Leucemia Icone para edição

A leucemia é uma doença maligna dos glóbulos brancos (leucócitos) de origem, na maioria das vezes, não conhecida. Ela tem como principal característica o acúmulo de células jovens (blásticas) anormais na medula óssea, que substituem as células sanguíneas normais.

A medula é o local de formação das células sanguíneas, ocupa a cavidade dos ossos e é conhecida popularmente por tutano. Nela são encontradas as células mães ou precursoras, que originam os elementos do sangue: glóbulos brancos, glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) e plaquetas.

O tratamento para leucemia pode ser complexo, dependendo do tipo de leucemia e outros fatores. No entanto, existem estratégias e recursos que podem ajudar a tornar o seu tratamento bem sucedido.

No Brasil, atualmente a leucemia é o 9º câncer mais comum entre os homens e o 11º entre as mulheres. (1)

Os médicos classificam a leucemia com base na velocidade de progressão e no tipo de células envolvidas. O primeiro tipo de classificação é a rapidez com que a leucemia progride:

- Leucemia aguda: Na leucemia aguda, as células sanguíneas anormais são células sanguíneas imaturas (explosões). Eles não podem realizar suas funções normais e se multiplicam rapidamente, então a doença piora rapidamente. A leucemia aguda requer tratamento agressivo e atempado.

- Leucemia crônica: Existem muitos tipos de leucemias crônicas. Alguns produzem muitas células e outros têm um déficit na produção de células. A leucemia crônica envolve células sanguíneas mais maduras. Estas células do sangue replicam ou acumulam mais lentamente e podem funcionar normalmente por um longo período de tempo. Algumas formas de leucemia crônica inicialmente não produzem sintomas iniciais e podem passar despercebidas ou não diagnosticadas por anos.

O segundo tipo de classificação é como o glóbulo branco é afetado:

- Leucemia linfocítica: Este tipo de leucemia afeta as células linfóides (linfócitos), que formam tecido linfático ou linfático. O tecido linfático compõe seu sistema imunológico.

- Leucemia mielógena: Este tipo de leucemia afeta as células mieloides. As células mieloides geram glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e células produtoras de plaquetas.

Tipos:

Os principais tipos de leucemia são:

Este é o tipo mais comum de leucemia em crianças pequenas. TODOS também podem ocorrer em adultos. A ALL é o tipo de câncer mais comum durante a infância, não é uma doença hereditária e suas causas ainda não são conhecidas. Atualmente, 90% das crianças em tratamento chegam à cura.

A doença ocorre quando as células-tronco, responsáveis por dar origem aos componentes do sangue (glóbulos brancos, que combatem as infecções; glóbulos vermelhos, que fazem oxigenação do organismo; e plaquetas, que impedem as hemorragias), sofrem alterações.

Leucemia mieloide aguda é um tipo de câncer nas células do sangue e na medula óssea, região em que as células do sangue são produzidas. Esse tipo de leucemia ataca as células mieloides, que normalmente se desenvolvem formando alguns tipos de glóbulos brancos, que funcionam na defesa do nosso corpo, principalmente contra infecções. A AML ocorre em crianças e adultos. Saiba tudo sobre a AML aqui.

A leucemia linfoide crônica é um subtipo de leucemia conhecido desde 1903. Ocorre em virtude de uma lesão adquirida, ou seja, não hereditária, no material genético de um linfócito na medula-óssea. Esta célula passa a proliferar sem controle e a invadir diferentes tecidos e o sistema sanguíneo. Com CLL, a leucemia crônica mais comum, você pode se sentir bem durante anos sem precisar de tratamento. Saiba mais sobre esse tipo de leucemia aqui.

Este tipo de leucemia afeta principalmente os adultos. Uma pessoa com LMC pode ter poucos ou nenhum sintoma durante meses ou anos antes de entrar em uma fase em que as células de leucemia crescem mais rapidamente.

