Acular CMC Icone para ediçãoIcone de Enomear Icone de Excluir

Para que serve

Acular CMC é indicado para o tratamento da dor e inflamação ocular em pacientes submetidos à cirurgia de catarata.

Como o Acular CMC funciona?


Acular CMC é um colírio que contém um anti-inflamatório (cetorolaco trometamol) que ao ser aplicado nos olhos age combatendo a dor e a inflamação após a cirurgia de catarata.

Sua ação se inicia após sua aplicação.

Acular CMC é contraindicado para pessoas que apresentam alergia a qualquer um dos componentes da sua fórmula.

Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes que apresentam alergia a antiinflamatórios não esteroides.

Este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

  • Você deve usar este medicamento exclusivamente nos olhos;
  • Antes de utilizar o medicamento, confira o nome no rótulo, para não haver enganos. Não utilize Acular CMC caso haja sinais de violação e/ou danificações no cartucho e/ ou flaconete;
  • A solução já vem pronta para uso. Não encoste a ponta do flaconete nos olhos, nos dedos e nem em outra superfície qualquer, para evitar a contaminação do flaconete e do colírio;
  • Para abrir, gire totalmente a ponteira. Não puxe (primeira figura). Aplicar o colírio imediatamente após a abertura do flaconete;
  • Você deve aplicar o número de gotas da dose recomendada pelo seu médico em um ou ambos os olhos.

A dose usual é de 1 gota aplicada no(s) olho(s) afetado(s), duas vezes ao dia, com intervalo de aproximadamente 12 horas entre as doses, iniciando 1 dia antes da cirurgia de catarata.

Continuar no dia da cirurgia e durante as duas primeiras semanas do período pós-cirúrgico. Entretanto, devido a diferenças de inflamações, a posologia e o tempo de tratamento deverá ser estabelecido pelo seu médico.

O limite máximo diário de administração da dose usual recomendada do medicamento é de 2 gotas em cada olho (0,33 mg de cetorolaco trometamol em cada olho).

Aplique a dose recomendada dentro do olho, no saco conjuntival, evitando tocar a ponta do frasco nos tecidos oculares.

Jogue o flaconete fora. Não reutilize. Uma vez aberto descarte.

O uso de soluções contaminadas pode resultar em graves danos ao olho e subseqüente perda da visão.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Acular CMC?


Caso você se esqueça de aplicar o colírio, aplique-o assim que se lembrar e acerte um novo horário de aplicação com intervalo de aproximadamente 12 horas entre as doses.

Se o horário da próxima aplicação estiver próximo, aguarde o horário pré-estabelecido para aplicar o colírio.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou do cirurgião-dentista.

Para não contaminar o colírio evite o contato do flaconete com qualquer superfície. Não permita que o flaconete entre em contato direto com os olhos.

Acular CMC é um medicamento de uso exclusivamente tópico ocular.

Potencial para sensibilidade cruzada:

Se você apresentou anteriormente alergia ou outras reações adversas a outros medicamentos contendo ácido acetilsalicílico ou derivados do ácido fenilacético e outros anti-inflamatórios não esteroides, informe o seu médico, pois existe a possibilidade de você também ser sensível a este medicamento.

Foram relatados casos de broncoespasmo ou exarcebação da asma em pacientes que possuem conhecida hipersensibilidade à anti-inflamatórios não esteroidais/aspirina ou histórico de asma associado ao uso de Acular CMC, portanto recomenda-se cautela nestes casos.

Tempo de sangramento aumentado:

Alguns anti-inflamatórios não esteroides interferem na coagulação do sangue, tendo havido relatos de sangramento aumentado nos tecidos oculares após aplicação de colírios de anti-inflamatórios em olhos submetidos a cirurgias. Acular CMC deve ser utilizado com cautela em pessoas que apresentam conhecida tendência a hemorragias ou que estão recebendo outros medicamentos que podem prolongar o tempo de sangramento (anticoagulantes).

Cicatrização retardada:

Os medicamentos contendo anti-inflamatórios não esteroides podem deixar mais lento ou atrasar o processo de cicatrização. Os corticosteroides tópicos também são conhecidos por causar esses mesmos efeitos.

O uso concomitante de anti-inflamatórios não esteroides tópicos com corticosteroides tópicos pode aumentar o potencial para problemas com a cicatrização.

Efeitos sobre a córnea:

O uso de anti-inflamatórios tópicos pode resultar em inflamação da córnea. Em alguns pacientes sensíveis, o uso continuado de anti-inflamatórios tópicos pode resultar em complicações na córnea incluindo estreitamento, erosão, ulceração ou perfuração da córnea. Esses eventos podem comprometer a visão.

