Pericardite Icone para edição

A pericardite é uma inflamação do pericárdio, uma espécie de bolsa que envolve o coração. O pericárdio é composto por duas estruturas: o pericárdio fibroso e o pericárdio seroso, constituído por duas lâminas (parietal e visceral). Entre o pericárdio fibroso e o seroso e entre essas duas lâminas do pericárdio seroso há a formação de espaços virtuais preenchidos por finas camadas de líquido lubrificante. O pericárdio tem como função manter o coração em sua posição e impedir que ele se encha de sangue além de sua capacidade.

Sinônimos

Inflamação do pericárdio

Sintomas:

A pericardite pode ser aguda ou crônica, a depender dos sintomas apresentados pelo paciente. A pericardite aguda é a inflamação repentina do pericárdio, que dura aproximadamente duas semanas, em média. A forma crônica dessa doença tem início gradual e persiste durante um tempo maior. Os principais sinais e sintomas da pericardite são:

  • Dor no peito aguda e contínua
  • Dificuldade para respirar, principalmente ao deitar e que geralmente melhora quando a pessoa senta e permanece com o tórax ereto
  • Ansiedade
  • Tosse seca
  • Fadiga
  • Febre.

Pode haver ocorrência, também, de atrito pericárdico, resultante da fricção entre as camadas do pericárdio. Além disso, a dor, localizada no centro ou no lado esquerdo do tórax, pode irradiar-se para o ombro esquerdo e para o pescoço.

Diagnóstico:

O diagnóstico da pericardite geralmente começa com o médico, no próprio consultório, questionando o paciente sobre seu histórico clínico e por meio de um exame físico geral, em que o especialista ouve atentamente aos sons cardíacos e pulmonares.

Os principais exames usados para diagnosticar pericardite são:

  • Ressonância magnética do tórax
  • Radiografia do tórax
  • Eletrocardiograma
  • Ecocardiograma
  • Tomografia computadorizada do coração
  • Hemograma completo.

Tratamento:

Os casos mais leves de pericardite são tratados com medicamentos anti-inflamatórios e analgésicas, que ajudam a amenizar a dor. Se o paciente não apresentar complicações, ele pode fazer tratamento oral em casa, devendo, contudo, evitar esforços.

Pacientes com a forma mais grave de pericardite, derrame pericárdico ou, ainda, aqueles que apresentam alguma outra doença grave associada devem ser hospitalizados para seguir com o tratamento.

Dependendo das causas de pericardite, elas também devem ser tratadas individualmente.

Prognóstico:

Para a maioria dos casos leves de pericardite, o repouso e o uso de medicamentos vendidos sem necessidade de prescrição médica, como analgésicos, podem ser usados para aliviar a dor causada pela doença.

Além disso, enquanto estiver seguindo o tratamento e não estiver plenamente recuperado, evite qualquer tipo de atividade física, principalmente se os exercícios exigidos forem muito intensos.

Complicações:

Se não for devidamente tratada, a pericardite pode levar a algumas complicações de saúde, como:

Embora seja raro, algumas pessoas com pericardite, particularmente aqueles com a inflamação crônica, podem vir a desenvolver contração, espessamento permanente e formação de cicatrizes no pericárdio.

Nesses casos, o pericárdio perde muito de sua elasticidade e impede que o coração funcione adequadamente. Esta condição é chamada de pericardite constritiva e, muitas vezes, leva a um inchaço grave das pernas e do abdômen, além da falta de ar e dificuldade para respirar.

Quando muito líquido se acumula no pericárdio, uma condição perigosa chamada tamponamento cardíaco pode se desenvolver.

Esse excesso de líquido coloca muita pressão sobre o coração e não permite que ele se preencha de sangue corretamente. Isso significa, portanto, que menos sangue sai do coração para o restante do corpo, o que provoca uma queda drástica na pressão sanguínea. O tamponamento cardíaco pode ser fatal se não for tratado rapidamente.

Prevenção:

Não existem formas conhecidas de se prevenir pericardite.

Ministério da Saúde

Mayo Clinic

Sociedade Brasileira de Cardiologia

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.