A LMC se distingue dos outros tipos de leucemia pela presença de uma anormalidade genética nos glóbulos brancos, denominada cromossomo Philadelphia (Ph+). Os cromossomos das células humanas compreendem 22 pares (numerados de 1 a 22 e dois cromossomos sexuais), num total de 46 cromossomos. Nos pacientes com a doença, estudos mostraram que existe uma translocação (fusão de uma parte de um cromossomo em outro cromossomo) em dois cromossomos, os de número 9 e 22, caracterizando assim a leucemia mieloide crônica.

Existem outros tipos mais raros de leucemia, incluindo leucemia de células pilosas, síndromes mielodisplásicas e distúrbios mieloproliferativos.

Sintomas:

Os sintomas de leucemia estão relacionados ao tipo de condição de saúde que a pessoa apresenta. Os principais sintomas da leucemia decorrem do acúmulo de células na medula óssea, prejudicando ou impedindo a produção dos glóbulos vermelhos (causando anemia), dos glóbulos brancos (causando infecções) e das plaquetas (causando hemorragias).

A leucemia de crescimento lento ou crônica pode não causa quaisquer sintomas no início, enquanto a leucemia de cunho agressivo ou de rápido crescimento pode levar a sintomas graves.

  • Febre ou calafrios
  • Fadiga
  • Fraqueza
  • Infecções frequentes ou graves
  • Perda de peso sem esforço
  • Aumento do fígado ou do baço
  • Sangramento fácil ou hematomas
  • Hemorragias nasais recorrentes
  • Manchas vermelhas minúsculas na pele
  • Transpiração excessiva (principalmente à noite)
  • Dor nos ossos ou articulações.

Em caso de células que se infiltram no cérebro, sintomas como dores de cabeça, convulsões, perda de controle muscular e vômito podem ocorrer.

Diagnóstico:

As manifestações clínicas da leucemia aguda são secundárias à proliferação excessiva de células imaturas da medula óssea, que infiltram os tecidos do organismo, tais como: amígdalas, linfonodos (ínguas), pele, baço, rins, sistema nervoso central (SNC) e outros. A fadiga, palpitação e anemia aparecem pela redução da produção dos eritrócitos pela medula óssea. Infecções que podem levar ao óbito são causadas pela redução dos leucócitos normais (responsáveis pela defesa do organismo).

Verifica-se tendência a sangramentos pela diminuição na produção de plaquetas (trombocitopenia). Outras manifestações clínicas são dores nos ossos e nas articulações. Elas são causadas pela infiltração das células leucêmicas nos ossos. Dor de cabeça, náuseas, vômitos, visão dupla e desorientação são causados pelo comprometimento do SNC.

Tratamento:

O tratamento para sua leucemia depende de muitos fatores. O médico irá determinar as opções de tratamento de leucemia com base em na idade e saúde geral, o tipo de leucemia que você tem ou se já espalhou para outras partes do corpo, incluindo o sistema nervoso central.

Os tratamentos comuns utilizados para combater a leucemia incluem:

A quimioterapia é a principal forma de tratamento para leucemia. Este tratamento de drogas usa substâncias químicas para matar células de leucemia.

Dependendo do tipo de leucemia que você tem, você pode receber um único medicamento ou uma combinação de drogas. Essas drogas podem vir em uma forma de pílula, ou podem ser injetadas diretamente em uma veia.

A terapia biológica funciona usando tratamentos que ajudam seu sistema imunológico a reconhecer e atacar células de leucemia.

A terapia direta usa drogas que atacam vulnerabilidades específicas dentro de suas células cancerígenas.

Por exemplo, o fármaco imatinib (Gleevec) para a ação de uma proteína dentro das células de leucemia de pessoas com leucemia mielóide crônica. Isso pode ajudar a controlar a doença.

A terapia de radiação usa raios-X ou outros feixes de alta energia para danificar células de leucemia e parar seu crescimento. Durante a terapia de radiação, você mente em uma mesa enquanto uma grande máquina se move ao seu redor, direcionando a radiação para pontos precisos em seu corpo.