Pacientes com evidência de alterações do epitélio da córnea devem interromper o tratamento com anti-inflamatórios tópicos oftálmicos e devem ser rigorosamente monitorados.

Os anti-inflamatórios não esteroides tópicos oftálmicos devem ser utilizados com cautela em pacientes que apresentam cirurgias oculares complicadas, denervação da córnea, defeitos do epitélio da córnea, diabetes, doenças da superfície ocular (como por exemplo síndrome do olho seco), artrite reumatoide, diabetes melliuts ou cirurgias repetidas dentro de curto intervalo de tempo, pois podem apresentar risco aumentado de eventos adversos na córnea que podem comprometer a visão.

O uso dos anti-inflamatórios não esteroides por mais do que 1 dia antes da cirurgia ou o uso além de 14 dias após a cirurgia pode aumentar o risco de ocorrência de reações adversas ou aumentar a gravidade das reações adversas na córnea.

Gravidez:

Não existem estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas. Acular CMC deve ser usado durante a gravidez somente se o benefício potencial para a mãe justificar o risco potencial para o feto.

Efeitos não teratogênicos:

Considerando os conhecidos efeitos das drogas inibidoras das prostaglandinas sobre o sistema cardiovascular fetal (fechamento do ducto arterial), o uso de Acular CMC em solução durante a fase tardia da gestação deve ser evitado.

Lactação:

Considerando que muitas drogas são excretadas no leite humano, recomenda-se cautela quando Acular CMC é administrado a mulheres que estejam amamentando.

Este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Uso em crianças

A segurança e eficácia de Acular CMC não foram estabelecidas em crianças.

Pacientes idosos:

Não foram observadas diferenças de eficácia e segurança entre pacientes idosos e de outras faixas etárias, de modo que não há recomendações especiais quanto ao uso em idosos.

Pacientes com insuficiência renal ou hepática:

Não há dados de estudo suficientes para esta população e portanto, não podem ser feitas recomendações específicas de dosagem.

Pacientes que utilizam lentes de contato:

Acular CMC não deve ser aplicado durante o uso de lentes de contato.

Pacientes que utilizam mais de um medicamento oftálmico:

Se o seu médico receitou mais de um colírio, lembre-se de aplicar os medicamentos separadamente, com intervalo de pelo menos 5 minutos entre cada aplicação.

Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e usar máquinas:

A aplicação da solução oftálmica, em geral, não causa alterações da visão. Caso perceba um leve borramento de visão logo após a aplicação, aguarde até que a visão retorne ao normal antes de dirigir veículos ou operar máquinas.

Pacientes submetidos à cirurgia de extração de catarata:

Os pacientes submetidos à cirurgia de extração de catarata devem ser monitorados durante o dia após a cirurgia com relação à evidência de pressão intraocular aumentada. Nos estudos clínicos realizados com o produto, observou-se que ocorreu pressão intraocular aumentada em 5% a 10% dos casos como resultado direto da cirurgia.

A pressão intraocular aumentada no dia após a cirurgia pode ser manejada por observação, ou tratada com medicamentos e/ou paracentese.

Assim como qualquer medicamento, podem ocorrer reações indesejáveis com a aplicação de Acular CMC:

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

Pressão ocular aumentada, hiperemia (vermelhidão) e/ ou hemorragia conjuntival, edema (inchaço) no olho, dor ocular, dor de cabeça, lacrimejamento, visão borrada, célula na câmara anterior, irite (inflamação da íris), brilho na câmara anterior, ceratite puntiforme (inflamação da córnea) e sensação de corpo estranho no olho.

Algumas dessas reações podem ser consequência do procedimento cirúrgico da catarata.

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento):

Fotofobia (sensibilidade anormal à luz), edema (inchaço) conjuntival, irritação ocular, prurido (coceira) ocular, abrasão da córnea, descolamento do vítreo, ruptura da cápsula posterior, flutuações vítreas, fibrina na câmara anterior, complicações da cirurgia de catarata, edema macular, náusea, inflamação na câmara anterior e hemorragia na íris.

Outras reações foram observadas durante a pós comercialização de Acular CMC e podem potencialmente ocorrer:

Ceratite ulcerativa.

Informe a empresa sobre o aparecimento de reações indesejáveis e problemas com este medicamento, entrando em contato através do Sistema de Atendimento ao Consumidor (SAC).

