Erisipela Icone para edição

O que é Erisipela?

A erisipela é uma condição inflamatória causada pela bactéria Estreptococo beta-hemolítico, do grupo A, que atinge a derme e o panículo adiposo (tecido celular subcutâneo) da nossa pele, com grande envolvimento dos vasos linfáticos.

De acordo com a dermatologista Kaliandra Cainelli, a erisipela corresponde a uma celulite infecciosa superficial, acometendo principalmente os membros inferiores de pacientes idosos, embora possa acometer a face e alguns casos possam envolver outros tipos de bactérias não estreptocócicas, como o Estafilococos e a Klebsiella.

A erisipela está relacionada a um fator que age como “porta de entrada” para a infecção, como úlcera venosa crônica, pé de atleta, picada de insetos, ferimento cutâneo traumático e manipulação inadequada das unhas. Por meio desta porta de entrada, bactérias penetram na pele, atingindo as camadas cutâneas inferiores e se espalhando facilmente com muita velocidade. Pessoas com baixa condição imunológica, obesas e com má circulação são as mais suscetíveis.

Causas

Erisipela geralmente é causada por bactérias do grupo A streptococcus. A condição pode afetar crianças e adultos.

Algumas condições que podem levar a erisipela são:

  • Um corte na pele
  • Problemas com drenagem através das veias ou sistema linfático
  • Feridas na pele (úlceras).

Fatores de risco

Os principais fatores de risco para a erisipela são aqueles que permitem uma porta de entrada na pele como:

  • Úlceras
  • Feridas operatórios
  • Fissuras
  • Presença de alterações vasculares como a insuficiência venosa e o linfedema.

Pacientes com a imunidade comprometida também têm risco aumentado para erisipela como os portadores de diabetes, neoplasias e pacientes em quimioterapia.

Sintomas de Erisipela

Os sintomas da erisipela se caracterizam por:

  • Vermelhidão
  • Edema (inchaço)
  • Calor
  • Dor no local acometido.

Podendo ainda apresentar febre, calafrios, mal-estar, gânglios aumentados e até mesmo vômitos.

O quadro tem início súbito e, diferente da celulite infecciosa, a erisipela tem bordas bem demarcadas e elevadas que permitem diferenciar bem a infecção da área de pele sã. Em casos graves, pode ocorrer formação de bolhas e levar a uma evolução para um quadro de infecção generalizada, chamada sepse com risco de óbito .

Buscando ajuda médica

Ao apresentar os primeiros sinais de erisipela é essencial procurar ajuda médica, para que o tratamento adequado seja iniciado o quanto antes. Consulte o médico se:

  • Está sentindo dor na área afetada
  • Houver febre
  • Você suspeita de estar sofrendo uma infecção
  • Você já tentou medidas de autocuidado e não obteve sucesso.

Aproveite a consulta e tire todas as dúvidas que você tiver. Lembre-se também de fazer uma descrição completa de seus sintomas. Isso ajudará o médico a fazer o diagnóstico da erisipela.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a erisipela são:

  • Clínico geral
  • Dermatologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando você notou seus sintomas pela primeira vez? Você poderia descrevê-los para mim?
  • Quão severos são seus sintomas?
  • Você já esteve com alguém com uma infecção por Streptcoccus?
  • Você tem algum problema médico em curso, incluindo um sistema imunológico debilitado?
  • Você esteve recentemente no hospital?
  • Você teve sofreu algum corte na pele recentemente?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para erisipela, algumas perguntas básicas incluem:

  • Qual é a causa mais provável dos meus sintomas?
  • Que tipo de testes eu preciso fazer para confirmar o diagnóstico?
  • Qual é o melhor tratamento para infecção?
  • Eu sou contagioso?
  • Como posso saber se minha infecção está melhorando ou piorando?
  • Eu tenho outras condições de saúde. Como posso gerenciar melhor essas condições juntos?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Erisipela

O diagnóstico da erisipela é clínico e feito com base nos sintomas. A aparência da pele, essencialmente, somada à cultura do material da pele também fazem o diagnóstico, porém geralmente são desnecessárias. A cultura consegue detectar a bactéria envolvida e permite determinar para qual antibiótico ela é sensível. Exames complementares podem ser usados como hemograma, tomografia e ressonância magnética para diagnosticar a erisipela.

