Lombalgia Icone para edição

A lombalgia pode ser definida como uma dor na região lombar, ou seja, na região mais baixa da coluna perto da bacia. É também conhecida como "lumbago", "dor nas costas", "dor nos rins" ou "dor nos quartos".

A dor pode se estender para a região das nádegas, face posterior das coxas mas não muito além do joelho, sem comprometer um trajeto de nervo específico.

Um por cento dos pacientes com lombalgia aguda tem ciática, que é definida como dor irradiada para o território de uma raiz nervosa lombar, frequentemente acompanhada de sintomas como dificuldade para andar e formigamento.

É um problema muito prevalente e pode ser causa de incapacidade. Mais de 90% da população mundial sofre episódio de dor lombar em algum momento da vida e a lombalgia é a segunda causa mais frequente de procura pelos serviços médicos.

Diagnóstico:

Em mais de 90% das vezes, o diagnóstico e a causa são estabelecidos com uma boa conversa com o paciente e com um exame físico bem feito.

Exames complementares de imagem como raio X, ultrassom, tomografia computadorizada e ressonância magnética não costumam ser solicitados, mas podem ser pedidos apenas para a confirmação de uma suspeita para o diagnóstico da lombalgia

O exame físico inicial deve ser capaz de identificar uma doença grave como infecção, fratura ou compressão de nervo.

O raio X deve ficar restrito aos casos suspeitos de doença lombar grave, baseada nos sinais de alerta. Em alguns guias de condutas o raio-x é sugerido como exame opcional nos casos de lombalgia persistente por mais de 4 a 6 semanas.

Uma revisão sistemática recente sobre exames de imagem concluiu que para adultos menores que 50 anos de idade, sem sintomas sistêmicos (febre, emagrecimento, tosse) o exame de imagem não modificou o tratamento da dor lombar.

Prevenção:

Muitos fatores são importantes para evitar que uma lombalgia aguda se torne crônica. A correção postural, principalmente na maneira de se sentar no trabalho e na escola é essencial. Na fase aguda, a ginástica é importante. Quando fizer exercício com pesos na ginástica, proteja a coluna deitando ou sentando com apoio nas costas. Sempre evitar carregar peso. Não permanecer curvado por muito tempo. Quando se abaixar no chão, dobrar os joelhos e não dobrar a coluna. Para outros esclarecimentos, consulte o seu médico ortopedista.

Sociedade Brasileira de Fisioterapia

Ministério da Saúde

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.