Atenção: Este produto é um medicamento que possui nova concentração no país e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Neste caso, informe seu médico.

Apresentações:

Solução oftálmica estéril.

Caixa contendo:

10, 20 ou 30 flaconetes de dose única com 0,4 ml de solução oftálmica estéril de cetorolaco trometamol (4,5 mg/ml), sem conservante.

Via de administração tópica ocular.

Uso adulto.

Composição:

Cada ml contém:

4,5 mg de cetorolaco trometamol.

Veículo: Carmelose sódica, cloreto de sódio, citrato de sódio diidratado, ácido clorídrico, hidróxido de sódio para ajuste do pH e água purificada.

É pouco provável a ocorrência de superdose com o produto. O produto Acular CMC se destina apenas a uso tópico oftálmico. Devido às baixas concentrações sistêmicas dos princípios ativos após administração tópica oftálmica, a probabilidade de intoxicação a partir de superdose tópica oftálmica é remota.

Em geral, superdoses não provocam problemas agudos. Se for ingerido acidentalmente ou intencionalmente, beber bastante líquido para diluir e/ou procure orientação médica.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Acular CMC pode ser administrado com segurança concomitantemente com outros colírios como alfa-agonistas, antibióticos, beta bloqueadores, inibidores da anidrase carbônica, cicloplégicos e midriáticos, respeitando um intervalo de pelo menos 5 minutos entre a administração de cada colírio.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Resultados de eficácia

Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,5%

Três estudos clínicos controlados demonstraram que o Trometamol Cetorolaco (substância ativa) foi significativamente mais eficaz que seu veículo no alívio dos sinais e sintomas incluindo prurido, lacrimejamento, secreção, sensação de corpo estranho nos olhos, fotofobia e eritema causado pela conjuntivite alérgica sazonal.

Em dois estudos clínicos duplo-cegos, multicêntricos, de grupos paralelos, 206 pacientes com inflamação cular moderada a grave receberam o Trometamol Cetorolaco (substância ativa) ou seu veículo, sem esteroides concomitantes, quatro vezes ao dia por duas semanas, tendo início um dia após a facoemulsificação e implantação de lentes intraoculares. Pacientes tratados com o Trometamol Cetorolaco (substância ativa) tiveram significativamente menos eritema conjuntival, erupção ciliar, sensação de corpo estranho nos olhos, fotofobia e dor quando comparados aos pacientes tratados com o veículo (p<0.05).

Em três outros estudos clínicos randomizados, duplos-cegos, de grupos paralelos, 392 pacientes receberam Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,5%, dexametasona 1,0% ou prednisolona 1,0% três vezes ao dia por 3 semanas tendo início um dia antes da cirurgia de catarata para avaliar a ruptura da barreira hematoaquosa, como medido pela fluorofotometria da câmara anterior. Diferenças estatisticamente significativas na ruptura da barreira hemato-aquosa favoreceram O Trometamol Cetorolaco (substância ativa) em relação à dexametasona e prednisolona em dois dos estudos de 2 semanas.

Em um estudo clínico randomizado, duplo-cego, 200 pacientes receberam Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,5% ou veículo quatro vezes ao dia imediatamente após cirurgia refrativa por 3 dias seguintes ao procedimento.

Quando comparado ao veículo, Trometamol Cetorolaco (substância ativa) reduziu significativamente a intensidade da dor. O alívio da dor também foi significativamente melhor para o grupo tratado com Trometamol Cetorolaco (substância ativa). Os pacientes tratados com Trometamol Cetorolaco (substância ativa) tiverem incidência significativamente reduzida nas dificuldades em dormir, dificuldade significativamente menor na abertura dO lhO perado, e nos sintomas de desconfortO cular tais como sensação de corpo estranho nos olhos e fotofobia.

Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,4%

Em dois estudos multicêntricos, randomizados, duplamente mascarados, veículo controlado, de grupos paralelos, envolvendo 313 pacientes, Trometamol Cetorolaco (substância ativa) foi efetivo no tratamento da dor ocular e sintomas oculares de sensação de corpo estranho nos olhos, fotofobia, ardência e lacrimejamento quando utilizado 4 vezes ao dia, por até quatro dias após cirurgia de ceratectomia fotorefrativa.

Diferenças significantes favoreceram Trometamol Cetorolaco (substância ativa) para a redução da dor ocular e ardência após cirurgia de ceratectomia fotorrefrativa. Os resultados dos estudos clínicos indicam que o trometamol cetorolaco não apresenta efeito significativo sobre a pressão intra-ocular.

