Clamídia Icone para edição

Clamídia é a doença sexualmente transmissível (DST) mais comum em todo o mundo. Essa DST muitas vezes é silenciosa e pode afetar tanto homens quanto mulheres, não tem tratamento difícil. Mas, se não receber a devida atenção, pode desencadear problemas mais graves de saúde.

Sintomas:

Os estágios iniciais da clamídia não costumam manifestar sintomas. Quando eles ocorrem, isso acontece geralmente de uma a três semanas após a exposição à bactéria causadora da doença. Mesmo quando os sintomas se manifestam, eles são fracos e passageiros. Confira os principais sinais de contaminação por clamídia:

  • Ardência ao urinar
  • Dor abdominal
  • Corrimento vaginal
  • Corrimento peniano
  • Penetração dolorosa durante o ato sexual, no caso de mulheres
  • Sangramento intermenstrual e após a relação sexual
  • Dor nos testículos
  • Dor ou secreção retal
  • Sintomas de doença inflamatória pélvica.

Um em cada quatro homens com clamídia não apresentam sintomas, e somente cerca de 30% das mulheres infectadas manifestam os sinais típicos da doença.

Diagnóstico:

O exame para detecção de clamídia é recomendado para mulheres grávidas, jovens de até 25 anos e homens e mulheres que tenham tido vários parceiros ao longo dos últimos meses. Mas este teste é recomendado, principalmente, para pessoas que mantiveram relações sexuais sem o uso de preservativos.

Para realizar o diagnóstico de clamídia, os procedimentos são considerados bem simples. Os exames envolvem a coleta de amostras da secreção uretral ou das secreções do colo do útero. Se o indivíduo pratica sexo anal, amostras extraídas do reto também podem ser solicitadas. A amostra é encaminhada para um teste de anticorpos monoclonais ou fluorescentes, teste de sonda de DNA ou cultura celular. Alguns desses testes também podem ser realizados em amostras de urina.

Tratamento:

Por ser causada por uma bactéria, o tratamento de clamídia é feito à base de antibióticos. O médico dirá por quanto tempo você deve tomar o medicamento e quantas vezes ao dia.

Se você tem clamídia, seu parceiro ou parceira também deve realizar os exames para diagnosticar a doença e, se der positivo, o tratamento ministrado será o mesmo – mesmo que ele ou ela não tenha manifestado quaisquer sintomas.

O tratamento de clamídia não garante imunidade para a doença. Ou seja, se não houver o devido cuidado, ela pode retornar.

Complicações:

Clamídia não tratada pode levar a problemas mais sérios de saúde, como:

  • Outras doenças sexualmente transmissíveis
  • Doença inflamatória pélvica
  • Epididimite
  • Inflamação na próstata
  • Contaminação de um recém-nascido, em caso de doença congênita
  • Infertilidade
  • Artrite reativa.

Clamídia tem cura?

O tratamento antibiótico no início funciona muito bem e pode impedir o desenvolvimento de complicações a longo prazo. A infecção não tratada, por outro lado, pode levar a complicações.

O tratamento dura, em média, dez dias. Enquanto a pessoa está tomando antibiótico, ela deve evitar praticar relações sexuais.

Prevenção:

A única maneira 100% garantida de não contrair clamídia é não mantendo relações sexuais. Mas o uso de preservativos durante o ato sexual já é um método preventivo bastante eficaz contra essa e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Ministério da Saúde

Manual Merck

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.