Dayvit Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Para que serve

Este medicamento é indicado para o tratamento de deficiências de vitaminas, sais minerais e para estados de desnutrição.


Como Dayvit funciona?

Dayvit é constituído por vitaminas e sais minerais considerados essenciais ao organismo para o bom funcionamento do nosso corpo.

Suplementar a dieta com vitaminas e minerais adicionais pode ser uma ferramenta valiosa para o tratamento, proteção e a manutenção da saúde. Também é importante para aqueles com desbalanceamento na dieta, ou que tenham necessidades nutricionais diferenciadas.

Dayvit é contra-indicado em pacientes que apresentem hipersensibilidade (alergia) aos componentes de sua fórmula.

A dose recomendada é de um comprimido ao dia, ou de acordo com as orientações do seu médico. Você deve ingerir os comprimidos inteiros, sem mastigar, com água. A dose máxima diária não deverá ultrapassar 1 comprimido.

Siga corretamente o modo de usar.

Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.


O que devo fazer quando eu me esquecer de usar Dayvit?

Retomar o tratamento de acordo com a dose recomendada.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Durante o tratamento com Dayvit pode-se eventualmente observar uma coloração amarela mais intensa da urina, devido à presença de riboflavina.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Podem ocorrer distúrbios gastrintestinais, tais como: náuseas, vômitos e/ou diarréias, dores abdominais.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

Portadores de doenças

Dayvit não deve ser usado em pacientes portadores de úlcera péptica e doenças hepáticas.

Intolerantes

Cautela na administração em pacientes com intolerância hereditária à frutose é recomendada.

Gravidez

Este medicamento pode ser utilizado durante a gravidez, desde que sob prescrição médica ou do cirurgião-dentista.

Cada comprimido revestido de Dayvit contém:

Acetato de retinol5000UI
Acetato de racealfatocoferol30UI
Ácido ascórbico90mg
Nitrato de tiamina2,25mg
Riboflavina2,6mg
Nicotinamida20mg
Cloridrato de piridoxina3mg
Cianocobalamina9mcg
Iodo (sob a forma de iodeto de potássio)150mcg
Ferro (sob a forma de fumarato ferroso)27mg
Magnésio (sob a forma de óxido de magnésio)100mg
Selênio (sob a forma de selenato de sódio)100mcg
Zinco (sob a forma de sulfato de zinco monoidratado)15mg
Frutose-1,6-difosfato cálcica80mg

Outros componentes: cálcio (sob a forma de fosfato de cálcio dibásico di-hidratado) e fósforo (sob a forma de fosfato de cálcio dibásico di-hidratado).

Excipientes: celulose microcristalina, estearato de magnésio, laurilsulfato de sódio, povidona, crospovidona, corante amarelo lake blend LB 282, dióxido de silício, dióxido de titânio, hipromelose, óleo mineral, macrogol, lactose e talco.

Em caso de superdosagem, ou seja doses maiores do que as permitidas, a medicação deve ser suspensa imediatamente e deve-se procurar auxílio médico para tratamento dos sintomas e de suporte.

Os sintomas descritos na superdosagem das vitaminas e minerais presentes em Dayvit são:

  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Diarreia ou constipação;
  • Dores abdominais;
  • Dor de cabeça;
  • Visão “borrada”;
  • Movimentos oculares anormais (nistagmo);
  • Irritabilidade;
  • Confusão mental;
  • Convulsões;
  • Fadiga ou fraqueza;
  • Alterações da sensibilidade (neuropatias);
  • Sangramentos;
  • Diminuição ou aumento da quantidade de urina.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

Multivitamínicos + Sais Minerais (substância ativa) pode impedir a absorção da tetraciclina, potencializar os efeitos hipoprotrombinêmicos dos anticoagulantes orais, reduzir a ação de alguns anticoagulantes e reduzir o efeito de outros medicamentos como levodopa, fenobarbital e fenitoína.

O uso concomitante com antiácidos pode impedir a absorção dos componentes de Multivitamínicos + Sais Minerais (substância ativa).

Multivitamínicos + Sais Minerais (substância ativa) também pode interagir com óleos minerais, quenodiol, isoniazida, lovastatina, estrógenos, aminossalicilatos e fibras.

Interferência em exames laboratoriais

Altas doses podem interferir em exames laboratoriais envolvendo reações de oxi-redução como, por exemplo, na determinação de glicemia e glicosúria e na pesquisa de sangue oculto nas fezes.

Resultados de Eficácia


Por conter quantidades terapêuticas suficientes de vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E, pantotenato de cálcio e zinco, Multivitamínicos + Sais Minerais (substância ativa).

Alguns estudos clínicos com suplementação vitamínica foram realizados em diversas situações, permite a resolução dos estados carenciais destes componentes.

Tiamina

Em mulheres idosas a suplementação de tiamina foi utilizada durante 6 semanas e resultou em uma melhora do apetite, aumento da ingesta calórica e uma sensação de bem estar, e foi estatisticamente superior ao grupo controle tratado com placebo. Observou-se também tendência à redução da sonolência diurna, melhora do padrão de sono e aumento da atividade.