Nenhuma diferença clínica ou estatisticamente significativa foi encontrada entre a solução oftálmica de trometamol cetorolaco a 0,4% e placebo na frequência, tipo, intensidade ou causalidade de eventos adversos.

Em estudos de tolerância e de segurança, nas quais voluntários saudáveis receberam uma única gota de solução oftálmica trometamol cetorolaco em um olho e solução salina no outro, 5 de 10 indivíduos relataram irritação leve e transitória no olho tratado com cetorolaco. Exames em 1 hora e uma semana após a administração não revelaram eventos adversos significativos.

Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,45%

Foram realizados dois estudos clínicos multicêntricos, randomizados duplo-mascarados, de grupos paralelos, comparativos, incluindo 511 pacientes, para avaliar os efeitos de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) sobre o escore somado de inflamação (SOIS) da presença de brilho e de células da câmara anterior, e melhora da dor ocular após extração de catarata com implantação de lente intraocular (LIO) na câmara posterior.

Os resultados de eficácia agrupados dos dois estudos apresentados indicaram que os pacientes que receberam Trometamol Cetorolaco (substância ativa) apresentaram incidência de 52,5% para o desaparecimento da inflamação da câmara anterior (SOIS = 0 no dia 14), que foi estatisticamente significativamente maior (p<0,001) em comparação com os pacientes tratados com o veículo (26,5%). Trometamol Cetorolaco (substância ativa) também foi estatisticamente significativamente superior (p<0,001) ao veículo, no desaparecimento da dor ocular no dia 1 pós cirurgia de catarata, apresentando incidência de 72,4% e 39,7%, respectivamente. O tempo médio para resolução da dor ocular foi de um dia para os pacientes que receberam Trometamol Cetorolaco (substância ativa) e de dois dias para os pacientes tratados com veículo (p< 0,001).

A porcentagem de pacientes que receberam Trometamol Cetorolaco (substância ativa) e veículo que tiveram melhora de +3-linhas ou mais na correção da acuidade visual foi de 60,5% versus 44,0% no dia 14 (p=0,002). Os resultados indicaram que Trometamol Cetorolaco (substância ativa) foi bem tolerado e efetivo no tratamento da dor e inflamação no pós-operatório da cirurgia de catarata.

O grupo tratado com Trometamol Cetorolaco (substância ativa) apresentou uma porcentagem significativamente maior de pacientes com um escore igual a 0 para células na câmara anterior e brilho na câmara anterior em comparação com o veículo nos dias 7 e 14. O trometamol cetorolaco não apresentou efeito significativo sobre a pressão ocular; entretanto, podem ocorrer alterações na pressão intraocular após cirurgia de catarata. Os resultados indicaram que Trometamol Cetorolaco (substância ativa) foi bem tolerado e efetivo no tratamento da dor e inflamação no pós-operatório da cirurgia de catarata.

Características farmacológicas

Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,5/0,4%

O Trometamol Cetorolaco (substância ativa) é uma droga anti-inflamatória não-esteroide que, quando administrada por via sistêmica, tem demonstrado atividade analgésica, anti-inflamatória e antipirética.

Farmacodinâmica

Acredita-se que seu mecanismo de ação está relacionado à sua capacidade de inibir a biossíntese das prostaglandinas. O Trometamol Cetorolaco (substância ativa) administrado por via sistêmica não causa constrição da pupila.

Em diversos modelos animais, as prostaglandinas demonstraram ser mediadoras de determinados tipos de inflamação intraocular. Estudos experimentais demonstraram que as prostaglandinas produzem ruptura da barreira humor aquoso- sangue, vasodilatação, aumento da permeabilidade vascular, leucocitose e aumento da pressão intraocular. As prostaglandinas também parecem atuar na resposta miótica produzida durante a cirurgia ocular pela constrição do esfíncter da íris independentemente dos mecanismos colinérgicos.

Farmacocinética

Absorção

Em estudos humanos, a penetração do fármaco é rápida logo após a aplicação nos olhos. A relação entre as concentrações da solução administrada e da quantidade de fármaco que penetra na córnea é praticamente linear. Duas gotas de solução oftálmica de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) a 0,5% foram instiladas nos olhos dos indivíduos, 12 horas e 1 hora antes da extração de catarata atingir concentrações mensuráveis em 8 dos 9 olhos dos indivíduos (concentração média de 95 ng/mL no humor aquoso, na faixa de 40 a 170 ng/mL).

