Gripe Icone para edição

O que é Gripe?

Também conhecida como influenza, a gripe é uma infecção do sistema respiratório cuja principal complicação é a pneumonia, responsável por um grande número de internações hospitalares no país. A gripe inicia-se com febre alta, em geral acima de 38ºC, seguida de dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça e tosse seca.

A febre é o sintoma mais importante da gripe e dura em torno de três dias. Os sintomas respiratórios, como tosse, tornam-se mais evidentes com a progressão da gripe e mantêm-se, em geral, por três a quatro dias após o desaparecimento da febre. É uma doença muito comum em todo o mundo, sendo possível uma pessoa adquirir influenza várias vezes ao longo de sua vida. a gripe também é frequentemente confundida com outras viroses respiratórias e, por isso, o seu diagnóstico de certeza só é feito mediante exame laboratorial específico.

Todos os anos, com a aproximação do inverno, começamos a nos preocupar em evitar as doenças respiratórias que popularmente chamamos de gripe. Apesar de usarmos esse termo de forma genérica para nos referirmos a sintomas como nariz entupido, espirros e dor de cabeça, a gripe e os resfriados são causados por vírus diferentes e apresentam algumas características que permitem a sua diferenciação.

Em 2017, foram registrados 394 casos e 66 óbitos por influenza no país. Desse total, 25 casos e 7 mortes foram por H1N1, 244 casos e 30 óbitos por H3N2, 81 casos e 24 óbitos por influenza B, e 44 casos e 5 mortes por influenza A não sub-tipada. Em todo o ano de 2017, foram registrados 2.691 casos e 498 óbitos por influenza.

Em 2018, até 9 de junho, foram registrados foram registrados 2.715 casos e 446 óbitos pelo vírus influenza - H1N1, H3N2 e influenza B e subtipado A. Do total, 1.619 casos e 284 óbitos foram por H1N1.

Não há grandes diferenças no que diz respeito a que doenças causam, como se prevenir e como tratar. A diferença entre os três subtipos de vírus está nas proteínas específicas que cada um tem em sua superfície.

Eles são cepas diferentes do mesmo vírus, com características semelhantes. Recentemente, o Ministério da Saúde revelou que vírus H2N3 não existe no Brasil.

Tipos

Os vírus da gripe, basicamente, possuem os tipos A, B e C. Esses vírus são altamente transmissíveis e podem sofrer mutações, sendo que o tipo A é mais mutável que o B e este mais mutável que o tipo C. Os tipos A e B causam maior mortalidade que o tipo C.

Os tipos A e B são responsáveis por epidemias sazonais em várias regiões do mundo, com circulação predominantemente no inverno, já o tipo C é causador de infecções mais brandas.

O tipo A é classificado em subtipos, como o H1N1 e o H3N2, que circulam atualmente em humanos. Já o tipo B é dividido em duas linhagens: Victoria e Yamagata. Mesmo com suas particularidades genéticas, todos podem provocar os mesmos sintomas

Causas

A gripe é causada pelo vírus influenza. Seus sintomas geralmente aparecem de forma repentina, com febre, vermelhidão no rosto, dores no corpo e cansaço. Entre o segundo e o quarto dia, os sintomas do corpo tendem a diminuir enquanto os sintomas respiratórios aumentam, aparecendo com frequência uma tosse seca.

Como no resfriado, a presença de secreções nasais e espirros na gripe é comum.

Já o resfriado é causado, na maioria das vezes, por rinovírus. Seus primeiros sinais costumam ser coceira no nariz ou irritação na garganta, os quais são seguidos após algumas horas por espirros e secreções nasais. A congestão nasal também é comum nos resfriados, porém, ao contrário da gripe, a maioria dos adultos e crianças não apresenta febre ou apenas febre baixa.

Fatores de risco

Os fatores que podem aumentar o risco de desenvolver influenza ou suas complicações incluem:

  • Idade: A gripe tende a atingir crianças pequenas e adultos mais velhos
  • Condições de vida ou de trabalho: As pessoas que vivem ou trabalham em instalações, juntamente com muitos outros residentes, como casas de repouso ou quartéis militares, têm maior probabilidade de desenvolver gripe
  • Sistema imunológico enfraquecido: Tratamentos de câncer, drogas anti-rejeição, corticosteróides e HIV/AIDS podem enfraquecer seu sistema imunológico. Isso pode facilitar a captura da gripe e também aumentar o risco de desenvolver complicações
  • Doença crónica: Condições crônicas, como asma, diabetes ou problemas cardíacos, podem aumentar o risco de complicações da gripe
  • Gravidez: As mulheres grávidas são mais propensas a desenvolver complicações da gripe, particularmente no segundo e terceiro trimestres. As mulheres que são duas semanas após o parto também têm maior probabilidade de desenvolver complicações relacionadas à influenza
  • Obesidade: Pessoas com um IMC de 40 ou mais têm um risco aumentado de complicações da gripe.

