Dor abdominal Icone para edição

O que é Dor abdominal?

Dor abdominal é uma dor bastante comum, sentida na região entre o tórax e a virilha. Ela costuma ser chamada também por outros nomes, como dor de estômago e dor na barriga.

A dor abdominal varia de intensidade e pode ser recorrente ou contínua, aguda ou crônica. Além disso, pode variar também no local da dor na barriga (partes superior, inferior, esquerda ou direita do abdômen).

Existem diversas formas diferentes de se descrever uma dor na barriga e ela quase sempre está relacionada à causa subjacente.

Causas

A dor abdominal pode ser causada por muitas e diferentes condições. O importante é saber quando a pessoa precisa de cuidados médicos imediatos. As causas também podem variar de acordo com o local da dor.

Se as dores estiverem localizadas na parte superior do abdômen, as prováveis razões para o seu surgimento são:

  • Angina
  • Apendicite
  • Colangite (inflamação no duto biliar)
  • Colecistite
  • Duodenite
  • Cálculo renal
  • Doença do refluxo gastroesofágico
  • Infarto
  • Hepatite
  • Bloqueio ou obstrução intestinal
  • Isquemia mesentérica
  • Linfoma não-Hodgkin
  • Dor de estômago
  • Pancreatite
  • Úlcera péptica
  • Pericardite
  • Pleurisia
  • Pneumonia
  • Pneumotórax
  • Estenose pilórica
  • Aneurisma da aorta abdominal.

Já quando as dores estão localizadas na parte inferior do abdômen, as causas podem ser:

  • Apendicite
  • Cistite
  • Diverticulite
  • Endometriose
  • Inflamação cervical
  • Bloqueio ou obstrução intestinal
  • Doença inflamatória pélvica
  • Mittelschmerz, dor associada à ovulação
  • Cistos no ovário
  • Salpingite.

Outras prováveis causas para a dor na barriga são:

  • Constipação
  • Síndrome do intestino irritável
  • Alergias ou intolerância alimentar (como intolerância à lactose)
  • Intoxicação alimentar
  • Gripe estomacal
  • Câncer do estômago, cólon e de outros órgãos
  • Inflamação da vesícula (colecistite) com ou sem cálculos biliares
  • Suprimento sanguíneo reduzido aos intestinos (intestino isquêmico)
  • Azia ou indigestão
  • Doença inflamatória do intestino (doença de Crohn ou colite ulcerativa)
  • Úlcera.

Às vezes, a dor abdominal pode ser causada por um problema em outra parte do corpo, como tórax ou região pélvica. Por exemplo, você poderá ter dor na barriga se sofrer:

  • Cólicas menstruais intensas
  • Estiramento muscular
  • Doença inflamatória pélvica
  • Pneumonia
  • Gravidez ectópica
  • Infecções do trato urinário.

Buscando ajuda médica

Busque ajuda médica imediata ou chame o serviço de emergência quando você sentir dores abdominais nessas situações:

  • Estiver sendo atualmente tratado para câncer
  • For incapaz de evacuar
  • Houver ocorrência de vômito
  • Estiver vomitando sangue ou apresentar sangue nas fezes (especialmente se as fezes estiverem em um tom castanho escuro ou preto piche)
  • Sofrer dor no tórax, pescoço ou ombro
  • Sofrer dor abdominal aguda e súbita
  • Sentir dor nas, ou entre, as omoplatas com náusea
  • Sentir sensibilidade na barriga, ou se a barriga se mostrar rígida e dura ao toque
  • Estiver grávida ou houver essa possibilidade de gravidez
  • Sofreu lesão recente no abdômen
  • Tiver dificuldade de respirar.

Marque uma consulta médica se:

  • A dor abdominal (dor na barriga) persistir por uma semana ou mais
  • A dor abdominal não melhorar entre 24 a 48 horas, ou se tornar mais intensa e frequente e ocorrer com náusea e vômito
  • Apresentar timpanismo abdominal (quando o abdômen fica visivelmente inchado) que persiste por mais de dois dias
  • Tiver sensação de queimação ao urinar ou micção frequente
  • Apresentar diarreia por mais de cinco dias
  • Apresentar dor e febre
  • Tiver falta de apetite prolongada
  • Tiver sangramento vaginal prolongado
  • Perder peso inexplicavelmente.

Na consulta médica

Os profissionais de saúde que podem diagnosticar e tratar a dor abdominal incluem:

  • Clínico geral
  • Gastroenterologista
  • Nefrologista
  • Urologista
  • Ginecologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Leve suas dúvidas por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá responder as perguntas relevantes antes da consulta acabar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Onde você sente dor?
  • A dor é generalizada ou está em local específico?
  • A dor abdominal vai para as costas, virilha ou para as pernas?
  • A dor é intensa, aguda ou em cãibras?
  • A dor na barriga é constante ou vai e vem?
  • Você acorda com a dor à noite?
  • Você já sentiu dor semelhante no passado? Quanto tempo durou cada episódio de dor abdominal?
  • Quando a dor se manifesta? Por exemplo, após as refeições ou durante a menstruação?
  • O que piora a dor? Por exemplo, alimentar-se, estresse ou repouso?
  • O que melhora a dor? Por exemplo, ingerir leite, evacuar ou tomar um antiácido?
  • Quais medicamentos você está tomando?
  • Você sofreu qualquer lesão recente?
  • Você está grávida?
  • Quais outros sintomas você tem?

Medicamentos para Dor abdominal

A dor abdominal pode ter diversas causas, de modo que o tratamento varia de acordo com o diagnóstico estabelecido pelo médico. Por isso, somente um especialista capacitado pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Os medicamentos mais comuns no tratamento de dor na barriga são:

  • Butilbrometo de Escopolamina
  • Cimetidina
  • Digeplus
  • Dimeticona
  • Dimezin
  • Dimezin Max
  • Domperidona
  • Dipirona
  • Flagass
  • Flanax 550mg
  • Hiospan (comprimido revestido e solução)
  • Hiospan (gotas)
  • Hiospan (solução injetável)
  • Ibuprofeno
  • Luftal (comprimido)
  • Omeprazol
  • Paracetamol/Prednisona
  • Nimesulida
  • Simeticona.

Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Ministério da Saúde

Mayo Clinic

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.