Amixal Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Para que serve

Amixal é indicado para fornecer aminoácidos como um substrato para síntese de proteína em nutrição parenteral, quando nutrição oral ou enteral é impossível, insuficiente ou contraindicada.

Em nutrição parenteral, infusões de aminoácidos devem sempre ser combinadas com a oferta adequada de caloria, por exemplo, sob a forma de infusões de carboidratos.

Como o Amixal funciona?


Amixal é fornece nutrientes necessários para o crescimento, manutenção e regeneração dos tecidos corporais, etc.

Amixal é administrado por via intravenosa e por isso a biodisponibilidade dos aminoácidos contidos na solução é 100%.

As quantidades de aminoácidos contidas em Amixal foram escolhidas de modo que um aumento homogêneo das concentrações de todos os aminoácidos do plasma seja alcançado. As relações fisiológicas dos aminoácidos do plasma, isto é, a homeostase de aminoácido é assim mantida durante a infusão de Amixal.

Os aminoácidos, que não entram na síntese de proteínas, são metabolizados como se segue. O grupo amino é separado do esqueleto de carbono por transaminação. A cadeia de carbono é também oxidada diretamente à CO2 ou utilizada como substrato para gliconeogênese no fígado. O grupo amino também é metabolizado no fígado à uréia.

São aplicáveis as seguintes contraindicações

  • Hipersensibilidade a qualquer aminoácido presente na solução;
  • Anomalias congênitas do metabolismo de aminoácidos;
  • Desordens graves de circulação com risco vital (por exemplo: choque);
  • Hipoxia;
  • Acidose metabólica;
  • Doença hepática avançada;
  • Insuficiência renal grave sem acesso à hemofiltração ou hemodiálise;
  • Uso em crianças menores de 2 anos de idade.

Contraindicações gerais da terapia de infusão

  • Insuficiência cardíaca descompensada;
  • Edema pulmonar agudo;
  • Hiperidratação.

Categoria de risco na gravidez: categoria C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Via de administração intravenosa (infusão venosa central).

Amixal pode ser administrado enquanto há uma indicação para nutrição parenteral. Usar equipo estéril para administração.

Amixal é apenas um componente da nutrição parenteral. Na nutrição parenteral, o fornecimento de aminoácidos deve ser combinado com a oferta de fontes de calorias, ácidos graxos essenciais, eletrólitos, vitaminas e oligoelementos.

A mistura com nutrientes como carboidrato, lipídios, vitaminas e oligoelementos, deve ser realizada sob condições de assepsia. Misturar bem após a mistura, observando a compatibilidade.

O produto é apresentado em recipientes de dose única. Descartar após o término da infusão, qualquer conteúdo remanescente não utilizado.

Usar somente se a solução estiver límpida e o recipiente intacto, ou seja, recipiente não violado.

Administrar conforme orientação médica.

Risco de uso por via de administração não recomendada

Não há estudos dos efeitos de Amixal administrado por vias não recomendadas. Portanto, para segurança e eficácia deste medicamento, a administração deve ser realizada somente por via intravenosa. 

Posologia do Amixal


A dosagem é ajustada de acordo com a necessidade individual de aminoácidos, eletrólitos e fluidos, dependendo da condição clínica do paciente (estado nutricional e/ou grau de catabolismo devido à doença subjacente).

Dose diária média

10 – 20 mL/kg de peso corporal

≅ 1,0 – 2,0 g aminoácidos/kg de peso corporal

≅ 700 – 1400 mL para um paciente de 70 kg

Dose diária máxima

20 mL/kg de peso corporal

≅ 2,0 g aminoácidos/kg de peso corporal

≅ 140 g aminoácidos para um paciente de 70 kg

≅ 1400 mL para um paciente de 70 kg

Infusão máxima ou velocidade de gotejamento

1 mL/kg de peso corporal/h

≅ 0,1 g aminoácidos/kg de peso corporal/h

≅ 25 gotas/min para um paciente de 70 kg

≅ 1,17 mL/min para um paciente de 70 kg

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Amixal?


Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião dentista.

Amixal só deve ser administrado após cuidadosa avaliação do risco-benefício na presença de distúrbios do metabolismo de aminoácidos de outra origem.

Desidratação hipotônica deve ser corrigida pela oferta adequada de líquidos e eletrólitos antes da nutrição parenteral.

Nos casos de hipocalemia e/ou hiponatremia deve ser fornecido quantidades adequadas de potássio e/ou sódio.

Em pacientes com insuficiência hepática ou renal, a dose deve ser ajustada de acordo com as necessidades individuais.

Recomenda-se precaução em pacientes com osmolaridade sérica aumentada.

Deve ser monitorado regularmente

Eletrólitos séricos, glicose sanguínea, equilíbrio de líquido, equilíbrio ácido-base e função renal (BUN, creatinina).

O monitoramento deve incluir também testes de função hepática e proteína sérica.

Deve haver cuidado na administração de líquidos de infusão de grande volume em pacientes com insuficiência cardíaca.

