Herpes Labial Icone para edição

O herpes labial é uma infecção viral e contagiosa nos lábios, na boca ou nas gengivas causada pelo vírus da herpes simples. A doença é caracterizada principalmente pelo surgimento de bolhas pequenas e doloridas.

Embora grande parte da população seja portadora do vírus, a doença pode não se manifestar em algumas pessoas. Quando a doença se manifesta, pode ocorrer episódios de pico da doença mais de uma vez ao ano.

Depois que o vírus do herpes infecta o paciente, ele segue por três estágios: (2)

- Infecção primária: o vírus entra na sua pele ou mucosa e se reproduz. Durante este estágio, podem desenvolver-se feridas bucais e outros sintomas, como febre. Contudo, o vírus podem não pode causar feridas e sintoma, sendo chamado de infecção assintomática. A infecção assintomática ocorre duas vezes mais vezes que a doença com sintomas.

- Latência: neste caso o vírus se move para uma massa de tecido nervoso em sua coluna chamada gânglio da raiz dorsal. O vírus se reproduz novamente e fica inativo.

- Recorrência: quando você encontra certos estresses, emocional ou físico, o vírus pode reativar e causar novas feridas e sintomas.

Tipos:

A herpes labial pode ter duas causas:

Normalmente associado a infecções dos lábios, da boca e da face. Esse é o vírus mais comum de herpes simples e muitas pessoas têm o primeiro contato com este vírus na infância. O HSV1 frequentemente causa feridas (lesões) nos lábios e no interior da boca, como aftas, ou infecção do olho (principalmente na conjuntiva e na córnea) e também pode levar a uma infecção no revestimento do cérebro (meningoencefalite). Pode ser transmitido por meio de contato com a saliva infectada. A maioria das pessoas contrai herpes oral quando são crianças, recebendo um beijo de um amigo ou parente.

Normalmente transmitido sexualmente, o HSV-2 provoca coceira e bolhas ou mesmo úlceras e feridas genitais. Entretanto, algumas pessoas com HSV-2 não apresentam quaisquer sinais (latência). A infecção cruzada dos vírus de herpes do tipo 1 e 2 pode acontecer se houver contato oral-genital. Isto é, pode-se pegar herpes genital na boca ou herpes oral na área genital.

Sintomas:

Os sintomas de herpes labial pode ser divido em três estágios: (2)

- Coceira: Muitas pessoas sentem uma sensação de coceira, ardor ou formigamento ao redor de seus lábios por um dia ou mais, antes que um ponto pequeno, difícil e doloroso apareça e as bolhas irrompem.

- Bolhas: Pequenas bolhas cheias de líquido geralmente surgem ao longo dos lábios. As feridas causadas pela herpes labial também podem ocorrer ao redor do nariz ou nas bochechas.

- Cicatrização: As bolhas pequenas começam a desaparecer, deixando úlceras abertas rasas e depois cicatrização

O principal sintoma do herpes labial é, também, sua principal característica: o surgimento de bolhas pequenas, avermelhadas e doloridas ao redor da boca.

Uma infecção de herpes labial pode ser semelhante a um episódio de herpes genital. o primeiro episódio de herpes labial pode ser leve ou grave e geralmente ocorre em crianças entre um e cinco anos de idade. Os primeiros sintomas aparecem nas primeiras duas semanas e duram até alguns dias após o contato com o vírus.

Dor de garganta e febre de até cinco dias podem ocorrer antes do aparecimento das bolhas, bem como alguns gânglios no pescoço. Sintomas como coceira, queimação, maior sensibilidade ou formigamento ao redor podem ocorrer cerca de dois dias antes do aparecimento das lesões, que costumam aparecer logo em seguida na gengiva, na boca, na garganta ou no rosto. A pessoa também poderá sentir dor para engolir.

Os episódios posteriores de herpes labial costumam ser mais brandos e os sintomas menos intensos. Exposição ao sol, menstruação, estresse e outros podem desencadear uma crise de herpes labial.

