Apendicite Icone para edição

O que é Apendicite?

A apendicite é a inflamação do apêndice - uma região do intestino grosso, resquício do processo evolutivo, que pode causar dor quando inflamado.

Sintomas de Apendicite

O principal sintoma da apendicite é dor abdominal, que varia de acordo com a idade da pessoa e da posição do seu apêndice ("bolsa" presa na parte final do cólon) inflamado.

Geralmente, o primeiro sinal é dor na região próxima ao umbigo, que pode ser fraca no início mas vai se tornando cada vez mais aguda e grave conforme as horas passam.

À medida que aumenta a inflamação no apêndice, num processo que varia de 12 a 18 horas, a dor tende a se mover para baixo e à direita - local diretamente acima do apêndice, também chamado ponto de McBurney.

Outros sintomas de apendicite, que aparecem junto com a dor são:

  • Náusea
  • Vômitos
  • Apetite reduzido
  • Febre baixa

Se o apêndice se rompe, a dor pode desaparecer por um breve período e a pessoa se sente melhor repentinamente. No entanto, uma vez que o revestimento da cavidade abdominal fica inflamada e infectada (uma condição chamada peritonite), a dor piora e os sintomas se intensificam - principalmente quando a pessoa caminha ou tosse.

Sintomas posteriores incluem:

  • Calafrios
  • Constipação
  • Diarreia
  • Febre
  • Perda de apetite
  • Náusea a vômitos
  • Tremores.

Causas

As causas da apendicite não são sempre claras, mas algumas situações são conhecidas por levar à inflamação no apêndice. Veja:

  • Obstrução por gordura ou fezes
  • Infecção, como a gastrointestinal causada por vírus.

Em ambos os casos, uma bactéria presente naturalmente dentro do apêndice começa a se multiplicar, causando a inflamação e o inchaço do apêndice, e eventualmente com pus. Se não tratada prontamente, a apendicite pode causar o rompimento do apêndice.

Fatores de risco

Qualquer um pode desenvolver inflamação no apêndice, mas a apendicite é mais comum entre pessoas de 10 a 30 anos.

Não há, contudo, comportamentos considerados de risco e que possam contribuir para a inflamação.

Buscando ajuda médica

Fique atento aos sintomas. Se eles persistirem por mais do que 12 horas, procure um especialista e explique a ele o que está sentindo e o quão forte são as dores. Aproveite e tire todas as suas dúvidas.

O médico poderá lhe perguntar quais partes do seu abdômen doem e se a dor mudou de local com o passar das horas. Descreva também outros sintomas, como febre, náuseas e diarreia.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a apendicite são:

  • Clínico geral
  • Cirurgião abdominal.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando sua dor abdominal começou?
  • Aonde dói?
  • A dor mudou?
  • Quão grave é a sua dor?
  • O que torna sua dor mais grave?
  • O que ajuda a aliviar sua dor?
  • Você está com febre?
  • Você sente náuseas?
  • Quais outros sinais e sintomas você tem?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Perguntas que você pode perguntar ao seu médico:

  • Eu tenho apendicite?
  • Preciso de mais testes?
  • O que mais eu poderia ter além da apendicite?
  • Preciso de uma cirurgia?
  • Quais são os riscos da remoção do apêndice?
  • Por quanto tempo eu preciso ficar no hospital após a cirurgia?
  • Quanto tempo será a recuperação?
  • Quanto tempo depois da cirurgia posso voltar ao trabalho?
  • Você pode dizer se o meu apêndice já estourou?

Diagnóstico de Apendicite

Em geral, os médicos podem diagnosticar a apendicite pela sua descrição dos sintomas, pelo exame físico e pelos exames de laboratório. Em alguns casos, testes adicionais podem ser necessários.

Na apendicite, o nível de dor varia de acordo com o tempo, o que dificulta o diagnóstico. Além disso, apendicite não é o único capaz de causar dores abdominais, então o médico deverá realizar alguns exames para ter certeza absoluta de que se trata de um quadro de inflamação no apêndice.

