Pancreatite

O que é Pancreatite?

Pancreatite é a inflamação no pâncreas. O pâncreas é uma glândula localizada atrás do estômago no abdome superior. Entre as suas funções está fazer a digestão das gorduras e carboidratos que ingerimos usando o suco pancreático, substância que contém enzimas digestivas.

Além disso, o pâncreas é responsável por produzir os hormônios insulina e glucagon. A insulina é responsável por reduzir as taxas de açúcar no sangue, ao passo que o glucagon tem o efeito contrário, aumentando essas concentrações.

O médico gastroenterologista Henrique Perobelli Schleinstein, indica que a pancreatite pode sim ser hereditária. existem casos de pancreatite crônica hereditária, uma doença autossômica dominante que acontece pela falha na produção de tripsinogênio, uma enzima pancreática e pode afetar jovens.

Tipos

A pancreatite pode ocorrer de forma aguda ou crônica. Os casos leves de pancreatite podem desaparecer sem tratamento, mas casos graves podem causar complicações com risco de vida.

O início da pancreatite aguda é frequentemente muito repentina. A inflamação geralmente desaparece dentro de poucos dias, uma vez que o tratamento começa. De acordo com o DATASUS, no Brasil são registrados cerca de 5,9 casos a cada 100 mil habitantes todos os anos.

Os cálculos biliares são a causa mais comum da pancreatite aguda. O cálculo biliar é uma massa pequena e sólida que forma a partir de bile na vesícula. O pâncreas e a vesícula biliar se ligam pelo ducto biliar, através do qual a bile e outras enzimas digestivas passam durante a digestão. Os cálculos podem criar inflamação do ducto biliar e no pâncreas. O alcoolismo também pode também contribuir para a pancreatite aguda.

A pancreatite crônica é uma inflamação que se repete. Os pacientes com pancreatite crônica podem sofrer danos permanentes ao pâncreas. Sua incidência é estimada entre cinco e 10 casos para cada 100 mil indivíduos por ano.

O tecido cicatricial se desenvolve a partir de inflamação de longa duração e pode fazer o pâncreas parar de produzir a quantidade normal de enzimas digestivas. Como resultado, é provável que você tenha problemas para digerir gorduras.

O abuso de álcool é a causa mais comum de pancreatite crônica em adultos. Doenças autoimunes e doenças genéticas, tais como a fibrose cística, também podem causar a pancreatite crônica em alguns pacientes.

Causas

Pancreatite ocorre quando as enzimas digestivas produzidas no pâncreas tornam-se ativadas enquanto no interior do pâncreas, causando danos ao órgão.

Durante a digestão normal, as enzimas pancreáticas inativadas se movem através de dutos em seu pâncreas e viajam para o intestino delgado, onde as enzimas são ativadas e ajudam na digestão. Na pancreatite, as enzimas são ativadas quando ainda no pâncreas. Isto faz com que as enzimas para irritar as células do pâncreas, causando inflamação e os sinais e sintomas associados com a pancreatite.

Com acessos repetidos de pancreatite aguda, o dano ao pâncreas pode ocorrer e levar a pancreatite crônica. O tecido cicatricial pode se formar no pâncreas, causando a perda da função. Um pâncreas que não funcionam bem pode causar problemas de digestão e diabetes.

Segundo o gastroenterologista Henrique Perobelli Schleinstein, as causas mais comuns de pancreatite são cálculos na via biliar, alcoolismo e hipertrigliceridemia (triglicérides altos). Além disso, causas autoimunes também estão envolvidas mais raramente, assim como deformidades embriológicas como o pâncreas divisum.

Fatores de risco

Alguns fatores são considerados de risco para a pancreatite aguda e pancreatite crônica, incluindo:

  • Alcoolismo
  • Cálculos biliares
  • Cirurgia abdominal
  • Certos medicamentos
  • Tabagismo
  • Fibrose cística
  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica, quando usado no tratamento de cálculos biliares
  • História familiar de pancreatite
  • Níveis elevados de cálcio no sangue (hipercalcemia), que podem ser causadas por uma glândula paratireoide hiperativa (hiperparatiroidismo)
  • Altos níveis de triglicérides no sangue (hipertrigliceridemia)
  • Infecção
  • Lesão no abdômen
  • Câncer de pâncreas.

Sintomas de Pancreatite

Sintomas de pancreatite aguda incluem:

Sintomas de pancreatite crônica incluem:

  • Dor abdominal superior
  • Perder peso sem esforço
  • Fezes gordurosas e fedorentas (esteatorreia).

Outros sintomas de pancreatite incluem:

  • Febre
  • Ritmo cardíaco acelerado
  • Suor
  • Pele ou a parte branca dos olhos com cor amarelada (icterícia)
  • Choque.