A administração cular do Trometamol Cetorolaco (substância ativa) reduz os níveis de prostaglandina E2 (PGE2) no humor aquoso. A concentração média de PGE2 foi 80 pg/mL no humor aquoso dos olhos que recebiam veículo, e 28 pg/mL nos olhos que receberam soluçãO ftálmica de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) a 0,5%.

Uma gota de solução oftálmica de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) a 0,5% foi instilada em um olho e uma gota do veículo no outro, três vezes ao dia, em 26 indivíduos normais. Apenas 5 dos 26 indivíduos apresentaram quantidade detectável de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) no plasma (faixa de 10,7 a 22,5 ng/mL) no décimo dia, durante tratamentO cular tópico. Quando o Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 10 mg é administrado por via sistêmica a cada 6 horas, os níveis plasmáticos máximos ficaram em torno de 960 ng/mL.

Distribuição

Uma soluçãO ftálmica de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) a 0,5% marcado com 14C foi estudada e descobriu-se que é amplamente distribuída nos tecidos oculares com maior retenção na córnea e na esclera. As concentrações máximas no tecido foram encontradas em 0,5 a 1,0 hora após a administração, exceto no corpo ciliar - íris, o qual levou 4,0 horas até o Tmáx. O pico de concentração do fármaco (Cmáx) na córnea foi de 6,06 μg Eq/g e na esclera 1,73 μg Eq/g. O pico de concentração no humor aquoso foi de 0,22 μg Eq/mL.

Metabolismo

Embora não foram conduzidos estudos em relação aos locais de metabolismo do Trometamol Cetorolaco (substância ativa) de uso oftálmico, estudos da administração sistêmica mostraram que o fármaco é metabolizado no fígado. Os metabólitos de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) são para-hidróxi-cetorolaco, metabólitos polares, possivelmente o conjugado glicurônico de Trometamol Cetorolaco (substância ativa), e outros componentes desconhecidos.

O para-hidróxi-cetorolaco é considerado o mais fraco dos compostos relacionados tanto na atividade anti-inflamatória (20% de atividade relativa a Trometamol Cetorolaco (substância ativa)) e atividade analgésica (1% de atividade relativa ao Trometamol Cetorolaco (substância ativa)). O para-hidróxi-cetorolaco é considerado biologicamente inativo visto que sua concentração plasmática é de aproximadamente 100 vezes inferior a de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) após administração sistêmica.

Eliminação

Os resultados dos estudos em coelhos e macacos Cynomolgus sugerem que a maior via de eliminação do fármaco a partir dos olhos é provavelmente através do fluxo sanguíneo intraocular após a distribuição desde o humor aquoso até o corpo ciliar-íris.

Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,45%

Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,45% é uma solução aquosa isotônica estéril de trometamol cetorolaco (trometamina) a 0,45%, sem conservantes, com pH de aproximadamente 6,8. Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,45% solução é uma mistura racêmica do cetorolaco de trometamina D-(+) e L-(-). O trometamol cetorolaco pertence ao grupo de fármacos anti-inflamatórios não esteroides pirrolo-pirrol para uso oftálmico, composto de ácido carboxílico (±) -5- benzoil -2,3 diidro - 1 H - pirrolizina - 1 com 2 - amino - 2 - (hidroximetil) - 1,3 - propanediol (1:1).

Farmacodinâmica

O trometamol cetorolaco é uma droga anti-inflamatória não-esteroide para a qual foi demonstrada atividade analgésica, anti-inflamatória e antipirética, quando administrada por via sistêmica. Acredita-se que seu mecanismo de ação seja devido, em parte, à sua capacidade de inibir a biossíntese das prostaglandinas. O trometamol cetorolaco administrado por via sistêmica não produz constrição pupilar. Muitos modelos experimentais demonstraram que as prostaglandinas são mediadores de determinados tipos de inflamação intraocular.

Estudos realizados em olhos de animais demonstraram que as prostaglandinas produzem ruptura da barreira humor aquoso-sangue, vasodilatação, aumento da permeabilidade vascular, leucocitose e aumento da pressão intraocular. As prostanglandinas também parecem desempenhar algum papel na resposta miótica produzida durante cirurgia ocular porque provoca constrição do esfíncter da íris independentemente de mecanismo colinérgico.

Farmacocinética

Duas gotas (0,1 ml) de trometamol cetorolaco solução oftálmica a 0,5% instiladas nos olhos dos pacientes, 12 horas e 1 hora antes da extração de catarata, alcançaram níveis mensuráveis em 8 de 9 olhos de pacientes (concentração média de cetorolaco no humor aquoso 95 ng/ml, variação de 40 a 170 ng/ml).

