Náusea e vômitos Icone para edição

Náuseas e vômitos são sintomas muito comuns que podem ser causados por uma grande variedade de condições. O vômito é um reflexo incontrolável que expele o conteúdo do estômago através da boca. Náusea é o termo usado para descrever a sensação de que você vai vomitar, mas não são os vômitos em si, nem significam que você irá vomitar com certeza.

Ambos os sintomas são muito comuns e pode ser causados por uma ampla variedade de fatores. Eles ocorrem em crianças e adultos, embora sejam mais comuns em mulheres grávidas e pacientes submetidos a tratamentos de câncer.

Normalmente o vômito é inofensivo, mas pode ser um sinal de uma doença mais grave. Alguns exemplos de doenças graves que podem resultar em náusea ou vômito incluem infarto agudo do miocárdio, contusões, meningite, obstrução intestinal, apendicite e tumores cerebrais.

Raramente, vômitos podem rasgar a mucosa do esôfago e causar sangramento, também conhecido como uma síndrome de Mallory-Weiss. Se o esôfago é rompido e perfurado, isso é chamado de síndrome de Boerhaave, e é uma emergência médica.

Durante a gravidez, podem ocorrer vômitos em decorrência das alterações hormonais. Por outro lado, vômitos recorrentes podem estar associados a uma condição chamada hiperêmese gravídica, em que a mãe pode desenvolver desequilíbrios de fluidos e minerais, que colocam em perigo a sua vida ou a do feto.

As causas mais comuns de vômitos em crianças são as infecções virais e intoxicação alimentar. No entanto, o vômito também pode ser causado por cinetose, tosse e comer demais.

Em crianças muito jovens, bloqueios no intestino também podem causar vômitos persistentes. Os intestinos podem ser bloqueados por uma hérnia, cálculos biliares ou tumores. Isso é raro, mas deve ser investigado.

A maioria dos adultos raramente vomita. Quando isso ocorre, o vômito é geralmente causado por abuso de álcool ou outras substâncias, uma infecção bacteriana ou viral, ou um tipo de intoxicação alimentar. Em alguns casos, vômitos também podem ser ocasionados por outras doenças, como doenças cardiovasculares, neoplasias e infecções.

Cuidados

Tratamento para vômitos (independentemente da idade ou causa) inclui:

  • Beber maiores quantidades de água gradualmente
  • Evitar alimentos sólidos até que o episódio de vômitos passe
  • Temporariamente tome cuidado com todas as medicações orais que podem irritar o estômago e piorar os vômitos. No entanto, não interrompa qualquer medicação antes de verificar com seu médico
  • Se os vômitos e diarreia durarem mais de 24 horas, uma solução de reidratação oral, tal como bebidas isotônicas, deve ser utilizada para prevenir e tratar a desidratação.

Vômitos associados à tratamentos de câncer muitas vezes podem ser tratados com um outro tipo de terapia medicamentosa. Há também medicamentos que podem ser utilizados para controlar os vômitos associados com gravidez, cinetose e algumas formas de tonturas. No entanto, consulte um médico antes de usar estes tratamentos.

Complicações:

Vômitos persistentes podem causar desidratação, desnutrição e afetar o esmalte dos dentes.

Os adultos têm um menor risco de desidratação, quando comparados aos extremos de idade. As crianças têm um maior risco de desidratação, especialmente se elas também também estiverem com diarreia.

Adultos que cuidam de crianças doentes precisam estar cientes destes sinais visíveis de desidratação:

  • Lábios e boca secos
  • Olhos encovados
  • Respiração rápida
  • Pulso rápido

Em lactentes, também é importante prestar atenção para diminuição da urina e fontanelas afundadas (topo da cabeça do bebê).

Prevenção:

Quando você começa a se sentir enjoado, é possível evitar o vômito com algumas atitudes:

  • Beba pequenas quantidades de líquidos claros
  • Descanse na posição sentada. Excesso de atividade pode piorar a náusea e levar a vômitos
  • Evite ler ou usar tablets e smartphones em viagens, especialmente para aqueles que sofrem de cinetose.

Ministério da Saúde

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.