Dor de estômago Icone para edição

A dor no estômago se apresenta como dor na região central superior do abdômen. Pode ser consequência de várias doenças que acometem o estômago, durando poucos minutos ou até mesmo persistindo por vários anos se não tratada adequadamente.

Diagnóstico:

Para o diagnóstico da causa de uma dor de estômago, devem ser inicialmente feitos a anamnese e exame físico com uma avaliação criteriosa do tipo da dor, sua duração e intensidade, fatores de piora ou melhora, avaliação da história pregressa do paciente e de seus antecedentes familiares. A partir deste ponto, podem ser solicitados exames complementares pertinentes como exames de sangue, fezes, urina, endoscopia digestiva alta, tomografia computadorizada, ressonância magnética e cintilografia. Uma vez definido o diagnóstico, procede-se com o tratamento direcionado para cada caso específico, podendo incluir dietas, mudanças de estilo de vida, medicamentos ou até mesmo cirurgia e radioterapia.

Tipos:

A dor de estômago pode se apresentar de forma aguda, intermitente ou crônica, ser leve ou muito intensa, em queimação ou apenas um dolorimento.

Habitualmente são necessários exames complementares para chegar ao diagnóstico já que uma úlcera gástrica pode, em certos casos, apresentar-se de forma semelhante a uma dispepsia funcional.

Cuidados

Quando se está com dor de estômago, é importante evitar alimentos que possam piorar os sintomas, não fazer uso de bebidas alcoólicas, nem ficar em jejum prolongado.

Caso a dor se inicie após começar o uso de algum medicamento, a pessoa deve entrar em contato com o prescritor para definir a possibilidade de suspensão do mesmo.

A pessoa deve também prestar atenção na dor para fornecer dados que facilitem o diagnóstico, como o horário em que a dor se inicia, sua duração, relação da dor com comida, jejum, estresse e como a dor melhorou (se melhorou a dor espontaneamente ou necessitou de algum medicamento).

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.