A administração ocular do trometamol cetorolaco reduz os níveis de prostaglandina E2 (PGE2) no humor aquoso. A concentração média de PGE2 foi 80 pg/ml no humor aquoso dos olhos que recebiam veículo, e 28 pg/ml nos olhos que recebiam trometamol cetorolaco solução oftálmica a 0,5%.

A administração ocular de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,45% (trometamol cetorolaco 0,45%) aumenta a biodisponibilidade relativa do cetorolaco no humor aquoso de coelhos em mais de 200% e no corpo ciliar-íris em aproximadamente 300% em comparação com o trometamol cetorolaco 0,5% em solução oftálmica.

Esta biodisponibilidade aumentada do cetorolaco permite uma redução da frequência da administração de 4 vezes ao dia com a solução oftálmica de trometamol cetorolaco 0,5% para 2 vezes ao dia com a solução de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,45%. Uma gota (0,05 ml) de trometamol cetorolaco solução oftálmica a 0,5% foi instilada em um olho e uma gota do veículo no outro, três vezes ao dia, em 26 indivíduos normais.

Apenas 5 dos 26 indivíduos apresentaram quantidade detectável de cetorolaco no plasma (variação de 10,7 a 22,5 ng/ml) no décimo dia, durante tratamento ocular tópico. Quando o trometamol cetorolaco 10 mg é administrado por via sistêmica a cada 6 horas, os níveis plasmáticos máximos em estado de equilíbrio ficam em torno de 960 ng/ml.

Os dados pré-clínicos indicam que os níveis de exposição sistêmica ao cetorolaco atingidos após administração ocular da solução de Trometamol Cetorolaco (substância ativa) 0,45% são comparáveis aos níveis atingidos com a solução oftálmica de trometamol cetorolaco a 0,5%.

Toxicologia não clínica

Carcinogênese, Mutagênese e Danos à fertilidade

O trometamol cetorolaco não foi carcinogênico em ratos que receberam até 5 mg/kg/dia por via oral durante 24 meses nem em camundongos que receberam 2mg/kg/dia por via oral durante 18 meses. Essas doses são, respectivamente 926 vezes e 370 vezes mais elevadas do que a típica dose diária tópica oftálmica em humanos, de 0,324mg administrada em duas vezes ao dia a um olho afetado na base de mg/kg.

O trometamol cetorolaco não foi mutagênico no teste de Ames in vitro ou em testes de transmissão de mutação. Da mesma forma, ele não resultou em um aumento in vitro na síntese de DNA não programada ou em um aumento in vivo na ruptura cromossômica em camundongos. Entretanto, o trometamol cetorolaco produziu uma incidência aumentada nas aberrações cromossômicas em células de ovário de Hamster chinês.

O trometamol cetorolaco não alterou a fertilidade quando administrado por via oral a ratos machos e fêmeas com doses de até 9mg/kg/dia e 16mg/kg/dia, respectivamente. Essas doses são, respectivamente, 1667 e 2963 vezes mais elevadas do que a típica dose diária tópica oftálmica em humanos, de 0,324mg administrada em duas vezes ao dia a um olho afetado na base de mg/kg.

Acular CMC deve ser armazenado em temperatura ambiente (entre 15ºC e 30ºC) e ao abrigo da luz.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original. Após aberto, deve ser utilizado imediatamente.

Característica física:

Acular CMC é uma solução incolor levemente amarela pálida embalada em flaconetes estéreis de uso único, descartáveis.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Reg. ANVISA/MS - 1.0147.0046.

Farm. Resp.:
Elizabeth Mesquita.
CRF-SP nº 14.337.

Fabricado por:
Allergan Sales, LLC – Waco - Texas – EUA.

Registrado por:
Allergan Produtos Farmacêuticos Ltda.
Av. Dr. Cardoso de Melo, 1855.
Bloco 1 - 13º andar - Vila Olímpia.
São Paulo - CEP 04548-005.
CNPJ: 43.426.626/0001-77.

Importado e Distribuído por:
Allergan Produtos Farmacêuticos Ltda.
Guarulhos, São Paulo.
Indústria Brasileira.

SAC - 0800 144 077.

Venda sob prescrição médica.

*Não use medicamentos sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a sua saúde.
*As informações aqui divulgadas não deverão ser utilizadas como substituto de prescrição médica para o tratamento de qualquer doença.