Desidratação Icone para edição

A desidratação ocorre quando o corpo usa ou perde mais líquido do que o ingerido. Quando isso acontece, seu corpo ter dificuldades para realizar suas funções normais. Se você não repõe os líquidos que são utilizados ou perdidos, ocorre a desidratação.

Perdemos água todos os dias: em nosso suor, urina, fezes e sob a forma de vapor quando respiramos. Juntamente com a água, pequenas quantidades de sais minerais também são perdidos. Além disso, a água é responsável por nutrir as células do nosso corpo e garantir que todas as funções serão devidamente cumpridas.

Ao perder muita água, o corpo ficar fora de equilíbrio ou desidratado. A desidratação severa pode levar à morte.

Sintomas:

Desidratação leve a moderada pode causar:

  • Boca seca e pegajosa
  • Sonolência ou cansaço - crianças tendem a ser menos ativas do que o habitual
  • Sede
  • Diminuição da produção de urina (para bebês, não molhar a fralda por três horas ou mais)
  • Pouca ou nenhuma lágrima ao chorar
  • Pele seca
  • Dor de cabeça
  • Prisão de ventre
  • Tonturas ou vertigens.

A desidratação severa, uma emergência médica, pode causar:

  • Sede extrema
  • Preguiça extrema ou sonolência em bebês e crianças
  • Irritabilidade e confusão em adultos
  • Boca, pele e membranas mucosas muito secas
  • Pouca ou nenhuma micção - toda a urina que é produzida será mais escura do que o normal
  • Olhos fundos
  • Pele seca e murcha, sem elasticidade
  • Em bebês lactentes, fontanelas afundadas
  • Pressão arterial baixa
  • Batimento cardíaco rápido
  • Respiração rápida
  • Sem lágrimas ao chorar
  • Febre
  • Nos casos mais graves, delírio ou inconsciência.

Infelizmente, a sede nem sempre é um indicador confiável da necessidade do corpo por água, especialmente em crianças e idosos. O melhor indicador é a cor da urina: clara ou de cor clara significa que o corpo está bem hidratado, enquanto uma cor amarela ou âmbar escuro geralmente sinais de desidratação.

Diagnóstico:

Através de exames, o médico irá tentar identificar o que levou à desidratação:

Aumento da frequência cardíaca, diminuição da pressão arterial e respiração ofegante são sinais de desidratação potencial e outras doenças. A febre pode ocorrer pela desidratação ou pela doença de base.

  • A cor e clareza de urina, a densidade da urina (a massa de urina é comparada com a de quantidades iguais de água destilada) e a presença de cetonas (compostos de carbono que significam catabolismo) na urina pode ajudam a indicar o grau de desidratação
  • O aumento da glicose na urina pode conduzir a um diagnóstico de diabetes ou indicar a perda de controle diabético e uma causa para a desidratação
  • Excesso de proteína na urina pode ser sinal de problemas renais
  • Os sinais de infecções ou de outras doenças, tais como doenças do fígado, podem ser encontrados por testes de urina.
  • A quantidade de sais (sódio e potássio) e de açúcar, bem como indicadores da função renal (ureia e creatinina), pode ser importantes para avaliar o grau de desidratação e possíveis causas
  • Um hemograma completo pode ser indicado se o médico acha que uma infecção subjacente está causando a desidratação. Outros exames de sangue, tais como testes de função hepática, podem ser indicados para encontrar as causas dos sintomas.

Tratamento:

É possível tratar a desidratação leve a moderada das seguintes maneiras:

  • Bebericando pequenas quantidades de água
  • Ingerir bebidas isotônicas
  • Chupar picolés feitos de sucos de frutas e bebidas isotônica
  • Chupar cubos de gelo
  • Bebendo por um canudo (funciona bem para alguém que passou por uma cirurgia de mandíbula ou ter feridas na boca).

