Raquitismo Icone para edição

Raquitismo é uma condição que afeta o desenvolvimento dos ossos em crianças. Isso faz com que os ossos se tornem suaves e fracos, o que pode levar a deformidades ósseas.

Raquitismo em adultos é conhecido como osteomalacia ou ossos moles.

A causa mais comum de raquitismo é a falta de vitamina D e cálcio. A vitamina D é obtida em grande parte a partir da exposição da pele à luz solar, mas também é encontrado em alguns alimentos, tais como óleo de peixe e ovos. Já o cálcio é encontrado em alimentos como leite e seus derivados.

Em casos raros, a criança pode nascer com uma forma genética de raquitismo. Pode também desenvolver-se a partir de outra condição que afeta o modo como as vitaminas e os minerais são absorvidos pelo organismo.

Sintomas:

Sinais e sintomas de raquitismo podem incluir:

  • Atraso no crescimento
  • Dor na coluna vertebral, pélvis e pernas
  • Fraqueza muscular.

Pelo fato do raquitismo suavizar as placas de crescimento nas extremidades dos ossos de uma criança, pode causar deformidades esqueléticas, tais como:

  • Pernas arqueadas
  • Pulsos e tornozelos engrossados
  • Projeção do esterno.

Diagnóstico:

Durante o exame, os ossos da criança serão examinados e apertados para encontrar anormalidades. Serão analisados os seguintes aspectos:

  • Formação dos ossos. Bebês com raquitismo tem ossos mais moles e podem demorar para fechar as fontanelas (pontos fracos do crânio)
  • Pernas com curvatura exagerada
  • Anormalidades nas costelas e ossos do peito
  • Pulsos e tornozelos mais grossos que o normal.

Um raio-X dos ossos afetados pode revelar deformidades ósseas. Os exames de sangue e de urina podem confirmar um diagnóstico de raquitismo e também monitorar o progresso do tratamento.

Tratamento:

É necessário aumentar a absorção de vitamina D e cálcio em crianças com raquitismo. Para isso, pode ser necessário:

  • Comer mais alimentos ricos em cálcio e vitamina D
  • Tomar suplementos de cálcio e vitamina D diariamente
  • Tomar uma injeção de vitamina D a cada ano, mas isso só é necessário se a criança não pode tomar os suplementos por via oral ou tem uma doença intestinal ou do fígado.

A luz solar também contém vitamina D, de modo que você pode ser aconselhado a aumentar a quantidade de tempo que seu filho passa ao sol.

Quando o raquitismo ocorre como uma complicação de outra condição médica, o tratamento da condição subjacente, muitas vezes, cura o raquitismo. Por exemplo, pessoas que têm doença renal e raquitismo podem precisar de diálise.

Se o seu filho tem uma deformidade óssea causada por raquitismo, como pernas ou espinha curvada, o médico ou médica pode sugerir um tratamento para corrigi-lo. Isso pode envolver uma cinta para apoiar a área afetada do corpo para os ossos crescerem no local correto, ou podem precisar de cirurgia.

Para o raquitismo hipofosfatémico (onde um defeito genético provoca anormalidades na forma dos rins e ossos acordo com fosfato), é necessária uma combinação de suplementos de fosfato e uma suplementação especial de vitamina D.

Crianças com outros tipos de raquitismo genético precisam de grandes quantidades de um tipo especial de tratamento com vitamina D.

Complicações:

Se não for tratado, o raquitismo pode causar:

  • Incapacidade de crescimento
  • Espinha curvada anormalmente
  • Deformidades esqueléticas
  • Defeitos dentários
  • Convulsões.

Prevenção:

Há várias etapas que podem ser tomadas para ajudar a prevenir o raquitismo. Essas incluem a garantia de que o seu filho tem uma dieta saudável, equilibrada e passa algum tempo no sol.

Verifique se o seu filho tem uma dieta saudável, equilibrada, que contém uma abundância de cálcio e vitamina D.

Fontes de vitamina D incluem:

  • Peixes oleosos, tais como salmão, sardinha e cavala
  • Ovos
  • Cereais matinais fortificados.

Fontes de cálcio incluem:

  • Produtos lácteos, tais como leite, queijo e iogurte
  • Vegetais verdes, como brócolis e couve
  • Grãos de soja e tofu
  • Nozes
  • Sardinhas.

Se a criança tem uma dieta restrita - por exemplo, vegetariana ou vegana - pode não estar recebendo as vitaminas e minerais essenciais, necessitando de suplementação.

Apesar de estar presente em alimentos de origem animal, os alimentos não possuem a quantidade de vitamina D que o organismo necessita. Por isso, para evitar a carência da substância é importante tomar de 15 a 20 minutos de sol ao dia. Braços e pernas devem estar expostos, pois a quantidade de vitamina D que será absorvida é proporcional a quantidade de pele que está exposta.

Ao se expor ao sol para obter a vitamina é importante não passar o filtro solar. Para se ter uma ideia, o protetor fator 8 inibe a retenção de vitamina D em 95% e um fator maior do que isso praticamente zera a produção da substância. Para evitar o câncer de pele, após os 15 a 20 minutos recomendados para obter a vitamina, passe o protetor solar.

As janelas também atrapalham a absorção da vitamina D. Isto porque os raios ultravioletas do tipo B (UVB), capazes de ativar a síntese da vitamina D, não conseguem atravessar os vidros.

A maioria das pessoas pode obter toda a vitamina D de que necessitam através de sua dieta e tomando sol. No entanto, certos grupos de pessoas têm um risco aumentado de desenvolver uma deficiência de vitamina D e podem precisar de tomar suplementos para evitar o raquitismo. Os grupos de risco são:

  • Mulheres grávidas e lactantes
  • Crianças que tem dificuldade de absorver vitamina D e cálcio
  • Idosos
  • Pessoas de origem asiática, Africano-Caribe e Oriente Médio
  • Pessoas que sempre encobrir toda a sua pele quando estão fora
  • Pessoas que não podem ou não são expostas ao sol
  • Pessoas que não comem carne ou peixes oleosos.

Mayo Clinic

The National Health Service of England

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.