Equilid 50 mg Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Indicação

Para que serve?

Esquizofrenia, estados neuróticos depressivos, síndromes vertiginosas.

Contraindicações

Quando não devo usar?

Pacientes com diagnóstico ou suspeita de feocromocitoma.

Posologia

Como usar?

Estados neurolépticos depressivos: 100 a 200 mg (2 a 4 cápsulas de 50 mg) ao dia, administrados em 2 tomadas diárias manhã e noite). Síndromes vertiginosas: 150 a 300 mg ao dia, em 2 tomadas. Esquizofrenia: 400 a 800 mg ao dia, em 2 tomadas. A posologia pode ser aumentada, se necessário, até o máximo de 1200 mg ao dia. Sintomas predominantemente excitatórios (delírios, alucinações) respondem melhor a doses maiores, iniciando-se o tratamento com 400 mg 2 vezes ao dia e aumentando-se até 1200 mg ao dia, se necessário. Sintomas predominantemente depressivos respondem melhor a doses iguais ou inferiores a 800 mg ao dia. Pacientes com sintomatologia mista respondem geralmente a uma posologia de 400-600 mg 2 vezes ao dia.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

Neurológicas: sedação ou sonolência, discinesia precoce (torcicolo espasmódico, crises oculogíricas, trismo e síndrome extrapiramidal), que diminuem com a administração de um antiparkinsoniano anticolinérgico; discinesia tardia, que pode ocorrer em todo tratamento prolongado com neurolépticos; não é controlável com anticolinérgicos, que podem exacerbar os sintomas. Endócrinas e metabólicas: hiperprolactinemia, que pode causar amenorréia, galactorréia, ginecomastia, impotência ou frigidez. Autonômicas: crises hipertensivas (em hipertensos ou portadores de feocromocitomas), hipotensão ortostática. - Superdosagem: as manifestações clínicas de superdosagem variam de acordo com a quantidade de droga ingerida. Abrangem desde agitação e obnubilação mental, sintomas extrapiramidais de variados graus, até hipotensão e coma. O tratamento inclui monitoração apropriada, diurese osmótica alcalina e, se necessário, drogas antiparkinsonianas. Tentativas de indução de êmese são ineficazes devido à ação antiemética central da sulpirida. Há registros de superdosagem com até 16 g, e sem morte do paciente.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar?

Gravidez: deve-se evitar a administração de Equilid nas primeiras 16 semanas de gravidez. Síndrome neuroléptica maligna: como todo neuroléptico, a presença de hipertermia inexplicada pode indicar a ocorrência da síndrome neuroléptica maligna. Neste caso, deve-se suspender a medicação até que a origem da febre seja identificada. Deve-se administrar com precaução a pacientes com: epilepsia (a sulpirida reduz o limiar convulsivante e produz leve alteração do EEG); doença de Parkinson: (a sulpirida agrava os sintomas da doença e interfere na ação do levodopa); hipertensão arterial (a sulpirida pode produzir crises hipertensivas devido a potencial efeito dopaminérgico); distúrbios endócrinos (especialmente distúrbios hipofisários); insuficiência renal (devido à sua eliminação renal); em idosos (a sensibilidade ao produto está aumentada); em neoplasias mamárias (devido a potencial estimulação do tecido mamário por um aumento da prolactina). - Interações medicamentosas: Equilid pode potencializar os efeitos sedativos de álcool, hipnóticos, tranqüilizantes, anestésicos, anti-histamínicos e apresentar efeito aditivo ao dos anti-hipertensivos (produzindo ocasionalmente hipotensão ortostática). É desaconselhável sua associação à levodopa, por ser antagonista da mesma.

Composição

50 mg de sulpirida.

Apresentação

Caixa com 20 cápsulas.

Laboratório

Hoechst Marion Roussel

Tel: 55 (011) 5683-7847

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.