Hemorragia digestiva alta Icone para edição

Hemorragia digestiva alta é um sangramento na região do esôfago, estômago, duodeno ou intestino delgado. Essa perda de sangue pode estar relacionada a problemas nestes órgãos, como gastrite, úlcera estomacal, úlcera duodenal, consumo excessivo de certos medicamentos ou álcool, entre outros.

A hemorragia digestiva alta costuma ser notada quando há vômitos com sangue, fazendo com que ele saia vermelho vivo, ou sangue nas fezes - que acontece quando ele é digerido pelo organismo, deixando as fezes com odor fétido característico e cor bastante escura, com aspecto de borra de café.

A hemorragia digestiva alta costuma ser uma emergência médica, dependendo da intensidade do sangramento, do local e da quantidade de sangue que a pessoa já perdeu. É comum que o paciente seja internado para tratamento.

Diagnóstico:

Complicações:

A maior complicação decorrente da hemorragia digestiva alta, justamente por ser uma condição de emergência de saúde, é o óbito. Pessoas com problemas de coagulação são as que mais preocupam neste sentido, justamente por terem uma falência orgânica que impede uma coagulação do sangue eficiente.

Segundo a Sociedade Brasileira de Gastrenterologia os critérios que determinam um quadro de alto risco são:

- Idade maior que 60 anos;Choque, instabilidade hemodinâmica, hipotensão postural;Comorbidades associadas, como problemas cardiorrespiratório, renal, hepático ou de coagulopatia;Uso de medicações: anticoagulantes ou anti-inflamatórios não esteroides (AINEs);Hematêmese (vômito com sangue), enterorragia (eliminação de sangue vivo pelo anus) ou melanema (fezes com sangue) volumosas e/ou persistentes;Hemorragia em pacientes internados;Ressangramento em pacientes já tratados com endoscopia;Quando há necessidade de transfusão sanguínea;Aspirado nasogástrico (via sonda) com sangue vivo

Prognóstico:

Depois de feitos o diagnóstico e tratamento certeiros, o prognóstico é bastante bom para pacientes que tiveram hemorragia digestiva alta, desde que sejam tomados alguns cuidados:

O paciente deve seguir uma dieta especial por pelo menos três meses, evitando cafeína, bebidas alcóolicas, condimentos, alimentos ácidos como frutas cítricas etc

A pessoa deve evitar o uso de anti-inflamatórios não hormonais e ter a manutenção, conforme indicado pelo médico, com os inibidores de bombas de prótons (omeprazol, pantoprazol etc.). Também o uso de antibiótico indicado caso esteja com alguma bactéria relacionada ao problema, como a Helicobacter pylori.

Depois do uso da medicação por dois ou três meses é feita uma endoscopia de controle para verificar como está a região após o tratamento, e caso seja identificada alguma alteração já ajustar as escolhas terapêuticas.

Caso a pessoa fume, que é um fator que pode colaborar com o aparecimento ou volta do problema, ela deve procurar largar o cigarro

Hemorragia digestiva alta tem cura?

Seguindo todo o tratamento e as recomendações médicas é possível que a pessoa não tenha mais o problema. Contudo, como são múltiplas as causas que podem desencadear a hemorragia digestiva alta, caso a pessoa volte a tomar os anti-inflamatórios não hormonais, tenha uma dieta inadequada ou a bactéria retorne, o quadro pode se repetir.

Prevenção:

É possível prevenir a maior parte dos casos de hemorragia digestiva alta com os seguintes passos:

- Não se automedicar, principalmente com anti-inflamatórios ou remédios para dor de estômago;Procurar ajuda médica no caso de dor, desconforto, vômitos constantes ou outros problemas na região;Fazer consultas médicas e exames de rotina para verificar como a sua saúde está no geral;Se o médico prescrever o uso de anti-inflamatório por um longo período de tempo, utilizar um antiácido associado;Procurar fazer a higienização de frutas, legumes e verduras com hipoclorito de sódio para evitar a presença de bactérias;Ter uma dieta equilibrada;Ter uma dieta equilibrada.

Nelson Liboni, cirurgião do aparelho digestivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz - CRM: 69337/SP.

Sérgio Carlos Nahas, médico do Hospital Sírio-Libanês e professor livre docente da disciplina do Aparelho digestivo e Coloproctologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - CRM: 20880/SP.

Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED)

Manual MSD

Hospital Israelita Albert Einstein

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.