Outras condições que têm sintomas semelhantes: obstrução intestinal, apendicite, colecistite, úlcera péptica, e diverticulite.

Buscando ajuda médica

Marque uma consulta com seu médico se você tiver dor abdominal persistente. Procure ajuda médica imediatamente se a dor abdominal é tão grave que você não pode ficar parado ou encontrar uma posição que o torna mais confortável.

Quando a dor abdominal é descrita como uma dor intensa em faixa, no meio do abdômen, que se irradia para as costas pode indicar problemas no pâncreas. A sensação só melhora quando a pessoa assume a pose de prece maometana (com os joelhos apoiados no chão e a cabeça baixa, deixando o quadril voltado para cima).

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a pancreatite são:

  • Clínico geral
  • Gastroenterologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando você começou a sentir os sintomas?
  • Seus sintomas são contínuos ou ocasionais?
  • Quão severos são seus sintomas?
  • O que, se alguma coisa, parece melhorar seus sintomas?
  • O que, se alguma coisa, parece piorar seus sintomas?
  • Você já teve esses sintomas antes?
  • Você já foi diagnosticado com pancreatite no passado?
  • Você bebe álcool? Se sim, com que frequência e quantas vezes você bebe?
  • Você começou algum medicamento novo antes do início dos sintomas?
  • Existe história familiar de alguma doença do pâncreas?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para pancreatite, algumas perguntas básicas incluem:

  • O que provavelmente está causando meus sintomas ou condição?
  • Quais são outras possíveis causas para meus sintomas ou condição?
  • Que tipos de testes eu preciso fazer?
  • Minha condição é provavelmente temporária ou crônica?
  • Qual é o melhor tratamento?
  • Eu tenho outras condições de saúde. Como posso administrar melhor a pancreatite juntamente com essas condições?
  • Há alguma restrição que eu precise seguir?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Pancreatite

Se o médico acha que você tem pancreatite, ele ou ela vai fazer perguntas sobre seu histórico médico e fazer um exame físico, juntamente com exames laboratoriais e de imagem.

Exames

Os principais exames a serem realizados para diagnosticar a pancreatite são:

Dois testes de sangue que medem as enzimas são usados para diagnosticar um ataque de pancreatite:

  • Amilase sérica: Um aumento de amilase no sangue geralmente indica pancreatite
  • Lipase sérica: Pancreatite aguda geralmente aumenta o nível de lipase no sangue.

Outras análises de sangue podem ser feitas, tal como:

  • Hemograma completo: O número de células brancas do sangue aumenta durante um ataque de pancreatite, por vezes de forma dramática
  • Testes de função hepática: Elevação das enzimas hepáticas, particularmente de alanina aminotransferase e fosfatase alcalina, pode ser um sinal de pancreatite aguda causada por cálculos biliares
  • Bilirrubina: O nível de bilirrubina no sangue pode aumentar se o ducto biliar comum é bloqueado.

Os exames de imagem que podem ser feitos incluem:

  • Tomografia computadorizada com contraste corante
  • Ultrassonografia abdominal
  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica
  • Ultrassonografia endoscópica
  • Ressonância magnética
  • Colangiopancreatografia por ressonância magnética.

Se o seu médico não tem certeza se o seu tecido pancreático está infectado, ele ou ela pode usar uma agulha para tirar algum fluido da área inflamada. O fluido é então testado por organismos que podem causar a infecção.

Nos casos de pancreatite crônica grave, uma análise de fezes pode ser feita para observar se há gordura nas fezes, o que é um sinal de que você pode não estar absorvendo nutrientes o suficiente. Isso acontece quando o pâncreas não produz as enzimas necessárias para digerir a gordura.

Tratamento de Pancreatite

O tratamento para a pancreatite geralmente requer hospitalização. Uma vez que sua condição está estabilizada e a inflamação no pâncreas é controlada, os médicos podem tratar a causa subjacente de sua pancreatite.

Medidas iniciais para controlar a inflamação no pâncreas são:

  • Jejum
  • Uma vez que a inflamação no pâncreas é controlada, você pode começar a beber líquidos claros e comer comidas com pouca gordura e proteína. Com o tempo, você pode voltar a sua dieta normal
  • Se a pancreatite persistir e você ainda sentir dor ao comer, o médico pode recomendar alguns medicamentos no sentido de controlar a dor e/ou repor as enzimas pancreáticas
  • Terapia intravenosa. Como seu corpo dedica energia e fluidos para reparar seu pâncreas, você pode ficar desidratado. Por esta razão, você vai receber líquidos através de uma veia em seu braço durante a permanência no hospital.