Outro estudo randomizado controlado com placebo avaliou a suplementação de tiamina em idosos com deficiência subclínica de tiamina (definida pela presença de concentrações de tiamina-pirofosfato eritrocitária inferiores a 140 nmol/L em duas ocasiões).

Observou-se superioridade estatisticamente significante da tiamina versus o placebo em relação à qualidade de vida (avaliada através de escala visual), redução de pressão arterial sistólica e redução de peso, sendo que este último achado poderia ser explicado por aumento de diurese secundária a melhora da função cardíaca. Também observou-se tendência a melhor qualidade do sono e energia.

Riboflavina

42 idosos com deficiência de riboflavina (definida pelo coeficiente de ativação da glutationa-redutase eritrocitária [EGRAC] superior a 1.2) foram randomizados para suplementação com riboflavina ou placebo, durante 28 dias.

Nos pacientes tratados com riboflavina, observou-se redução significativa da homocisteína plasmática e do EGRAC, o que não foi visto no grupo placebo.

Um estudo demonstrou que a suplementação de riboflavina (seis vezes por semana durante quatro semanas) a homens com anemia (hemoglobina < 11,5 g/dL) permitiu melhor utilização do ferro e elevação da hemoglobina, o que não se observou nos pacientes tratados com placebo. A absorção de ferro não se alterou com a administração de riboflavina. A elevação da hemoglobina foi acompanhada de redução no EGRAC, refletindo resolução da deficiência vitamínica.

Piridoxina

Os efeitos da administração diária de piridoxina sobre a capacidade cognitiva de idosos foi avaliada num estudo controlado com placebo, com 3 meses de duração. Os pacientes tratados com piridoxina apresentaram melhora da memória de longo-prazo.

Ácido Ascórbico

Um estudo randomizado controlado com placebo avaliou os efeitos da suplementação de ácido ascórbico a 60 voluntários durante 14 dias. Ao término do estudo, os voluntários foram submetidos a um teste de estresse psicológico padronizado.

Observou-se menor incremento da pressão sistólica e diastólica nos pacientes tratados com ácido ascórbico em comparação com o grupo placebo, e também recuperação mais rápida das concentrações fisiológicas de cortisol salivar. Os autores concluíram que o ácido ascórbico levou a menor resposta pressórica ao estresse psicológico.

A suplementação com ácido ascórbico a pacientes com úlceras de pressão foi associada à melhora da cicatrização em estudo clínico controlado com placebo. Após 1 mês de suplementação, os pacientes tratados com ácido ascórbico exibiam 84% de redução na área de úlcera, comparado com 42,7% de redução naqueles tratados com placebo (P < 0,005)7.

Vitamina E

Um estudo realizado com pacientes pós-infarto agudo do miocárdio tratados através de trombólise, avaliou os efeitos da suplementação de vitamina E. Trinta e cinco pacientes foram divididos em 3 grupos (G-I sem betabloqueador; G-II com beta-bloqueador e AAS; G-III com beta-bloqueador, AAS e vitamina E).

A conclusão do estudo foi que a suplementação de vitamina E resultou num melhor controle da pressão arterial.

Os efeitos da suplementação de vitamina E sobre a enxaqueca menstrual foi avaliado num estudo duplo-cego, placebo controlado, onde 72 mulheres receberam vitamina E ou placebo 2 dias antes e 3 dias após o ciclo menstrual. A conclusão foi que a vitamina E é efetiva na redução dos sintomas da enxaqueca menstrual.

A ação antioxidante da vitamina E foi comprovada num estudo clínico que avaliou os efeitos de sua suplementação antes da radioterapia de cabeça e pescoço por carcinoma de células escamosas. Setenta e nove pacientes com carcinoma oral de células escamosas foram randomizados para radioterapia ou radioterapia mais vitamina E. A vitamina E conferiu proteção aos eritrócitos contra os radicais livres oriundos da radioterapia.

Um estudo duplo-cego, placebo controlado, com 32 voluntários sadios (idosos) acompanhados por 30 dias, mostrou que a suplementação com vitamina E associou-se a melhora da resposta imunológica.

Cianocobalamina

Um estudo avaliou qual a dose oral mínima de cianocobalamina necessária para tratar casos moderados de deficiência de vitamina B12 em idosos e concluiu que a dose diária recomendada está no mínimo 200 vezes abaixo da necessária.

Zinco

Os efeitos do zinco no sistema imunológico foram avaliados num estudo envolvendo voluntários sadios. Após a suplementação de zinco, a ativação dos linfócitos T foi avaliada no sangue periférico. Na conclusão os autores reportam a forte relação entre o zinco, desenvolvimento das células T e outras células envolvidas no sistema de imunidade celular.

Em outro estudo, 50 idosos foram divididos em dois grupos: um recebendo suplementação de zinco (45 mg/dia) e o outro placebo. Foram acompanhados por ano para avaliação de incidência de infecções. Observou-se que a incidência de infecções foi menor no grupo que recebeu zinco do que no grupo placebo (28 episódios contra 88 episódios, P<0,001). A geração ex-vivo de TNF-α e de espécies reativas de oxigênio era maior no grupo placebo do que no grupo com suplementação de zinco. Os autores concluíram que o zinco induziu melhora da resposta imune, redução do estresse oxidativo e efeito anti-inflamatório14.