Os demais fatores de risco seguem a mesma linha daqueles enumerados para outros tipos de grupo:

  • Permanecer em locais fechados e com um aglomerado de pessoas
  • Levar as mãos à boca ou ao nariz sem lavá-las antes
  • Permanecer em contato próximo com uma pessoa doente.

Sintomas de Gripe

Inicialmente, a gripe pode parecer um resfriado comum com nariz escorrendo, espirros e dor de garganta. Mas os resfriados geralmente se desenvolvem lentamente, enquanto a gripe tende a surgir subitamente. Embora um resfriado possa ser um incômodo, você geralmente se sente muito pior com a gripe.

Sintomas comuns da gripe incluem:

  • Febre acima de 38ºC
  • Músculos doloridos, especialmente nas costas, braços e pernas
  • Calafrios e suores
  • Dor de cabeça
  • Tosse seca e persistente
  • Fadiga e fraqueza
  • Congestão nasal
  • Dor de garganta.

Buscando ajuda médica

É importante buscar ajuda médica se os sintomas forem muito intensos nas primeiras 48 horas, se a pessoa apresentar dispnéia (falta de ar) e se os sintomas persistirem por mais de sete dias.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a gripe são:

  • Clínico geral
  • Infectologista
  • Pneumologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quais são seus sintomas?
  • Quando seus sintomas surgiram?
  • Você manteve contato próximo com alguém que estava doente?
  • Você esteve recentemente em locais fechados ou com aglomerados de pessoas?
  • Você sente falta de ar? Com que frequência?
  • Você tomou vacina para gripe?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para gripe, algumas perguntas básicas incluem:

  • Qual é a causa mais provável da minha gripe?
  • Quais os tratamentos para gripe?
  • Quanto tempo fico contagioso depois de iniciar o tratamento?
  • Existe uma alternativa genérica ao medicamento que você me prescreve?
  • Preciso voltar para uma visita de acompanhamento?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Gripe

O diagnóstico é feito por um médico, baseado nos sinais clínicos do paciente e com uma amostra da secreção da nasofaringe, que deve ser colhida preferencialmente nas primeiras 72 horas após o início dos sintomas.

Esses testes podem fornecer resultados em 30 minutos ou menos. No entanto, os resultados variam muito e nem sempre são precisos. Seu médico pode diagnosticar você com influenza com base nos sintomas, apesar de ter um resultado negativo.

Tratamento de Gripe

Ainda não existem medicamentos que tenham demonstrado bons resultados no combate aos vírus da gripe e do resfriado. Por isso, o tratamento é direcionado ao alívio dos sintomas da gripe. Os principais medicamentos sintomáticos utilizados são os analgésicos e antitérmicos, que aliviam a dor e a febre.

Atenção: mesmo medicamentos que podem ser comprados sem necessidade de receita médica, como aqueles receitados para gripe, podem provocar reações indesejadas. Somente o profissional de saúde poderá indicar o medicamento mais apropriado para cada caso.

Remédios caseiros para gripes e resfriados não ajudam a curar esses quadros, apenas a amenizá-los levemente enquanto o organismo não completa este ciclo. De acordo com a nutróloga Lenina Matioli, os remédios caseiros para gripe mais indicados popularmente e que ajudam a aliviar seus sintomas são:

  • Suco de laranja com limão: A ingestão contínua desta vitamina ajuda a reforçar o sistema imunológico
  • Xarope de alho: A substância é anti-inflamatória, melhorando sintomas de congestão nasal
  • Suco de maçã com mel: O mel ajuda a hidratar as mucosas das vias aéreas, ajudando na tosse seca
  • Alho fervido com mel: Mistura os benefícios já citados de ambos os alimentos
  • Suco de caju: Seu consumo pode ser intercalada com o limão e laranja, ajudando a ter maior aporte de vitamina C
  • Canja de galinha: Não melhora os sintomas, mas é uma refeição balanceada e ajuda a melhorar o equilíbrio do corpo

Confira mais sobre os remédios para gripe aqui!

