Micose (Tinha) Icone para edição

Micoses são infecções causadas por fungos que atingem a pele, unhas e cabelos. Na verdade, alguns tipos de fungos vivem naturalmente em nosso corpo sem causar qualquer tipo de sintoma. No entanto, se eles começam a se reproduzir rapidamente podem causar doenças. Os fungos se alimentam da queratina presente em nossa pele, unhas e cabelos. Quando encontram condições favoráveis, como calor, umidade, baixa de imunidade ou uso de antibióticos sistêmicos por longo prazo, estes fungos podem se proliferar.

Tipos:

Popularmente conhecida como pano branco, a pitiríase versicolor é caracterizada por pequenas manchas esbranquiçadas que escamam. Podem estar agrupadas ou isoladas, e normalmente surgem na parte superior dos braços, tronco, pescoço e rosto. Sua superfície tem uma descamação fina, com a tonalidade variando entre o branco, rosado ou castanho, e raramente coçam.

A pitiríase versicolor é mais comum em adolescentes e jovens, sendo que pessoas de pele oleosa estão mais suscetíveis a apresentar este tipo de micose. O tratamento pode ser feito com medicamentos tópicos ou orais. No entanto, esta micose pode voltar ao corpo por várias vezes.

É uma micose que apresenta manchas vermelhas de superfície escamosa, bordas bem nítidas e que coçam. Quando acomete os pés, a tinha pode ser chamada de “pé-de-atleta” – mas elas podem aparecem em qualquer lugar do corpo. Nas crianças, é comum que apareçam no couro cabeludo. Forma-se uma placa com crostas que causam coceira intensa, parecendo que o cabelo foi cortado naquela região.

São as micoses das unhas, tanto dos pés quanto das mãos. A unha se torna mais grossa e descolada, podendo haver mudanças em sua cor e forma. Geralmente começa como uma mancha de cor clara pequena. Conforme se espalha, a cor se altera e a unha torna-se mais espessa e mais frágil. Muitas vezes, é doloroso e recorrente.

Sintomas:

A micose se caracteriza pelo surgimento de manchas brancas ou vermelhas que causam coceiras, tem a borda da lesão mais evidente e às vezes crostosa. Manifestam-se mais frequentemente em áreas de dobras (como axilas, virilhas, entre os dedos das mãos e pés), mas que também podem ocorrer em qualquer outra área do corpo. Quando acometem áreas entre os dedos, podem ocorre dor e fissuras.

Diagnóstico:

A micose geralmente é diagnosticada pela sua aparência. O médico ou médica pode pedir para você descrever os sintomas e como eles progrediram. Outras ferramentas de diagnóstico podem ser usadas, dependendo do tipo de micose. Pedaços da sua unha ou pele podem ser raspados para uma análise em microscópio.

Tratamento:

O tratamento das micoses é variável. As tinhas tendem a ter tratamentos mais curtos e as onicomicoses mais prolongados. Não interrompa mesmo que os sintomas tenham terminado, pois o fungo das camadas mais profundas pode resistir.

As micoses são tratadas com uma variedade de drogas antifúngicas. O tipo que você usa depende de onde a infecção está localizada e o quão grave ela é.

Para infecções superficiais, você pode usar um creme antifúngico. Infecções mais graves, incluindo aquelas que afetam as unhas, podem exigir comprimidos orais ou injeções. Muitos medicamentos antifúngicos são tóxicos para o fígado, de forma que os pacientes devem ser cuidadosamente monitorados.

Continue o uso da medicação pelo tempo indicado pelo médico. As micoses das unhas são as mais difíceis, o tratamento tem maior duração, podendo ser necessário manter a medicação por mais de doze meses. A persistência é fundamental para obter sucesso nestes casos.

De acordo com o dermatologista Cristiano Kakihara, tratamentos caseiros como o uso de babosa, limão, bicarbonato de sódio e iogurte não têm comprovação científica alguma para melhorar a micose

Para entender mais sobre os tratamento caseiros para micose, clique aqui!

Prevenção:

O fungo precisa de três coisas para proliferar: calor, pele e umidade. Assim, por estarmos na época mais quente do ano já preenchemos dois dos três requisitos. O especialista recomenda, portanto, enxugar-se bem após o banho. Dê atenção especial aos dedos dos pés e as dobrinhas do corpo, como a virilha, onde é melhor secar com papel higiênico, que toalha.

O tecido sintético esquenta e não absorve o suor do corpo, criando um ambiente quente e úmido, favorável à proliferação de fungos. Já roupas apertadas podem machucar as dobras do corpo e o desgaste da pele serve de alimento aos fungos, contribuindo com a sua multiplicação. Use roupas leves e confortáveis.

O suor excessivo favorece a recidiva de alguns tipos de fungos e deve ser controlado. Assim, use roupas de algodão, que absorvem o suor, aposte em antitranspirantes e tome quantos banhos achar necessários diariamente. Mas evite banhos muito quentes que podem ressecar a pele. Se, mesmo assim, o suor atrapalhar, procure um dermatologista para entender a causa do problema.

A umidade dos pés favorece o desenvolvimento de algumas micoses e alguns fungos são transmitidos de uma pessoa para a outra. Por isso, evite andar descalço em lugares públicos. Lembre-se, entretanto, de permitir que seus pés respirem e use chinelos ou sandálias que não sejam de plástico, pois este material favorece a transpiração.

Como alguns tipos de fungos podem ser transmitidos, recomenda-se evitar o compartilhamento de qualquer vestuário. Adquira seu próprio chinelo, roupão e até chapéu.

Ao sair do mar ou piscina, procure secar ou trocar a roupa de banho. Como ela demora para secar, cria um ambiente aquecido e úmido em contato com nossa pele.

Assim como as roupas, alicates e cortadores de unhas também podem transmitir fungos causadores da micose. Cada pessoa deve ter seu kit individual de unhas.

Por serem objetos cortantes e que, portanto, podem conter sangue, eles mantém os fungos ativos por mais tempo podendo ocorrer a transmissão até mesmo bastante tempo depois que o portador da doença tiver usado.

Clínica Mayo – organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos que reúne conteúdos sobre doenças, sintomas, exames médicos, medicamentos, entre outros.

Manual Merck - livros de referência médica produzidos pela empresa farmacêutica Merck & Co., que cobrem uma ampla gama de temas médicos, incluindo doenças, testes, diagnósticos e medicamentos.

Sociedade Brasileira de Dermatologia – instituição que atua na promoção de ensino e pesquisa nas áreas de dermatologia clínica, cirúrgica, oncológica, cosmiátrica e hansenologia.

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.