Você pode receber radiação em uma área específica do seu corpo onde há uma coleção de células de leucemia, ou você pode receber radiação sobre todo o seu corpo. A radioterapia pode ser usada para preparar um transplante de células estaminais.

Um transplante de células estaminais é um procedimento para substituir sua medula óssea doente por medula óssea saudável.

Antes de um transplante de células estaminais, você recebe altas doses de quimioterapia ou radioterapia para destruir sua medula óssea doente. Então você recebe uma infusão de células-tronco formadoras de sangue que ajudam a reconstruir sua medula óssea.

Você pode receber células-tronco de um doador, ou, em alguns casos, você pode usar suas próprias células-tronco. Um transplante de células estaminais é muito semelhante a um transplante de medula óssea.

Leucemia tem cura?

A cura depende de uma série de fatores, principalmente do tempo que a leucemia leva para ser diagnosticada.

Quanto mais cedo houver o diagnóstico correto que identifica o tipo específico desta enfermidade, mais chances há de cura.

As principais formas de cuidado são: a radioterapia, a quimioterapia e o transplante de medula. Mas, o tipo específico é fator relevante.

Complicações:

A maioria das complicações são graves e , se não forem tratadas rapidamente, podem levar o paciente ao óbito. Entre as complicações temos:

  • Hemorragias
  • Infecções
  • Comprometimento do Sistema Nervoso Central
  • Complicações testiculares
  • Anemia grave
  • Sepse

Prognóstico:

Os cuidados são diferentes de acordo com o tipo de leucemia.Mas, nas leucemias agudas e/ou durante tratamento com quimioterapia, os pacientes:

  • Devem evitar aglomerações de pessoas durante a fase mais intensiva do tratamento por causa do risco de infecção
  • Quando estiverem em uma fase de baixa imunidade, não devem comer alimentos crus, como verduras, legumes e frutas. A carne crua também não pode ser consumida durante todo o tratamento por causa do risco de toxoplasmose
  • Não podem tomar as vacinas compostas por vírus vivos atenuados
  • Devem consultar o médico em caso de programação de viagem.

O diagnóstico de leucemia pode ser devastador - especialmente para a família de uma criança recém-diagnosticada. Com o tempo, é possível encontrar maneiras de lidar com a angústia e a incerteza do câncer. Veja algumas dicas que podem ajudar:

- Saiba o suficiente sobre leucemia para tomar decisões sobre seus cuidados: Pergunte ao seu médico sobre a sua leucemia, incluindo as suas opções de tratamento e, se quiser, o seu prognóstico. À medida que você aprende mais sobre leucemia, você pode se tornar mais confiante em tomar decisões de tratamento.

- Mantenha amigos e familiares próximos: Manter seus relacionamentos íntimos fortes irá ajudá-lo a lidar com sua leucemia. Amigos e familiares podem fornecer o apoio prático que você precisa, como ajudar a cuidar de sua casa se você estiver no hospital. E eles podem servir de apoio emocional quando você se sente sobrecarregado pelo câncer.

- Encontre alguém com quem conversar: Encontre um bom ouvinte que esteja disposto a ouvi-lo falar sobre suas esperanças e medos. Isso pode ser um amigo ou membro da família. A preocupação e a compreensão de um conselheiro, assistente social médico, membro do clero ou grupo de apoio ao câncer também podem ser úteis.

- Se cuide: É fácil ficar preso nos testes, tratamentos e procedimentos da terapia. Mas é importante cuidar de si mesmo, não apenas do câncer. Tente fazer tempo para yoga, cozinhar ou outros desvios favoritos.

Prevenção:

A única prevenção possível para leucemia é evitar os fatores de risco conhecidos.

Ministério da Saúde

(1) Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (2) Dra. Maria Cecilia Cordeiro Lima, oncologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. (3) Mayo Clinic

Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.