Ácido Pantotênico

Um estudo avaliou o impacto da suplementação com ácido pantotênico (AP) e ácido ascórbico (AA) na resistência mecânica da pele. Indivíduos saudáveis que seriam submetidos a cirurgia para remoção de tatuagens foram divididos em dois grupos: AP 0,2 g + AA 1 g ou AP 0,9 g + AA 3 g. Observou-se que a resistência mecânica da pele era maior no grupo que havia recebido doses mais altas de suplementação. Esta se correlacionou diretamente com os conteúdos de Mn e Mg da pele.

Características Farmacológicas


Multivitamínicos + Sais Minerais (substância ativa) possui em sua composição uma associação balanceada de vitaminas e zinco.

O nitrato de tiamina (vitamina B1) é convertido pelo trifosfato de adenosina a uma forma biologicamente ativa, a coenzima pirofosfato de tiamina. Seu papel no metabolismo dos carboidratos é de descarboxilação do ácido pirúvico e outros alfa-ceto ácidos. A necessidade de tiamina pode ser maior quando a dieta é rica em carboidratos. Sua deficiência relaciona-se a distúrbios neurológicos severos.

O ácido ascórbico (vitamina C) é essencial para a formação e manutenção da substância basal intercelular e do colágeno, para biossíntese de catecolaminas, para síntese de carnitina e de esteróides, para conversão de ácido fólico em ácido folínico e para o metabolismo da tirosina. A vitamina C possui também ação antioxidante.

Os antioxidantes possuem a capacidade de estabilizar moléculas altamente reativas e potencialmente prejudiciais chamadas radicais livres. A ocorrência de danos em membranas lipídicas, em enzimas e no material nucleico celular tem sido associada à formação de radicais livres. A capacidade antioxidante de diminuir a carga de radicais livres altamente reativa, pode proteger a integridade da estrutura celular e dos tecidos do sistema imunológico, bem como outros sistemas orgânicos.

O acetato de tocoferol (vitamina E) é essencial na nutrição humana. Muitas de suas ações estão relacionadas às suas propriedades antioxidantes. A vitamina E protege os constituintes celulares da oxidação e previne a formação de produtos tóxicos; preserva a parede celular dos eritrócitos protegendos-os contra a hemólise; pode atuar como cofator em sistemas enzimáticos. Tem sido também atribuída à vitamina E a capacidade de aumentar a utilização de vitamina A e a supressão da agregação plaquetária.

A riboflavina (vitamina B2) atua no organismo como coenzima nas formas de flavina-adenina dinucleotídeo e flavina mononucleotídeo, os quais desempenham um papel metabólico vital em numerosos sistemas de respiração tecidual.

A nicotinamida é um componente de duas coenzimas, (ADN, ADPN), as quais são necessárias à respiração celular, glicogenólise e ao metabolismo de lipídios, aminoácidos, proteínas e da purina.

O cloridrato de piridoxina (vitamina B6) age como coenzima no metabolismo de proteínas, carboidratos e gorduras. No metabolismo protéico ela participa da descarboxilação de aminoácidos, na conversão de triptofano em niacina ou serotonina, na deaminação, transaminação e transulfuração de aminoácidos.

No metabolismo dos carboidratos é responsável pela quebra do glicogênio em glicose - 1 - fosfato.

O pantotenato de cálcio (ácido pantotênico) é um precursor da coenzima A, cofator para uma variedade de reações catalisadas por enzimas envolvendo transferência de grupos acetila. Está associado ao metabolismo oxidativo de carboidratos, gluconeogênese, síntese de ácidos graxos, esteróis, hormônios esteróides e porfirinas.

A cianocobalamina (vitamina B12) age como coenzima em várias funções metabólicas, dentre as quais o metabolismo de gorduras e carboidratos e a síntese proteica. É essencial ao crescimento, reprodução celular, hematopoiese e na síntese de nucleoproteínas e mielina.

O zinco é essencial ao crescimento normal e na recomposição tecidual. Atua como integrante de uma variedade de enzimas importantes ao metabolismo de proteínas e carboidratos. É necessário na síntese e mobilização da ligação proteica do retinol no fígado.

Todas estas vitaminas mais o zinco presentes em Multivitamínicos + Sais Minerais (substância ativa) possuem um papel importante em situações de estresse biológico, as quais aumentam as necessidades de suplementação de vitaminas e zinco.

Conservar em temperatura ambiente (entre 15 e 30oC). Proteger da luz e umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento:

Comprimido revestido amarelo.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

MS - 1.0573.0118

Farmacêutica Responsável:
Gabriela Mallmann - CRF-SP nº 30.138

Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.
Via Dutra, km 222,2 Guarulhos – SP
CNPJ 60.659.463/0001-91
Indústria Brasileira.

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.