Se a desidratação aconteceu por exposição ao calor excessivo, tente ajudar das seguintes formas:

  • Remova qualquer excesso de roupa e afrouxe as que não podem ser retiradas
  • Áreas com ar-condicionado são as melhores para ajudar a temperatura do corpo volta ao normal e quebrar o ciclo de exposição ao calor
  • Se o ar condicionado não está disponível, aumente o resfriamento por evaporação, colocando a pessoa na sombra. Coloque uma toalha molhada em torno da pessoa
  • Se possível, use um borrifador para pulverizar água morna em superfícies expostas da pele para ajudar com a perda de calor por evaporação
  • Evite expor a pele ao frio excessivo, como compressas de gelo ou água gelada. Isso pode fazer com que os vasos sanguíneos da pele se contraiam, reduzindo em vez de aumentar a perda de calor. A exposição ao frio excessivo também pode causar tremores, que irá aumentar a temperatura corporal – causando o efeito oposto.

O tratamento no departamento de emergência se concentra primeiro em restaurar o volume de sangue e fluidos corporais, determinando em seguida a causa da desidratação. Os médicos provavelmente irão:

  • Resfriar o corpo do paciente, se a causa for exposição excessiva ao calor
  • Fazer a reposição de líquidos via oral se não houver náusea e vômitos ou desidratação excessiva. Caso contrário, fazer a reposição intravenosa
  • Fazer exames de sangue e urina para determinas as causas da desidratação.

Se o paciente melhora, pode ser enviado para casa, de preferência sob os cuidados de amigos ou familiares que podem ajudar a monitorar sua condição. Se permanecer desidratado, confuso, febril, com sinais vitais anormais persistentes ou sinais de infecção, pode precisar ficar no hospital para tratamento adicional.

Se a febre é uma causa de desidratação, o uso de antitérmicos pode ajudar. Isso pode ser administrado por via oral se não houver vômito ou como um supositório.

Complicações:

A desidratação pode levar a complicações graves, incluindo:

  • Lesão térmica, que pode causar exaustão pelo calor ou insolação, com potencial risco de vida
  • Inchaço do cérebro (edema cerebral): Se a reidratação for feita de forma inadequada, pode ocorrer que algumas células inchem e se rompam. As consequências são especialmente graves quando as células do cérebro são afetadas.
  • Convulsões: eletrólitos - como potássio e sódio – ajudam a transportar os sinais elétricos de célula para célula. Se os seus eletrólitos estão fora de equilíbrio, as mensagens elétricas normais podem se confundir, o que pode levar a contrações musculares involuntárias e, por vezes, a uma perda de consciência
  • Choque por baixo volume de sangue (choque hipovolêmico): este é um dos mais graves e às vezes com risco de vida. Ele ocorre quando o volume de sangue baixo provoca uma queda da pressão arterial e uma queda na quantidade de oxigênio em seu corpo
  • Insuficiência renal: este problema potencialmente fatal ocorre quando os rins já não são capazes de remover o excesso de líquidos e resíduos do sangue
  • Coma e morte. Quando não tratada pronta e apropriadamente, a desidratação grave pode ser fatal.

Prevenção:

  • Ingira quantidades extras de água em eventos ao ar livre que há risco de aumento da sudorese. Atletas e trabalhadores ao ar livre devem repor os líquidos em uma taxa que é igual a perda
  • Evite exercício e exposição durante os dias de índice de calor intenso
  • Certifique-se de que as pessoas mais velhas e lactentes e crianças têm água potável adequada
  • Certifique-se de que qualquer pessoa incapacitada ou prejudicada está ingerindo quantidade adequada de líquidos
  • Evite o consumo de álcool, especialmente quando o clima está quente, uma vez que o álcool aumenta a perda de líquido pela urina
  • Use roupas de cores claras e soltas se você deve estar ao ar livre no calor
  • Não permaneça o tempo inteiro no sol. Procure uma sombra e refresque-se
  • Controle o diabetes.

Clínica Mayo

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.