Tratamento de Erisipela

O tratamento principal é feito com antibióticos da família das penicilinas, utilizado por 10 a 14 dias, por via oral nos casos mais simples. Nos casos mais graves pode ser necessário o uso antibióticos intravenosos, além de haver necessidade de internação do paciente. O antibiótico mais usado é a penicilina procaína ou cristalina.

O tipo exato de antibiótico dependerá de vários fatores, como o tipo de bactéria que os médicos acham que você tem. Para verificar o progresso do tratamento, a área afetada da pele é delineada com uma caneta especial. Isso permite ver se os antibióticos estão tendo efeito e se a infecção e a vermelhidão estão desaparecendo.

Também é recomendável que você resfrie o inchaço e aplique envoltórios anti-sépticos úmidos. Os analgésicos anti-inflamatórios, como o ibuprofeno, podem ser usados ??para aliviar a dor e a febre. Além disso, é recomendado o uso tópico de cremes antibióticos, elevação do membro afetado e repouso no leito.

A cirurgia só será indicada em casos de complicações como a ocorrência de necrose, abscessos ou gangrena, na qual há tecido desvitalizado que precisa ser retirado.

Segundo a dermatologista Kaliandra Cainelli, a erisipela é uma infecção do tecido subcutâneo e pode complicar com infecção generalizada caso não haja pronto atendimento médico, por isso o uso de tratamentos caseiros não está indicado.

O que pode ser feito em domicílio são medidas para evitar a piora do quadro como:

  • Elevação do local afetado
  • Ingestão de bastante água
  • Controle da febre
  • Hidratação da área hidratada
  • Uso de compressa gelada ou gelo no local para resfriamento da área afetada.

Medicamentos para Erisipela

Os medicamentos mais usados para o tratamento de erisipela são:

  • Claritromicina
  • Hirudoid
  • Klaricid
  • Levofloxacino
  • Penicilina.

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Erisipela tem cura?

A erisipela é uma infecção bacteriana, quando diagnosticada rapidamente e tratada com o antibiótico adequado permite que a doença seja curada sem complicações.

Complicações possíveis

A erisipela, em determinados pacientes, pode se repetir por várias vezes, causando alterações na circulação e predispondo ao desenvolvimento de inchaço crônico no membro afetado.

Em casos mais graves, como em pacientes debilitados, pode se tornar uma infecção generalizada e levar a óbito.

Se houver complicações, apenas o tratamento rápido pode evitar maiores danos. Sinais de uma infecção mais grave incluem o seguinte:

  • Dor forte
  • Febre, suores frios, pele pálida
  • Náusea
  • Taxa de respiração mais rápida ou um coração acelerado
  • Sonolência, confusão ou outros problemas com consciência ou consciência.

Se você notar algum destes sintomas, é importante ligar imediatamente para os serviços de emergência.

Convivendo/ Prognóstico

Pacientes com quadros de repetição da erisipela, muitas vezes tem que conviver com a doença e por isso precisam seguir algumas regras, como:

  • Utilizar antibioticoterapia profilático a cada 21 dias com penicilina benzatina
  • Usar meias de compressão diariamente hidratar a pele
  • Fazer exercícios físicos
  • Elevar o membro ao dormir
  • Adotar uma dieta saudável e sem álcool para manter o peso controlado.

Prevenção

Algumas formas de prevenir a erisipela são:

  • Investir em medidas de limpeza local
  • Evitar as “portas de entrada”, como traumas, picadas de insetos, dermatoses cutâneas tipo pé de atleta
  • Ter atitudes que reduzam a insuficiência linfática e venosa
  • Ter um melhor controle do diabetes.

Em pacientes contaminados, deve-se descolonizar a pele. Aplicar penicilina benzatina intramuscular a cada 21 dias, nos casos de erisipela de repetição.

Greice Rampon, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Secção RS (SBD-RS)

Kaliandra Cainelli, dermatologista

National Center for Biotechnology Information. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK303996/

Sociedade Brasileira de Dermatologia. Disponível em: http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/erisipela/38/

Manual MSD - Versão para profissionais de Saúde. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-dermatol%C3%B3gicos/infec%C3%A7%C3%B5es-bacterianas-da-pele/erisipela

University of Iowa Stead Family Children's Hospital. Disponível em: https://uichildrens.org/adam/1/erysipelas

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.