Amixal pode ser usado como parte de um regime de nutrição parenteral total, em combinação com quantidades adequadas de suplementos de energia (soluções de carboidratos, emulsões graxas), vitaminas, oligoelementos e eletrólitos.

O local da infusão deve ser verificado diariamente quanto à sinais de inflamação e infecção.

Não utilizar o produto após a data de vencimento.

Interações medicamentosas

Amixal não deve ser misturado com outros produtos.

Informe ao seu médico ou cirurgião dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use o medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Os efeitos indesejáveis que, contudo, não estão especificamente relacionadas ao produto mas à nutrição parenteral em geral podem ocorrer, especialmente no início da nutrição parenteral.

Reação incomum ( ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

Distúrbios gastrointestinais:

Náuseas, vômitos.

Distúrbios gerais:

Dor de cabeça, calafrios, febre.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

Efeito na capacidade de dirgir veículos e operar máquinas

O uso de Amixal não afeta a habilidade de dirigir veículos e operar máquinas.

Pacientes idosos

Não há advertências e recomendações especiais sobre o uso adequado desse medicamento em pacientes idosos.

Gravidez e Lactação

Não existem dados sobre o uso de Amixal em mulheres grávidas ou em período de amamentação. Não existem dados pré-clínicos relacionados à administração de Amixal durante a gravidez.

Amixal deve ser, portanto, administrado com precaução durante a gravidez e lactação e somente se claramente indicado após avaliação dos benefícios e possíveis riscos.

Categoria de risco na gravidez: categoria C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Apresentações

Amixal é uma solução límpida, estéril, incolor ou levemente cor de palha, em frasco ampola de vidro contendo 1000 ml.

Via de administração.

Via intravenosa.

Uso adulto.

Composição

Cada mL da solução de Amixal contém:

DCB

ConstituinteQuantidade
Substâncias ativas

05083

Isoleucina

5,00 mg

05215

Leucina

8,90 mg

09343

Acetato de lisina (Equivalente a 4,07 mg de lisina)

5,74 mg

05347

Lisina monoidratada (Equivalente a 2,78 mg de lisina)

3,12 mg

05839

Metionina

4,40 mg

03919

Fenilalanina

4,70 mg

08838

Treonina

4,20 mg

08947

Triptofano

1,60 mg

09076

Valina

6,20 mg

00866

Arginina

11,50 mg

04740

Histidina

3,00 mg

00451

Alanina

10,50 mg

04472

Glicina

12,00 mg

00108

Ácido aspártico

5,60 mg

00230

Ácido glutâmico

7,20 mg

07420

Prolina

5,50 mg

07954

Serina

2,30 mg

08692

Tirosina

0,40 mg

Excipientes

00067

Acetilcisteína

0,20 mg

09852

Ácido cítrico monoidratado

q.s.

09320

Água para injetáveis

q.s.p. 1mL

Informações:

Aminoácidos totais

100 g/L

Nitrogênio total

15,8 g/L

Valor calórico

1675 kJ/L = 400 kcal/L

Osmolaridade teórica

864 mOsm/L

Acidez titulável (para pH 7,4)

Aprox. 20 mmol/L

pH

5,7 – 6,3

Conteúdo eletrolítico:

Acetato

28,0 mmol/L

Citrato

2,0 mmol/L

Sintomas

Superdose ou infusão muito alta pode levar à reações de intolerância e pode manifestar como náusea, calafrios, vômito, e perda renal de aminoácidos.

Tratamento de emergência, antídotos

Se ocorrerem reações de intolerância, a infusão de aminoácidos deve ser temporariamente interrompida e retomada mais tarde em uma menor velocidade de infusão.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Embora o triptofano seja administrado em pacientes em tratamento com inibidores da MAO, para uma melhor eficácia clínica, deve-se observar que ele pode potencializar os efeitos adversos desses medicamentos.
O uso de triptofano com medicamentos que inibem a recaptação de serotonina pode exacerbar os efeitos adversos destes e desencadear a síndrome de serotonina.

Foi relatada sensibilidade cruzada entre cianocobalamina e hidroxocobalamina.

O uso concomitante de arginina e diuréticos poupadores de potássio pode resultar em hiperpotassemia.

Resultados de eficácia

A partir de 1979, 51323 unidades de nutrição parenteral completa foram administradas em 2122 pacientes, por períodos de até 18 meses, sem ocorrências das reações adversas.1 Pode-se concluir que a nutrição parenteral completa foi bem tolerada por todos os pacientes, começando quando as emulsões de lipídios bem toleradas foram utilizadas em nutrição parenteral.

Diante dos resultados já conhecidos, foi realizado um estudo clínico, multicêntrico, em grupos paralelos comparando Poliaminoácidos (substância ativa) com nutrição parenteral completa.2 O objetivo principal do estudo era investigar a segurança e tolerância de Poliaminoácidos (substância ativa) quando comparado a uma nutrição parenteral convencional, quando ambas são usadas como nutrição parenteral total. A população do estudo era composta de 50 pacientes cirúrgicos com doença gastrintestinal que requeria no mínimo 7 dias de nutrição parenteral total. 24 pacientes receberam Poliaminoácidos (substância ativa) e 26 a nutrição parenteral convencional. A dose da nutrição parenteral total foi 30mL/kg/dia.

