Infecção de ouvido Icone para edição

Embora existam diferentes tipos de infecções no ouvido, a mais comum é chamada de otite média aguda, que implica na inflamação e infecção do ouvido médio - localizado atrás do tímpano. Trata-se de uma infecção dolorosa, causada por vírus ou bactéria, que atinge mais crianças.

Sintomas:

Os sintomas da otite média aguda variam conforme a idade do indivíduo. Em crianças, por exemplo, os sinais mais comum de inflamação são:

  • Dor de ouvido
  • Empurrar e puxar a orelha
  • Dificuldade para dormir
  • Chorar mais do que o normal
  • Irritabilidade
  • Dificuldade para ouvir e responder a sons
  • Perda de equilíbrio
  • Febre alta
  • Drenagem de fluidos pelo canal do ouvido
  • Dor de cabeça
  • Perda de apetite

Já em adultos:

  • Dor de ouvido
  • Drenagem de fluidos pelo canal do ouvido
  • Diminuição da audição

Diagnóstico:

O diagnóstico de infecções no ouvido geralmente é feito baseado na descrição dos sintomas pelo exame clínico.

O médico poderá realizar o diagnóstico por meio de um instrumento chamado otoscópio, pelo qual ele poderá examinar o ouvido médio e avaliar quanto há de fluido.

Tratamento:

Muitas das infecções de ouvido se resolvem com tratamento à base de antibióticos. No entanto, em alguns casos, a inflamação desaparece da mesma forma que surgiu: de repente. Nesses casos, o médico poderá optar por não prescrever nenhum tipo de medicamento. Em situações como essa, o melhor remédio é o tempo.

Em outros casos, o tratamento tem como objetivo amenizar a dor. O médico poderá recomendar uma compressa morna na região do ouvido e também alguns remédios que não exigem prescrição médica. Gotas otológicas, que funcionam da mesma forma que colírios para os olhos, também podem ser usadas no tratamento, desde que prescritas pelo médico.

Caso a otite média seja recorrente, o médico poderá optar por um procedimento de drenagem do líquido existente dentro do ouvido médio. Para isso, ele realizará um furo muito pequeno dentro da membrana do tímpano que possibilitará o vazamento de fluidos internos e poderá ser colocado um tubo de ventilação ou dreno.

Complicações:

Grande parte das infecções de ouvido não causam complicações mais graves, mas a recorrência das inflamações pode acarretar em alguns problemas, como:

  • Audição prejudicada definitivamente. Em caso de inflamação, é comum que o paciente tenha dificuldade auditivas, mas quando passa a infecção o quadro se normaliza. No entanto, quando a inflamação é persistente, pode causar danos permanentes à audição da pessoa.
  • Infecção generalizada. Pode acontecer da inflamação sair do ouvido médio e se espalhar por tecidos próximos aos de origem, principalmente se o tratamento não surtir o efeito esperado.
  • Raramente, uma infecção mais grave pode se desenvolver, como mastoidite (uma infecção dos ossos ao redor do crânio) e meningite (uma infecção próxima ao cérebro).
  • Tímpano rompido ou perfurado
  • Infecções de ouvido crônicas e recorrentes
  • Formação de um abscesso ou tumor benigno (chamado de colesteatoma) causado por complicações de infecções de ouvido crônicas e recorrentes
  • Atraso no desenvolvimento da fala em crianças que sofrem de perda de audição duradoura causada por múltiplas infecções de ouvido recorrentes.

Infecção de ouvido tem cura?

As infecções de ouvido são tratáveis, mas podem voltar a ocorrer no futuro. Elas podem ser bastante dolorosas. Se forem receitados antibióticos para você ou seu filho, é importante terminar todo o medicamento conforme indicado.

Prevenção:

Algumas medidas podem ser tomadas para evitar infecções de ouvido. Confira:

  • Prevenir resfriados e gripes é sempre um bom começo. Como? Lavando bem as mãos, alimentando-se bem e não dividindo talheres e copos com outras pessoas.
  • Evite colocar seu filho em creches com muitas crianças em uma só turma.
  • Evite o cigarro. Se você fuma, pare. Se você não fuma, mas convive com fumantes, evite ao máximo o contato com a fumaça.
  • Mulheres, o conselho é amamentar seus bebês por pelo menos seis meses . Retarde o uso de mamadeiras e chupetas ao máximo. Se não, coloque seu filho em posição ereta na hora de tomar mamadeira. Nunca mamar deitado.
  • Vacine-se. Converse com seu médico sobre possíveis vacinas para você e seu filho.

Organização Mundial de Saúde

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.