidróxido de alumínio/magnésio ou carbonato de cálcio (aproximadamente 50 mEq de capacidade neutralizadora do ácido) a 12 indivíduos sadios.

Distribuição

A ligação às proteínas plasmáticas humanas deste medicamento é de aproximadamente 92% na faixa de concentração de 0,05 a 5 μg/mL. O volume de distribuição no estado de equilíbrio (Vdss) é de aproximadamente 120 litros em seres humanos. Este medicamento atravessa a placenta de ratas e coelhas e a barreira hematoencefálica de ratos.

Metabolismo

Este medicamento é amplamente metabolizado e menos de 1% da dose é recuperada na urina de forma inalterada. A principal via metabólica para a formação do metabólito 6'-hidroximetil é catalisada pelas enzimas do citocromo P450 (CIP).

Cinco metabólitos foram identificados em humanos; o principal é o 6'-ácido carboxílico derivado deste medicamento formado pela oxidação adicional do metabólito 6'-hidroximetil. Esses metabólitos principais ou não demonstram nenhuma atividade mensurável ou apresentam apenas fraca atividade como inibidores da COX-2; nenhum deles inibe a COX-1.

Eliminação

Após administração intravenosa de uma dose de 25 mg deste medicamento, marcada radioativamente, a indivíduos sadios, 70% da radioatividade foi recuperada na urina e 20%, nas fezes, a maioria como metabólito; menos de 2% foram recuperados como fármaco inalterado.

A eliminação deste medicamento é feita quase exclusivamente pelo metabolismo, seguida de excreção renal. Concentrações de estado de equilíbrio deste medicamento são atingidas 7 dias após a administração de 120 mg uma vez ao dia, com relação de acúmulo de aproximadamente 2, correspondente à meia-vida de acúmulo de aproximadamente 22 horas. O clearance plasmático é estimado em aproximadamente 50 mL/min.

03745
Hetori, Arcoxia

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.