Câncer de endométrio Icone para edição

Endométrio é o tecido (membrana) que reveste a parede interna do útero. O Câncer de endométrio é o que se inicia neste local e é bastante comum, principalmente em mulheres com mais de 60 anos.

Normalmente o câncer de endométrio é detectado rapidamente pois causa um sangramento vaginal anormal, fazendo com que as mulheres procurem os seus médicos para verificar a origem do problema.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de endométrio é o sexto tipo mais comum de câncer em mulheres no mundo. Antes dele, os cânceres mais comuns em mulheres são: câncer de mama (25,2%), câncer de intestino (9,2%), câncer de pulmão (8,7%), câncer de colo do útero (7,9%) e câncer de estômago (4,8%)

Tipos:

Há diversos subtipos de câncer de endométrio, sendo que o mais comum é o carcinoma endometrioide. Ele apresenta um resultado de tratamento mais favorável por ser diagnosticado normalmente em estágio inicial, isso porque ele causa sangramento uterino anormal.

Sintomas:

Muitas mulheres não apresentam nenhum sintoma e acabam descobrindo o câncer em um exame de rotina. Quando apresenta-se algum sintoma, este é o sangramento anormal. Em mulheres na menopausa, qualquer tipo de sangramento, por menor que seja, é considerado anormal. Além destes, outros possíveis sintomas são:

  • Sangramento vaginal entre as menstruações
  • Secreção aquosa ou com sangue muito claro
  • Dor pélvica
  • Dor durante a relação sexual.

Diagnóstico:

Os procedimentos para diagnosticar o câncer de endométrio incluem:

  • Exame pélvico, em que o médico verifica o interior da vagina
  • Ultrassom transvaginal
  • Histeroscopia, que é quando o médico insere um aparelho através da vagina, que permite que ele visualize o seu interior e faça uma biópsia da área alterada.

Depois que o câncer endometrial é diagnosticado, o próximo passo é determinar o seu estágio, que é baseado em quão profundamente o câncer invadiu a parede muscular do útero. Também se há sinais de que ele se espalhou para outros órgãos do corpo, para isso são realizados:

  • Exame físico
  • Ressonância magnética do abdômen e da pelve
  • Radiografia do tórax
  • Outros exames de imagem.

Os estágios do câncer de endométrio variam de fase I, quando o câncer invadiu apenas o revestimento do útero, até o estágio IV, que significa que ele se espalhou para órgãos distantes, como o fígado. Em geral, os cânceres em estágio mais baixo são menos complicados e exigem um tratamento menos agressivo que um câncer em estágio mais elevado.

Tratamento:

O tratamento dependerá das características do câncer de endométrio e da saúde da mulher, assim como das suas preferências.

Faz parte do tratamento a cirurgia com remoção do útero (histerectomia) e retirada dos ovários e trompas. Um oncologista deve trabalhar em conjunto com o oncoginecologista para, a depender do estágio da doença, indicar os devidos tratamentos quimioterápicos.

Complicações:

Assim como na maioria dos casos de câncer, a maior complicação é ele se espalhar por grande parte do corpo do paciente, ocasionando a sua morte.

Câncer de endométrio tem cura?

As expectativas para o câncer de endométrio descoberto em estágio inicial são muito boas, chegando a 90% de chance de neutralizar o problema.

Prevenção:

A única forma de prevenir o câncer de endométrio é combatendo os fatores de risco, como a obesidade, mantendo uma vida saudável. Para isso:

  • Mantenha a pressão arterial e o diabetes sob controle, dentro dos níveis de normalidade
  • Tenha uma alimentação equilibrada e com menor quantidade de sódio
  • Pratique atividades físicas regularmente
  • Se fuma, deixe de fumar
  • Controle o consumo de álcool.

Bárbara Murayama, ginecologista e especialista Minha Vida (CRM/SP 112527)

Instituto Nacional do Câncer (INCA)

Instituto Nacional Americano do Câncer

Clínica Mayo – organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos que reúne conteúdos sobre doenças, sintomas, exames médicos, medicamentos, entre outros.

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.