Neuropatia periférica Icone para edição

A neuropatia periférica é uma condição comum que afeta os nervos periféricos, responsáveis por encaminhar informações do cérebro e da medula espinhal para o restante do corpo. A neuropatia periférica pode causar danos permanentes aos nervos, sendo muitas vezes um problema incapacitante e até mesmo fatal.

Sintomas:

Os sinais e sintomas da neuropatia periférica dependem principalmente do nervo que foi lesado. Os sintomas também dependem se a lesão afeta apenas um nervo, vários nervos ou o corpo todo.

Formigamento, dormência e sensação de queimação nos braços e nas pernas podem ser sinais precoces de nervo lesionado. Essas sensações geralmente iniciam nos pés, dedos dos pés e nas pernas.

Pode haver, ainda, a perda da sensação das pernas e dos braços. Por essa razão, uma pessoa com esse problema talvez não perceba se pisar em algo pontiagudo e talvez não consiga sentir a diferença entre superfícies frias ou quentes.

Os danos causados aos nervos podem dificultar o controle dos músculos e causar fraqueza, além de problemas para mover uma parte do corpo.

Tarefas simples, como abotoar uma camisa, podem se tornar mais difíceis por causa da neuropatia periférica. É possível que a pessoa note, também, contrações ou cãibras em seus músculos. Os músculos podem diminuir.

Pessoas com danos nervosos podem ter dificuldade para digerir os alimentos. Azia, vômitos, náuseas, tontura, fraqueza e problemas para deglutição são alguns dos principais sintomas.

A angina é uma dor no peito que funciona como sinal de aviso para doença ou ataque cardíaco. O nervo danificado pela neuropatia periférica pode "ocultar" esse sinal de aviso.

  • Problemas sexuais. Homens podem ter problemas com ereção e mulheres podem ter problemas com secura vaginal ou em orgasmos
  • Algumas pessoas podem não ser capazes de saber quando a glicose no sangue estiver muito baixa
  • Problemas de bexiga, entre os quais podem incluir vazamento de urina e dificuldades para urinar.

Diagnóstico:

Um histórico médico detalhado ajudará o especialista a determinar a causa da neuropatia periférica. Um exame do cérebro e do sistema nervoso (chamando de exame neurológico) pode revelar problemas com o movimento, a sensibilidade ou o funcionamento dos órgãos.

Os exames de sangue podem ser feitos para detectar doenças como diabetes, deficiências vitamínicas, problemas na tireoide ou outras doenças. Mas outros exames são escolhidos pelos médicos para encontrar e classificar exatamente a neuropatia apresentada pelo paciente. Estes são:

  • Eletroneuromiografia: um registro da atividade elétrica nos músculos
  • Testes de velocidade da condução nervosa (VCN): registro da velocidade na qual os sinais se deslocam ao longo dos nervos
  • Biópsia do nervo: retirada de uma pequena mostra do nervo para observá-la por meio do microscópio

Tratamento:

Os principais objetivos do tratamento de neuropatia periférica é tratar a causa, controlar os sintomas, interromper a lesão ao nervo e garantir uma melhor qualidade de vida para o paciente. O tratamento da causa, geralmente, já ajuda a melhorar os sintomas.

O uso de álcool deve ser interrompido completamente e, se necessário, haverá, também, a necessidade de repor vitaminas e realizar alterações significativas na dieta.

Alguns pacientes podem precisar de cirurgia para interromper a lesão no nervo. Além disso, é possível que o tratamento também envolva seções de fisioterapia para retomar a força e o controle muscular.

Os medicamentos podem ajudar a reduzir a dor nos pés, nas pernas e nos braços, mas eles geralmente não trazem de volta a sensibilidade.

Analgésicos poderão ser indicados pelos médicos. Os medicamentos usados para tratar outros problemas médicos, como convulsões ou depressão, também podem ajudar a controlar a dor.

Há medicamentos que podem ajudar também nos problemas de ereção em homens. Consulte um médico sobre a possibilidade de fazer uso destes.

Prognóstico:

A segurança dentro de casa é muito importante para pessoas com neuropatia, pois ela pode aumentar o risco de quedas e outras lesões.

Remova os fios soltos e tapetes dos lugares por onde você caminha, não tenha animais pequenos em casa e conserte pisos irregulares nas portas. Garanta uma boa iluminação dos ambientes, instale corrimãos na banheira ou chuveiro e próximo ao vaso sanitário e procure colocar um tapete antiderrapante no box do chuveiro.

Use calçados para proteger seus pés de lesões. Verifique-os todos os dias, observe a parte de cima, os lados, a sola, o calcanhar e entre os dedos para verificar se há presença de feridas. Evite, também, pressionar as áreas com lesão dos nervos por muito tempo.

Usar meias elásticas pode ajudar a tratar a baixa pressão arterial e eventuais desmaios decorrentes da neuropatia. Dormir com a cabeça elevada também pode ajudar, assim como alguns medicamentos.

Há algumas formas de ajudar a combater os problemas de bexiga. Além de medicamentos, aprender exercícios para fortalecer os músculos do assoalho pélvico e usar um tubo fino inserido na bexiga (cateter urinário) pode ajudar no tratamento caseiro aliado ao tratamento médico.

Complicações:

Complicações da neuropatia periférica podem incluir:

Como partes do corpo pode apresentar dormência, um paciente com essa condição pode ser menos propensa a sentir mudanças de temperatura ou dor. Isso pode torná-lo mais suscetível a queimaduras ou traumas na pele.

A ausência de sensibilidade em regiões inferiores do corpo, como pernas, pés e dedos dos pés pode causar infecções, especialmente em pessoas com diabetes.

Neuropatia periférica tem cura?

O resultado do tratamento da neuropatia periférica depende da causa da lesão do nervo. Quando a doença é detectada e tratada, o prognóstico costuma ser excelente. Entretanto, em neuropatias graves, a lesão nervosa pode ser permanente, mesmo que a causa seja tratada.

A dor crônica pode ser um grande problema para alguns pacientes. As pessoas com dormência nos pés podem ter feridas na pele que não cicatrizam. Elas também correm o risco de deformidades na articulação. Raramente, a dormência nos pés pode levar à amputação.

Na maior parte das neuropatias hereditárias, não há cura. Alguns desses problemas não interferem na vida diária, outros pioram muito rapidamente e podem levar a sintomas e problemas graves e de longo prazo.

Prevenção:

Você pode reduzir o risco de neuropatia periférica por meio de algumas medidas. Confira:

  • Beba álcool com moderação
  • Siga uma dieta balanceada e rica em vitaminas
  • Mantenha o diabetes e outros problemas médicos controlados.

Ministério da Saúde

National Institute of Neurological Disorders and Stroke

American Podiatric Medical Association

The Neuropathy Association

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.