A quantidade de proteína e lípidios foram idênticas nos dois grupos (0,16 g N e 1,2 g gordura/30 mL de solução). A energia total foi levemente diferente (27 kcal/ 30mL vs 30 kcal/30mL, respectivamente). Nenhuma diferença significativa na incidência de eventos adversos foi notada entre os grupos de tratamento. Este estudo fornece evidencias confiáveis de que Poliaminoácidos (substância ativa) é bem tolerado e seguro para uso em nutrição parenteral em pacientes com doença gastrintestinal. Nenhum dado sugere diferenças entre Poliaminoácidos (substância ativa) e a nutrição parenteral convencional em segurança e tolerância. Não foram relatados eventos adversos após o início da comercialização de Poliaminoácidos (substância ativa), o que demonstra que o produto é bem tolerado e seguro.

Características farmacológicas

Propriedades farmacodinâmicas

Emulsão lipídica

A emulsão lipídica utilizada em Poliaminoácidos (substância ativa) fornece ácidos graxos essenciais e não essenciais de cadeia longa para metabolismo energético e integridade estrutural das membranas celulares. A emulsão lipídica na dosagem recomendada não causa alterações hemodinâmicas.

Não foram descritas alterações clínicas significativas na função pulmonar quando a emulsão lipídica é utilizada adequadamente. O aumento temporário das enzimas hepáticas observado em alguns pacientes que receberam nutrição parenteral é reversível e desaparece com a descontinuação da nutrição parenteral. Também são observadas alterações similares na nutrição parenteral sem emulsões lipídicas.

Aminoácidos e eletrólitos

Os aminoácidos, componentes das proteínas nos alimentos em geral, são utilizados para síntese protéica tecidual, e qualquer excesso é desviado para diversas vias metabólicas. Estudos demonstraram um efeito termogênico da infusão de aminoácidos.

Glicose

A glicose não deverá causar efeitos farmacodinâmicos, além de contribuir para a manutenção ou melhora do estado nutricional normal.

Propriedades farmacocinéticas

Emulsão lipídica

A emulsão lipídica possui propriedades biológicas semelhantes aos quilomicrons endógenos. Diferente dos quilomicrons, a emulsão lipídica de Poliaminoácidos (substância ativa) L não contém ésteres de colesterol ou apolipoproteínas, e seu teor de fosfolipídios é significativamente superior.

A emulsão lipídica é eliminada da circulação por uma via semelhante a dos quilomicrons endógenos, em uma etapa catabólica no mínimo anterior. A partícula exógena de lipídio é hidrolisada primariamente na circulação e captada por receptores de LDL periférico e no fígado. A taxa de eliminação é determinada pela composição das partículas de lipídio, estado nutricional, doença e taxa de infusão.

Em voluntários sadios, a taxa máxima de eliminação da emulsão lipídica, após jejum noturno, equivale a 3,8 ± 1,5 g de triglicerídeos por kg a cada 24 horas. As taxas de eliminação e de oxidação dependem da condição clínica do paciente; a eliminação é mais rápida e a utilização é maior em pacientes em pós-operatório e trauma, ao passo que os pacientes que apresentam insuficiência renal e hipertrigliceridemia apresentam menor utilização de emulsões lipídicas exógenas.

Aminoácidos e eletrólitos

As principais propriedades farmacocinéticas da infusão de aminoácidos e eletrólitos são essencialmente as mesmas dos aminoácidos e eletrólitos fornecidos pelos alimentos em geral. Entretanto, os aminoácidos da proteína dietética entram primeiramente na veia porta e posteriormente na circulação sistêmica, enquanto os aminoácidos infundidos por via intravenosa atingem diretamente a circulação sistêmica.

Glicose

As propriedades farmacocinéticas da glicose infundida são essencialmente as mesmas da glicose fornecida pelos alimentos em geral.

Conservar em temperatura ambiente (temperatura entre 15 e 30ºC).

Não congelar. Manter o recipiente dentro da embalagem, a fim de proteger da luz.

Prazo de validade do medicamento: 36 meses após a Data de Fabricação

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

MS – 1.0085.0145.

Farm. Resp.:
Rosane G. R. da Costa.
CRF-RJ nº 3213.

Importado e distribuído por:
Laboratórios B. Braun S.A.
Av. Eugênio Borges, 1092 e Av. Jequitibá, 09.
Arsenal – CEP: 24751-000.
São Gonçalo – RJ – Brasil.
CNPJ: 31.673.254/0001-02.
Indústria Brasileira.

SAC - 0800 0227286.

Fabricado por:
B. Braun Melsungen AG.
Carl-Braun-Strasse 1.
34212 Melsungen.
Alemanha.

Uso restrito a hospitais.

Venda sob prescrição médica.

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.