Escoliose Icone para edição

O que é Escoliose?

A escoliose é uma deformidade em curva da coluna vertebral, podendo ou não ser acompanhada de rotação das vértebras, a chamada "giba".

Existem vários tipos de escoliose, sendo mais frequente estes três:


Cada um dos tipos se comporta de uma maneira diferente em termos de evolução.

Tipos

Existem vários tipos de escoliose, sendo mais frequente estes três:


Cada um dos tipos se comporta de uma maneira diferente em termos de evolução.

Causas

Confira as principais causas para os três tipos existentes de escoliose:


Fatores de risco

Algumas pessoas são mais suscetíveis ao encurvamento da coluna. Alguns fatores são considerados de risco pelos médicos para o desenvolvimento de escoliose idiopática. Confira:


Sintomas de Escoliose

Há suspeita de escoliose quando um ombro parece estar mais alto do que o outro ou quando a pélvis parece estar inclinada. Um olhar leigo não percebe a curvatura nos estágios iniciais exceto quando o paciente dobra o tronco para a frente e a assimetria entre os lados da coluna fica evidente.

Os principais sintomas da escoliose podem incluir:


Observação: em geral a escoliose na criança não causa dor. Quando a dor está presente há necessidade de uma avaliação médica criteriosa no sentido de afastar outras doenças mais graves.

Buscando ajuda médica

Procure um médico se você notar sinais ou sintomas de escoliose em seu filho/filha, principalmente se estiver acompanhado de queixa de dor. Curvas suaves, no entanto, podem se desenvolver sem que ninguém note pois a deformidade pode progredir lentamente por justamente não causar dor.

Na consulta médica

Médicos geralmente realizam exames de escoliose dentro dos exames de rotina, já que muitas vezes a deformidade é silenciosa e pode não manifestar sintomas.

O problema pode, inclusive, ser detectado durante o exame físico exigido para a prática de atividades físicas.

Caso haja suspeita da deformidade, anote todas as suas dúvidas e descreva os sintomas de seu filho. Se ele tiver idade suficiente, peça para que ele explique ao médico exatamente quais são os sintomas percebidos.

O médico deverá, também, fazer algumas perguntas, como essas:


Diagnóstico de Escoliose

O médico irá, inicialmente, fazer um histórico clínico detalhado e pode fazer perguntas sobre o crescimento recente do paciente. Depois, partirá para o exame físico, em que examinará o corpo do paciente em busca de sinais de escoliose.

Seu médico pode, também, realizar um exame neurológico para verificar a fraqueza muscular e reflexos anormais que seu filho poderá apresentar.

Entre os exames que o médico costuma pedir estão alguns testes de imagem, como raio X, tomografia computadorizada e até exames de ressonância magnética.

Tratamento de Escoliose

O tratamento depende da causa da escoliose, do tamanho e da localização da curvatura, além do quanto o paciente ainda crescerá. Na maioria dos casos de escoliose idiopática adolescente (com curvatura menores de 20 graus), o tratamento é a observação pois devem ser realizadas reavaliações clinicas e, eventualmente, radiográficas.

Na medida em que a curvatura se agrava (acima de 25 a 30 graus em crianças que estiverem em fase de crescimento), o uso de órteses é geralmente recomendado para auxiliar a retardar a progressão da curva. Existem muitos tipos de órteses utilizados. O colete de Boston, o colete de Wilmington, o colete de Milwaukee e o colete de Charleston foram batizados com o nome dos centros onde foram desenvolvidos.

Cada colete tem uma aparência distinta. Existem diferentes modos de usar adequadamente cada um deles. A seleção de uma órtese e a maneira como ela será usada depende de muitos fatores, inclusive das características específicas da curvatura. A melhor opção de órtese será decidida em conjunto pelo paciente e o médico.

Um colete para a coluna não reverte a curva. Em geral se utilizam mecanismos de pressão para alinhar a coluna vertebral dentro do aparelho na tentativa de evitar a progressão da deformidade. O colete deve ser ajustado com durante o crescimento. O uso de colete não funciona para as escolioses congênitas e neuromusculares e é menos eficaz na escoliose idiopática infanto-juvenil.

Há também a opção da cirurgia para reparação da curvatura vertebral, mas a decisão do momento apropriado para se operar varia. Após os ossos do esqueleto cessarem o crescimento, a curvatura não deve se agravar muito. Por causa disso, talvez o cirurgião queira aguardar até que os ossos do seu filho parem de crescer. Entretanto, pode ser que seu filho necessite de cirurgia antes disso, se a curva na coluna for grave ou estiver se agravando rapidamente. Curvas de 40 graus ou mais geralmente precisam ser operadas.

A cirurgia consiste em corrigir a curva (embora não completamente) e encaixar os ossos dentro dela. Os ossos são fixados no lugar com uma ou duas hastes de metal presas com ganchos e parafusos até que o osso seja recuperado. Às vezes, a cirurgia é feita por meio de um corte nas costas, no abdômen ou abaixo das costelas. Pode ser necessário o uso de uma órtese para estabilizar a coluna vertebral após a operação.

Convivendo/ Prognóstico

Fisioterapia não é capaz de impedir a progressão da escoliose, mas é importante para estabilizar a musculatura do paciente de modo geral. Por isso, o médico poderá recomendar a prática de exercícios físicos moderados.

Muitas vezes, as limitações impostas pelos tratamentos afetam o lado emocional e podem ameaçar a autoimagem, principalmente para adolescentes. Apoio emocional e psicológico é importante nesses casos.

Complicações possíveis


Escoliose tem cura?

O resultado do tratamento para escoliose depende da causa, da localização e da gravidade da curvatura. Quanto maior for a curva, maior será a chance de ela piorar após cessar a fase de crescimento.

Quanto maior for a curva inicial da coluna vertebral, maior será a chance de que a escoliose se agrave após a conclusão da fase de crescimento. A escoliose grave (curvas na coluna vertebral maiores do que 100°) pode causar problemas respiratórios.

Os casos de escoliose que não possuem gravidade e que são tratados apenas com o uso de órteses costumam ser resolvidos satisfatoriamente. As pessoas com esse quadro não são suscetíveis a problemas em longo prazo, exceto uma taxa elevada de dor na coluna lombar quando envelhecem. As pessoas com escoliose idiopática corrigida cirurgicamente recuperam-se bem e podem levar uma vida ativa e saudável.

Os pacientes com escoliose neuromuscular que sofrem de um outro distúrbio grave, como paralisia cerebral ou distrofia muscular, costumam ter tratamento diferenciado. Geralmente, a meta da cirurgia para esses casos é simplesmente permitir que a criança se sente corretamente na cadeira de rodas.

Os bebês com escoliose congênita têm uma grande variedade de defeitos de nascença subjacentes. Essa doença tem um manejo difícil e muitas operações costumam ser feitas.

Prevenção

Exames de prevenção ou de detecção precoce de escoliose podem prevenir complicações e a progressão da doença. Basta estar atento ao exame clinico da criança no sentido de avaliar possíveis deformidades.

Revisado por Dr. Djalma Pereira Mota, ortopedista e cirurgião de coluna (CRM-SP 44.457)

Ministério da Saúde

Sociedade Brasileira de Reumatologia

Instituto de Patologia da Coluna

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.