Quanto tempo você ficar no hospital dependerá de sua situação. Algumas pessoas se recuperam rapidamente, enquanto outras desenvolvem complicações que exigem uma internação mais longa.

Uma vez que a pancreatite está sob controle, a equipe de cuidados de saúde pode tratar a causa subjacente de sua pancreatite. O tratamento dependerá da causa da sua pancreatite, mas exemplos de tratamento podem incluir:

  • Procedimentos para remover obstruções biliares
  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica
  • Cirurgia para retirar cálculos da vesícula biliar cirurgia
  • Cirurgia para drenar o líquido do pâncreas ou remover tecido doente
  • Tratamento para a dependência do álcool.

A pancreatite crônica pode exigir tratamentos adicionais, dependendo da sua situação. Outros tratamentos para pancreatite crônica podem incluir:

  • Medicamentos para aliviar a dor
  • Dor severa pode ser aliviada com cirurgia para bloquear os nervos que enviam sinais de dor do pâncreas para o cérebro
  • Suplementos de enzimas pancreáticas para ajudar seu corpo a quebrar e processar os nutrientes nos alimentos que você come
  • Alterações em sua dieta. Um nutrólogo ou nutricionista pode ajudar a planejar refeições de baixo teor de gordura e ricas em nutrientes.

O tratamento para pancreatite aguda frequentemente exige hospitalização do paciente. Uma vez que a inflamação no pâncreas foi estabilizada e estiver sob controle, os médicos poderão investigar e tratar uma possível causa subjacente. O tratamento da condição que causou pancreatite aguda pode evitar crises repetidas da doença.

No hospital, o tratamento oferecido geralmente envolve o uso de medicamentos, como:

  • Analgésicos
  • Líquidos intravenosos
  • Interrupção da alimentação pela boca para limitar a atividade do pâncreas.

Ocasionalmente, um tubo será inserido pelo nariz ou pela boca para remover o conteúdo do estômago (sucção nasogástrica). Isso pode ser feito se os vômitos ou a dor forte não apresentarem melhoras, ou se o intestino ficar paralisado (íleo paralítico). O tubo ficará inserido de um a dois dias até de uma a duas semanas.

Em alguns casos, a terapia é necessária para:

  • Drenar líquido que tenha se acumulado dentro e ao redor do pâncreas
  • Remover cálculos biliares
  • Aliviar bloqueios do duto pancreático.

Medicamentos para Pancreatite

Os medicamentos mais usados para o tratamento de pancreatite são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Pancreatite tem cura?

De acordo com o gastroenterologista Henrique Schleinstein, existem sim cura para pancreatite, desde que seja tratada adequadamente e precocemente. Existem vários métodos endoscópicos como a colangiopancreatografia endoscópica que pode extrair cálculos e drenar a via biliar em casos graves.

Complicações possíveis

A pancreatite pode ser controlada com um estilo de vida saudável e tratamento médico, quando necessário. Entretanto, alguns pacientes desenvolvem complicações. Estas complicações são raras, mas são mais comuns em pessoas com pancreatite crônica:

Pacientes que têm pancreatite aguda também podem estar em risco de desenvolver problemas respiratórios.

Convivendo/ Prognóstico

Após iniciar o tratamento,o paciente deve tomar algumas medidas para acelerar a recuperação de pancreatite, como:

  • Pare de ingerir álcool: Caso você seja incapaz de interromper o uso de álcool sozinho, procure ajuda
  • Pare de fumar: Caso você seja incapaz de interromper o tabagismo sozinho, procure ajuda
  • Mude sua dieta: Faça uma dieta com baixo teor de gordura e prioriza frutas e vegetais, grãos integrais e proteínas magras frescas
  • Beba mais líquidos: A pancreatite pode causar desidratação, por isso é necessário beber mais líquidos durante todo o dia.

Prevenção

Você não pode impedir completamente a pancreatite causada por cálculos biliares. Mas você pode ser capaz de reduzir o risco de cálculos biliares se formarem mantendo um peso saudável, fazendo uma dieta equilibrada e praticando exercício físico regular.

Você pode reduzir a sua chance de ter pancreatite não ingerindo bebida alcoólica. A quantidade de álcool necessária para causar pancreatite varia de uma pessoa para outra. Geralmente, o consumo moderado é considerado não mais do que duas bebidas alcoólicas por dia para homens e uma por dia para mulheres e pessoas mais velhas.

Fumar pode aumentar suas chances de ter pancreatite. Se você fuma, é uma boa ideia interromper.

Revisado por: Décio Chinzon, gastroenterologista do laboratório Atalaia - CRM SP 49552

Henrique Perobelli Schleinstein - Gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

Mayo Clinic. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/pancreatitis/diagnosis-treatment/drc-20360233

Ministério da Saúde

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.