Uma erupção geralmente envolve:

  • Lesões na pele ou erupções nos lábios, na boca e na gengiva
  • Bolhas em uma área elevada, vermelha, dolorida
  • Bolhas que se formam, se rompem e liberam fluido
  • Crostas amarelas que se soltam para revelar uma pele rosa em cicatrização
  • Várias bolhas pequenas que se unem para formar uma bolha maior.

Diagnóstico:

Muitas vezes, os médicos conseguem detectar uma infecção pelo vírus da herpes simplesmente por meio da observação clínica, dando especial atenção às feridas. Entretanto, certos testes podem ser solicitados para confirmar o diagnóstico.

Tratamento:

Se não exigirem tratamento, os sintomas geralmente desaparecem entre uma e duas semanas. Medicamentos antivirais tomados por via oral podem ajudar os sintomas a desaparecerem mais rapidamente e aliviar a dor.

As feridas de herpes costumam reaparecer. Os medicamentos antivirais funcionam melhor se forem tomados quando o vírus estiver começando a voltar, ou seja, antes do aparecimento das feridas. Se o vírus voltar com frequência, o médico poderá recomendar ainda que você tome os medicamentos constantemente.

Pomadas antivirais tópicas podem ser usadas, mas devem ser aplicadas a cada duas hora. Elas são caras e podem reduzir o tempo da erupção entre algumas horas a até um dia, em casos leves de herpes.

Faça compressas com loções antissépticas não agressivas se necessário, tendo o cuidado de não retirar as crostas pois pode haver sangramento e retardar a cicatrização.

Especialista explica: herpes labial tem cura?

Herpes labial tem cura?

Não há cura para a infecção causada pelo vírus da herpes. Como em alguns casos, a doença pode não apresentar sintomas pode acabar dificultando o tratamento. No entanto, quando tratada corretamente o paciente pode viver sem complicações.

Complicações:

Se não for tratada, o herpes labial pode levar a problemas como:

  • Recorrência do herpes labial
  • Disseminação do herpes para outras áreas da pele como os olhos
  • Infecções bacterianas secundárias na pele
  • Infecção generalizada, deve ser rapidamente diagnosticada pelo médico morte em indivíduos com imunossupressão, incluindo indivíduos com dermatite atópica, câncer ou infectados pelo HIV
  • Cegueira.

Prognóstico:

Faça compressas com loções antissépticas não agressivas se necessário, tendo o cuidado de não retirar as crostas pois pode haver sangramento e retardar a cicatrização.

As dicas para evitar futuras erupções incluem aplicar filtro solar ou protetor labial com óxido de zinco quando estiver em áreas abertas. Um hidratante labial para evitar que os lábios fiquem muito secos também pode ser útil.

Prevenção:

Evite contato direto com feridas de herpes. Minimize o risco de disseminação indireta lavando bem itens, como toalhas e talheres, antes de reutilizá-los. De preferência, não compartilhe itens com uma pessoa infectada, principalmente quando ela tiver lesões de herpes. Evite desencadeadores (principalmente exposição ao sol) se tiver tendência ao herpes labial.

Evite fazer sexo oral quando estiver com lesões de herpes na boca ou perto da boca e evite receber sexo oral de alguém que tenha lesões de herpes genital ou oral. Os preservativos podem ajudar a reduzir, mas não eliminar totalmente, o risco de pegar herpes no sexo genital ou oral com uma pessoa infectada.

Atenção: Os vírus do herpes oral ou genital podem às vezes ser transmitidos mesmo quando a pessoa não apresenta lesões ativas.

Especialista explica: como prevenir as crises de herpes labial?

(1) Dra. Ana Célia Xavier, dermatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

(2) Mayo Clinic

(3) American Sexual Helth Association (ASHA)

(4) Ministério da Saúde

(5) Sociedade Brasileira de Dermatologia

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.