Exames

O diagnóstico de apendicite pode ser feito com os seguintes exames:

  • Exame físico: o tipo mais preciso de exame feito pelo médico é o exame físico, em que o médico pressionará a área dolorida. Na apendicite, quando a área em questão for pressionada, a dor sempre aumenta, indicando que naquele local há inflamação. O médico também deverá observar se há rigidez dos músculos do abdômen
  • Exame de sangue: o especialista também poderá optar por um exame de sangue, que mostrará o número de glóbulos brancos presentes no sangue do paciente. Se estiver mais alto do que o normal, é sinal de infecção
  • Exame de urina: este é mais utilizado para que o médico tenha certeza de que as dores não são fruto de pedras nos rins. Na análise dos resultados, é possível determinar a causa dos sintomas por meio da observação de glóbulos vermelhos, que ficam mais visíveis em microscópios quando há um quadro de cálculo renal. Caso eles não indiquem pedra nos rins, o médico suspeita de inflamação
  • Raio-X: o médico também poderá solicitar um raio-X da região abdominal. Por meio da análise das imagens feitas no exame, que saem após poucos minutos, ele poderá fazer o diagnóstico correto.

Tratamento de Apendicite

O tratamento da apendicite é cirúrgico, ou seja, o apêndice (que é uma "bolsa" presa na parte final do cólon) inflamado é retirado durante uma cirurgia, em que a pessoa está anestesiada, no hospital. O procedimento é conhecido como apendicectomia.

O apêndice não é substituído durante a cirurgia, apenas é feita a sua remoção. A retirada do apêndice não traz nenhum risco documentado para a vida do paciente no futuro, uma vez que ele não tem nenhuma atividade conhecida no corpo humano.

Se o caso estiver sem complicações, ou seja, for feito o diagnóstico com o apêndice ainda inteiro, um cirurgião normalmente o removerá logo após o problema ser constatado.

Cirurgias para Apendicite

A cirurgia pode ser realizada de duas formas, a primeira é com uma pequena incisão de cerca de cinco centímetros no lado direito do abdome, logo acima do apêndice, para a sua remoção.

A segunda é através de laparoscopia, ou seja, o cirurgião faz três pequenos orifícios no abdômen, insere uma câmera para a visualização do procedimento e remove o apêndice. Esse método é menos invasivo que o tradicional e normalmente tem um tempo de recuperação menor.

Apenas o médico responsável poderá dizer qual o melhor tipo de cirurgia para cada caso e paciente.

Complicações possíveis

A grande complicação da apendicite, quando não diagnosticada e tratada rapidamente, é o rompimento do apêndice - o que geraria o acúmulo de pus dentro do abdômen, atingindo outros órgãos.

Nestes casos, o médico indicará a melhor forma de tratar o problema e que representa menos riscos para o paciente.

Normalmente o abcesso e pus precisam ser drenados, o que pode ser feito com o auxílio de um tubo sob a pele e com medicamentos. A apendicectomia poderá ser realizada, nestes casos, depois que a infecção for controlada.

Se o paciente com apendicite não for tratado imediatamente, ele poderá sofrer de algumas complicações mais graves:

  • Peritonite, causado por rompimento do apêndice, em que há inflamação na cavidade abdominal
  • Acúmulo de pus no abdômen, causado por abscesso de um apêndice rompido
  • Conexões anormais entre órgãos abdominais ou entre esses órgãos e a superfície da pele (fístula).

Convivendo/ Prognóstico

Se seu apêndice for removido antes de ele se romper, você provavelmente ficará bem logo após a cirurgia. Se seu apêndice romper antes da cirurgia, você provavelmente se recuperará mais lentamente, e terá uma probabilidade maior de desenvolver um abscesso ou outras complicações. Nesses casos, você provavelmente ficará no hospital por mais tempo, em observação.

Prevenção

Não há formas de prevenir a apendicite. Todos nascemos com apêndice. O processo de inflamação se dá naturalmente e até bastante comum.

Ministério da Saúde

Mayo Clinic

*As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo.
*Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos do profissional da saúde.