Medicamentos para Gripe

Os medicamentos mais usados para o tratamento de gripe são:

  • Acetilcisteína
  • Aspirina 500mg
  • Advil
  • Alivium
  • Apracur
  • Benegrip
  • Bisolvon
  • Bromexina
  • Buscofem
  • Clobutinol + Succinato de Doxilamina
  • Carbocisteína
  • Cimegripe 77C
  • Cimegripe Adulto
  • Cimegripe Bebê e Criança
  • Cimegripe Dia
  • Coristina D
  • Flanax 550mg
  • Fluitoss
  • Fluviral
  • Ibupril (cápsula)
  • Ibupril (gotas)
  • Ibupril 400mg
  • Ibuprofeno
  • Leucogen
  • Multigrip
  • Naldecon Dia
  • Naldecon Noite
  • Paracetamol Bebê
  • Paracetamol
  • Trimedal
  • Tylenol sinus
  • Nimesulida
  • Dipirona monoidratada.

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique.

Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

SAIBA MAIS: Veja os remédios caseiros para gripe e resfriados

Gripe tem cura?

Geralmente o prognóstico é bom, mas em alguns casos, dependendo da gravidade, a gripe pode levar a óbito. Contudo, quando o paciente segue o tratamento indicado pelo médico, costuma tem uma completa resolução do quadro.

Complicações possíveis

Se você é jovem e saudável, a gripe geralmente não é grave. Embora a gripe tenda a causar muito incômodo, ela geralmente desaparece em uma semana ou duas sem efeitos duradouros. Mas crianças e adultos de alto risco podem desenvolver complicações como:

  • Pneumonia
  • Bronquite
  • Crises de asma
  • Problemas cardíacos
  • Infecções de ouvido

A pneumonia é a complicação mais grave. Para adultos mais velhos e pessoas com doenças crônicas, a pneumonia pode ser fatal.

Convivendo/ Prognóstico

As principais formas de conviver bem enquanto trata a gripe é:

  • Repousar e ficar em casa, isso ajuda na recuperação e evita transmitir o vírus aos amigos e familiares
  • Beber bastante água e uma boa alimentação também são necessários para uma melhor recuperação
  • Não passar muito tempo deitado, para que possa haver uma melhor ventilação em seus pulmões.

Prevenção

Algumas formas de prevenir a gripe são:

  • Evite manter contato muito próximo com uma pessoa que esteja infectada
  • Lave sempre as mãos com água e sabão e evite levar as mãos ao rosto e, principalmente, à boca
  • Leve sempre um frasco com álcool-gel para garantir que as mãos sempre estejam esterilizadas
  • Mantenha hábitos saudáveis. Alimente-se bem e coma bastante verduras e frutas. Beba bastante água
  • Não compartilhe utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos, talheres e travesseiros
  • Se achar necessário, utilize uma máscara para proteger-se de gotículas infectadas que possam estar no ar
  • Evite frequentar locais fechados ou com muitas pessoas
  • Verifique com um médico se há necessidade de tomar a vacina que já está disponível contra a gripe.

A vacina da gripe é a melhor maneira de evitar a gripe e suas complicações. Todos os anos, é necessário receber uma nova dose, já que a sua composição é alterada de acordo com o tipo de vírus mais provável de se disseminar. A vacina da gripe previne aproximadamente 70-90% dos casos de gripe, mas não protege contra outras infecções respiratórias, como o resfriado.

O efeito preventivo da vacina da gripe é observado cerca de duas semanas após a sua administração. Por isso, a aplicação da vacina deve ser feita antes do inverno, época em que ocorrem os maiores índices de infecção. Como o vírus utilizado na vacina foi inativado em laboratório, não é possível que a vacinação provoque gripe.

As reações adversas à vacina da gripe que podem ocorrer costumam ser leves, como: dor no local da injeção, febre e mal-estar, que duram um ou dois dias. Há evidências de que quem recebe a vacina todos os anos desenvolve maior resistência à doença, por isso, todas as pessoas que tiveram acesso à vacina devem recebê-la anualmente. Para o resfriado, ainda não há vacina disponível.

Devido as baixas coberturas na Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, o Ministério da Saúde vai prorrogar a vacinação até o dia 22 de junho. Segundo o último levantamento, 11,8 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar contra a gripe.

Saiba Mais: Veja tudo sobre a vacina da gripe aqui!

Secretaria de Vigilância em Saúde

Renato Kfouri, infectologista do Hospital e Maternidade Santa Joana

Marcelo Mendonça, infectologista do Hospital Santa Paula

Andréa Kasmim, clínica geral e pediatra

Mayo Clinic. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/flu/diagnosis-treatment/drc-20351725

Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Disponível em: https://www.cdc.gov/flu/about/season/index.html

Secretaria de Vigilância em Saúde. Disponível em: http://www.saude.gov.br/svs

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.